Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Arquivo para a categoria ‘consumidor’

#deletefacebook

#deletefacebook

virou a palavra de ordem no mundo virtual, depois que descobriram vazamentos de dados pessoais dos usuários (drogados) dessa praga social.

Há uns seis ou sete anos, tive bastante trabalho para conseguir sair daquela rede de intrigas.
Os moçoilos do monte de açúcar (zucker berg) não facilitavam nada.
Primeiro que não havia sequer um link para efetuar a operação, como em outros lugares onde há cadastros.
Deletei minha conta do twitter com um simples clique, quando ela perdeu para mim a utilidade. Utilizei a conta ùnicamente na época do afastamento e impeachment da chefe de cabeça da chapa pela qual Temer foi eleito, para ver a oscilação dos comentários de diferentes jornalistas e políticos .
No caso do caradelivro, primeiro foi uma interrupção. Tive de ter o trabalho de apagar todos os contactos e todos as postagens que havia na página.
Depois de um mês pude aumentar a ausência, não lembro sob qual título.
Só no terceiro mês, apareceu a opção de sumir das vistas daquele grupo de milionários ociosos e fofoqueiros.

Não sei como é a operação atualmente.
Deve ter sido simplificada, já que mais gente descobriu que essa coleira eletrônica (mais visível do que a tornozeleira) era um estorvo, um trambolho.

Pela primeira vez na história da humanidade, esta semana aquele arrogante milionário teve de reconhecer que “tinha errado”.

Dizem que só há usuários em casos de drogas e de internet.
É verdade.
Livre-se das comunidades ociosas.
Pegue o telefone e diga diretamente ao amigo o que é necessário.
Não fique espalhando para os oitocentos cantos do mundo redondo o que você faz a cada segundo.

Aliás, o método de venda de dados pessoais a interesses políticos era com base nos famosos testes de personalidade on-line, que há em muitos portais.
Se você descobriu que tem cara de cachorro quente, ou afinidades com Hannibal Lecler, polìticamente alinha-se a Pol Pot, ou sonha em ser a duquesa de Kent (aquela ruiva do chupão no pé), guarde isso com você. Não precisa contar para quem nunca viu teu rosto.
Não reclame depois que seus dados pessoais foram divulgados.

Pior, porém, é ver que certos jornais de milésima categoria só admitem que os leitores se manifestam usando essa droga. Prova maior de incompetência não pode existir.

Anúncios

Velharada asquerosa

Fu​i ontem a uma agência bancária, para fazer a comprovação de que continuo vivo e mereço receber os proventos de aposentadoria.
Estava sendo atendido, quando uma bicha velha chegou esbravejando, na mesa onde eu estava sendo atendido, para dizer que “tinha atendimento prioritário” e o fulano da mesa ao lado não o tinha chamado.

A funcionária disse que já o chamaria.
Ele voltou e reclamou de novo.

Eu, discretamente, com tom de cantor de ópera, disse:

EU TAMBÉM TENHO ATENDIMENTO PREFERENCIAL, E O SENHOR ESTÁ ATRAPALHANDO MEU ATENDIMENTO.
SENTE-SE E AGUARDE.
CUMPRA SEUS DEVERES ANTES DE RECLAMAR SEUS DIREITOS.

A tiazona sentou, acanhada, e a moçoila continuou a fazer meu recadastramento.
Ela disse:
Suas palavras foram exatamente as que eu queria ter dito.
O problema cultural do Brasil só será resolvido quando houver outro povo.

Quando saí, o segurança da agência me cumprimentou.

Ah, os turistas

Já comentei anteriormente sobre turistas e as cidades.
A tag/etiqueta pode demonstrar mais vezes. Algumas dezenas de vezes.

Parece que as principais cidade se dão conta de que essa espécie predadora não traz tanto dinheiro para a economia como faz mal à saúde dos habitantes.

https://g1.globo.com/turismo-e-viagem/noticia/aos-poucos-europa-esta-se-cansando-do-turismo.ghtml

E no caso do Brasil, para aguardar a expectativa do carnaval, esperamos terminar o carnaval para que o governo percebesse que há algo de podre no reino do Rio de Janeiro.

https://g1.globo.com/politica/noticia/governo-decide-decretar-intervencao-na-seguranca-publica-do-rio.ghtml

Não ficava bem assustar os turistas.
O problema não é o turismo, mas as pessoas que são obrigadas a ficar trancadas em casa.

notícias inúteis

Há umas semanas escrevi que queria ser dono de jornal.

Hoje me deparo com notícia que, como disseram os leitores, vai mudar o rumo do planeta.
Trump, com seus 71 anos, apresenta sinais de calvície.
Há menos de um mês, William de Gales também foi objeto dessa enpreimça fofoqueira, com a mesma preocupação.

Será que não há nada com que os gehornallyztas possam se ocupar em suas redações?
Podiam passar o tempo estudando Língua Portuguesa, História e Geografia, para não fazerem os leitores mergulhados nos erros que abundam nos noticiários.
Ou, quem sabe, jogar paciência nos computadores.
Seriam menos prejudiciais para a sociedade.

Queria ser dono de jornal

Queria ser dono de jornal.
Um jornal diferente.
Um jornal que não colocasse na primeira página manchetes como:

  • jogador de futebol tingiu o cabelo
  • a vida çequissuau duzartista da casa mais vigiada do país
  • famosa cantora desconhecida passa férias em ilha paradisíaca do outro lado do mundo
  • torcedores fanáticos customizam automóveis
  • saiba onde comer bolinho de bacalhau
  • morre atriz pornô
  • aberto concurso para concurseiros fracassados
  • remédios florais para pets
  • casal cria fábrica de geléias
  • vocalista diz que já perdeu as contas de quantas vezes se apresentou em festival
  • Kardashian en ropa interior para Calvin Klein
  • Woman coughs so hard she breaks rib
  • 130 000 dollars pour voir l’épave du Titanic
  • Amore tra principessa indù e sultano islamico scatena ira delle donne
  • Luxurious mansions you can stay in
  • The season’s sweetest hot chocolates
  • Mit dieser App siechern Sie sich vor dem Sex rechtlich ab

Não inventei nenhum. Todas essas manchetes estão hoje nos sites de jornais de quase todo o mundo.
Apenas dei a elas uma redação mais elaborada, em alguns casos.

Será que isso tem alguma relação com a infantilização e com a imbecilização geral da sociedade?
Esses assuntos merecem de fato o destaque que lhes é dado pela enpreimça?
Duvido que as pessoas que conheço também não preferissem outro tipo de notícias com que se ocupar.

 

 

 

 

Feriados, férias, viagens

Conversei esta semana com uma amiga e o sócio dela sobre os feriadões, as férias, e “a necessidade das viagens”, exigência da indústria do turismo aos consumidores.

O sobrinho de minha amiga foi com a família, mais uma vez, passar o ano novo no Rio de Janeiro.
Talvez a areia de Copacabana seja outra, talvez os fogos sejam outros, talvez o calor seja diferente…

Meu irmão tem passado o aniversário, nos últimos sei-lá-quantos-anos, em Ubatuba.
Eu já perdi a conta dos aniversários que não comemoro…

Um casal de amigos aqui não perde janeiro sem ir à praia do Pipa, no Rio Grande do Norte – nem mesmo este ano, com o Exército no lugar da Polícia.

Outros declaram em VOZ BEM ALTA que vão de novo a Paris  (será que não é ao Pari, ao lado do Brás e do Bom Retiro?).

Por sua vez, essas pessoas nunca estiveram no Pantanal, ou na Chapada dos Guimarães, que são parte da riqueza natural do Brasil, ou sequer conhecem a capital do próprio país.
Sentem arrepios ao ouvir a palavra África.

Sei lá, para mim há lugares que visitei uma vez e que já satisfizeram minha curiosidade nessa única vez.
Tipo São Luís do Maranhão e Holanda.
Certas datas também não me atraem nem um pouquinho, como a noite em que se comemora a chegada de novos boletos de impostos…

Outros visitei umas três vezes, e dei por concluída a missão de ver a localidade e seus arredores – Salvador, Tiradentes, Alemanha.

Desde criança, nunca gostei de sofrer nas intermináveis filas de estradas, nem nas salas de espera de aeroportos super-lotados.
Aproveito muito mais uma viagem se ela for realizada com menos tumulto.
Sei que nem todas as pessoas têm essa disponibilidade de tempo, mas voltar para casa estressado por conta de um feriado é pior do que ficar em casa e aproveitar um bom livro e uma boa música.

Quando me dizem que já viajei muito, discordo. Não foram cinqüenta países. Não coleciono carimbos em passaportes. E não fui a todos os Estados brasileiros.
O que vi, porém, tem sido suficiente.
Poucos lugares que não visitei ainda me dão curiosidade. A Rússia, por exemplo, mereceria uma viagem, mas certamente não é para apenas visitar museus.
Sei que jamais teria interesse em visitar Vietname, Maldivas, ou México. Simplesmente não me interessa o que está na moda.
Tenho mais curiosidade em conhecer a Armênia e Geórgia, ou a Ilha da Madeira.
Certamente não pretendo voltar a Paris, nem à Bolívia.
Não tenho coragem para encarar novamente o Japão e a Coréia.
Orgulho-me de nunca ter ido a qualquer parque disney no mundo.

No entanto, ainda há dezenas de dúzias de livros que pretendo ler, enquanto ainda posso compreender o que neles está escrito.
Há também muitos compositores e intérpretes que ainda não conheço…

 

cinema

Achei interessante essa matéria sobre idosos e cinema.

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/12/1944671-em-cidades-pequenas-somente-5-dos-idosos-costumam-ir-ao-cinema.shtml

Discordo que isso seja uma característica de cidades pequenas.
Tenho morado em cidades grandes a maior parte de minha vida, mas há muito deixei de ir ao cinema.
Não é por falta de salas, nem por falta de oportunidades.
Como disse uma das pessoas entrevistadas, não me interesso por filmes cheios de d-efeitos especiais.
Perdi o interesse pelas guerras nas estrelas e por continuações de outras ficções, em que os extra-terrestres são bípedes orelhudos iguais aos humanos.
As aventuras já me cansaram.
Filmes românticos não fazem meu estilo.
Comédias têm se tornado um insulto às pessoas, de tão vulgares e repetitivas.
Não gosto desses filmes politizados sobre greves e coisas do tipo.
Odeio terror.
Gosto de um certo suspense, de histórias de detetives.
Filmes históricos podem ser interessantes, mas em geral são completamente distorcidos. Tipo aquele australiano ou aquela brasileira.
Dramas familiares já deram sua boa cota de filmes nas décadas de 1970 e 1980.
Ou a historinha do cachorro que se sacrifica para salvar o amiguinho.
Ou os filmes de guerra em que o soldado mutilado que retorna da casa e encontra a mulher com filhos que certamente não são dele.

Sobretudo: NÃO SUPORTO o cheiro de pipoca e o barulho dos arrotos de coca-cola nas cadeiras ao lado.

Quanto ao teatro, ou os preços são abusivos, ou as peças têm aqueles mesmos atores de novelas de televisão, ou são apenas um amontoado de gritos primais, patrocinados pela lei roubanet.

Além disso tudo, os cinemas de rua eram muito mais simpáticos do que essas salas de shopping centers.
Por isso, no que depender de mim, a segunda (teatro) e a sétima (cinema) artes não contam com minha presença.
Nem as galerias de arte.
Prefiro livros e música.

Nuvem de tags