Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Professores de escolas particulares

Recebi este texto por e-mail, e faz referência a um post de caradelivro de 2014, ainda disponível.

“Olha que interessante, fui conhecer uma escola aqui de Campo Grande – MS, para matricular minha filha. Enquanto a diretora mostrava empolgadíssima sua estrutura (carteiras bonitas, biblioteca infantil, área disso… área daquilo…) viro pra mulher e pergunto: “Quanto é a hora/aula do professor que vai dar aula pra minha filha aqui na sua escola?”

A diretora empacou. Perguntou se eu estava querendo matricular ou procurando emprego. Eu prossegui: “Quero matricular, mas quero saber quanto sua escola investe em quem vai ensinar minha filha”. Empacamento 2. Ela parou, ficou me olhando e disse: “Pagamos o que está determinado no sindicato, ou seja, R$ 8,19 por hora/aula”.

Eu sorri e já disse a conta pronta: “Como são 4 horas por dia e 5 dias por semana, temos 20 aulas x 4 semanas = 80 aulas. Vezes 8,19… Uns 650,00 reais por mês? É isso que a pessoa que ensinará minha filha ganha? Se trabalhar dois períodos 1300,00?” Que professores a Sra. tem aqui? Quem aceita trabalhar por isso?”

A mulher me fuzilou com os olhos… Dane-se… Transporte esse salário para o comércio e chegará em ocupações que não exigem preparação. Se você pensar pelo lado do livre mercado (trabalho no melhor salário para minha capacidade) , chegamos facilmente à conclusão de que eu devo me preocupar com a “fessora” da minha filha.
Aí falei pra espumante Diretora: “A Sra. paga pouco, e com isso não se contrata boa mão de obra e é essa mão de obra que me interessa, não sua biblioteca, sua área disso… área daquilo… Devemos matricular nossos filhos na escola que pagar a melhor hora/aula, porque a TENDÊNCIA é que lá estejam os melhores professores”.

Tem tanta coisa que eu penso diferente. Quer defender a educação? Comece agora. Estamos na melhor época. Garanto que nunca havia visto a escola por esse lado, mas fica aí concordando que professor ganha pouco.”

Vinicius Siqueira tem 38 anos, é pai de uma menina de 4 anos e trabalha como oficial da justiça.
-=-=-=-
Pai faz “sucesso” ao falar sobre salário baixo de professor da rede privada
Aline dos Santos e Ricardo Campos Jr.

Causou espanto e quase 25 mil compartilhamentos, mas o desabafo  (veja também em https://goo.gl/bAVugK) feito em uma rede social pelo oficial de Justiça Vinícius Siqueira, 38 anos, preocupado com a raquítica remuneração dos professores que dariam aula para sua filha é realidade para grande parcela dos mestres na rede particular de ensino. O valor da hora/aula foi determinante na escolha do estabelecimento de ensino.

Guiado pelos diretores, o pai era convidado e acompanhado em um tour pelas estruturas de laboratórios, salas multimídia, espaços recreativos, etc. Mas, nada disso impressionava Vinícius que, ao fim, questionava: “Qual o valor do salário pago aos professores?”.

“Muitos ficavam bravos comigo, diziam que não era um assunto da alçada dos pais. Teve algumas escolas que recusaram. Acho que nunca tinham perguntado isso antes. Em uma das escolas acharam que eu estava pedindo emprego. As reações foram as piores possíveis”, contou Siqueira.

O valor girava sempre em torno de R$ 8 a hora/aula. Na escola em que, depois de muita procura, o oficial acabou efetivando a matrícula, são pagos R$ 15 a hora/aula. “Eu ainda acho pouco, mas não achei uma que pagasse mais”, afirmou.

“Eu acho que a partir do momento que a escola perceber que está tendo recusa de matrícula por causa do valor da hora aula dela, as coisas melhoram”, comenta.

Sobre a quantidade de compartilhamentos que a postagem teve, “todo mundo ficou assustado”, diz. “Essa repercussão, eu achei foi pouca em Campo Grande. As pessoas que compartilharam são do Brasil inteiro. Muita gente de fora. Eu queria que essa ideia se disseminasse, que os pais tivessem isso em mente. A gente fica reclamando e falando que professor ganha pouco, mas quando indiretamente você vai contratar um professor, não se preocupa com isso”.

Basta uma atitude para começar a mudar o mundo e Vinícius deixa um recado: “que os pais se preocupem não só com seus filhos, mas com os professores que vão ensiná-los”.

Indignante – “Tem professor que ganha menos de um salário mínimo por causa da hora-aula. Acontece que hoje, os profissionais trabalham de manhã, tarde e noite. Não têm tempo para preparar aula, não têm tempo para a família”, afirma o presidente do Sintrae (Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino do Setor Privado), Eduardo Botelho. O sindicato tem 2.300 filiados, mas representa oito mil profissionais distribuídos em 34 municípios.

Segundo ele, o valor de R$ 8,19 é para o ensino infantil e ensino fundamental 1 (que vai do primeiro ao sexto ano). Apesar de, especialmente no segmento infantil, a mensalidade ser alta, Eduardo Botelho afirma que a maioria paga esse piso. “Poucas pagam acima, só as maiores escolas”, salienta. Nessas modalidades de ensino, a melhor remuneração chega a R$ 15 por hora-aula.

Com data-base no mês de março, a categoria quer reajuste de 20% no valor de R$ 8,19. Segundo Botelho, a rede pública vem melhorando, com definição de piso salarial e aplicação de um terço de hora-atividade, benefícios que não chegam à rede particular.

“A rede privada não tem nada, tentamos duas vezes no Tribunal Superior do Trabalho ter um terço de hora-atividade. As escolas alegam que estão quebrando, que não tem condições de aumentar. Aí nos vamos só para baixo”, diz o presidente do Sintrae. O sindicato fará assembleia no dia 31 de janeiro para discutir o reajuste salarial.

Presidente do Sinepe (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso do Sul), Maria da Glória Paim Barcellos, afirma que vai se manifestar sobre o pedido de reajuste quando receber a pauta. Quanto às críticas postadas na rede social, ela disse somente que o valor é de conhecimento público e que é muito relativo pai falar de hora-aula.

Gostaram dos textos?

Detalhe: professores de escolas particulares não fazem greves semestrais, para “repor” as férias, como nas escolas públicas.
Se o fizerem, recebem um pontapé no traseiro.

E dá-lhes “deretchus” garantidos pela CF 88…

Depois reclamam que professor no Brasil não é valorizado como no Japão ou na Finlândia.

Anúncios

Comentários em: "Professores de escolas particulares" (1)

  1. Só para lembrar que, no Brasil, uma parte muito grande da publicidade é de escolas particulares – desde o maternal até a pós-graduação. Devem dar muito dinheiro para os proprietários… Um bom negócio.

    Curtir

Os comentários estão desativados.

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: