Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Indenização a antigos escravos

Fuçando arquivos velhos, encontrei este  artigo da revista Nossa História, nº 31 (maio 2006), página 71, que publicou carta de Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga, a Condessa d’Eu, mais conhecida por nós, na intimidade, como Princesa Isabel.

 

“11 de agosto de 1889 – Paço Isabel

Corte – midi

Caro Senhor Visconde de Santa Victória

Fui informada por papai que me collocou a par da intenção e do envio dos fundos de seo Banco em forma de doação como indenização aos ex-escravos libertos em 13 de Maio do anno passado, e o sigilo que o Snr. pidio ao prezidente do gabinete para não provocar maior reacção violenta dos escravocratas. Deus nos proteja si os escravocratas e os militares saibam deste nosso negocio pois seria o fim do actual governo e mesmo do Imperio e da caza de Bragança no Brazil. Nosso amigo Nabuco, além dos Snres. Rebouças, Patrocínio e Dantas, poderam dar auxilio a partir do dia 20 de Novembro, quando as Camaras se reunirem para a posse da nova Legislatura. Com o apoio dos novos deputados e os amigos fiéis de papai no Senado será possivel realizar as mudanças que sonho para o Brazil.

Com os fundos doados pelo Snr. teremos oportunidade de collocar estes ex-escravos, agora livres, em terras suas proprias trabalhando na agricultura e na pecuaria e dellas tirando seus proprios proventos. Fiquei mais sentida ainda ao saber por papai que esta doação significou mais de 2/3 da venda dos seos bens, o que demostra o amor devotado pelo Snr. pelo Brazil. Deus proteja o Snr. e toda a sua familia para sempre!

Foi comovente a queda do Banco Mauá em 1878 e a forma honrada e proba, porém infeliz, que o Snr. e seu estimado sócio, o grande Visconde de Mauá aceitaram a derrocada, segundo papai tecida pelos ingleses de forma desonesta e corrupta. A queda do Snr. Mauá significou huma grande derrota para o nosso Brazil!

Mas não fiquemos no passado, pois o futuro nos será promissor, se os republicanos e escravocratas nos permitirem sonhar mais hum pouco. Pois as mudanças que tenho em mente como o senhor já sabe, vão além da liberação dos captivos. Quero agora dedicar-me a libertar as mulheres dos grilhões do captiveiro domestico, e ísto será possível atravez do Sufrágio feminino! Si a mulher pode reinar também pode votar!

Agradeço vossa ajuda de todo meo coração e que Deos o abençoe!

Mando minhas saudações a Madame la Vicomtesse de Santa Victória e toda a família.

Muito de coração

Isabel”

 

Pois é, Isabel Cristina de Bragança, Orléans pelo casamento com o Conde d’Eu, pensava em indenização aos ex-escravos (coisa de que agora falam amiúde), em reforma agrária (até hoje não feita) e em reforma política (inclusive com o voto feminino, que só veio a ser implantado no Brasil em 1932).

Como ela mesma apontava, “se os republicanos, escravocratas e militares” soubessem dos planos da Princesa, acabaria aquele governo.

E não por acaso, cinco dias antes de iniciar uma nova legislatura, o que ocorreria em 20 de novembro de 1889, a quartelada depôs o governo e instituiu a “república”, aristocrática, corrupta, oportunista, positivista, atrasada e tudo mais.

Ainda não superamos este trauma.

E ainda vamos passar muitos anos mais no atraso.

Ah, mas não ficou só nisso, além de terem impedido as medidas modernizantes que Isabel queria implementar no país, é comum que se lance a ela a pecha de ter atirado à rua os escravos libertos, enquanto louvamos como “herói” um outro cidadão, que destruiu os documentos.
Já vi comentário de um “cidadão” de que “não há provas disso”.  Pois é, se literalmente houve queima de arquivo, como pode haver as tais provas?
Queimar papel é mais grave do que apagar disco rígido de computador…
Aliás, sobre esse “herói”, ouvi relatos interessantes de neto de uma pessoa que, no comércio do antigo Rio de Janeiro, levou calotes do grande “jurista”. E ainda usam o nome do herói como exemplo de ética…

Fora outros “teóricos” que gostam de caluniar Pedro II, dizendo que ele “traiu” Mauá.
Isso fica para outro post.

Quanta lavagem cerebral que temos de tolerar nos tempos da “idade da informação”.
Quanta deformação!

Em tempo: leiam o artigo sobre o templo positivista que inseri no link, uns parágrafos acima.
Serve para dar uma “refrescada” sobre o quanto era “positivo” o pensamento de Augusto Comte…

 

 

 

 

Anúncios

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: