Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Arquivo para a categoria ‘ortografia e gramática’

o desacordo ortographico, aguêin

Enviaram-me este link, e dei muitas risadas.

https://youtu.be/JVyKCStHMHc

Infelizmente o herro qontinúa.
E há livros que se orgulham de dizer que adoptaram a rephórma do desacordo.

até u istadaum

até u istadaum

Urnas eletrônicas

TSE pede investigação sobre falha em 40 mil votos de eleições de 2014

GUSTAVO AGUIAR

09 Junho 2016 | 20h 56 – Atualizado: 09 Junho 2016 | 22h 37

Tribunal determinou a troca de mesários nas sessões eleitorais em que os erros foram identificados

Leia Mais:http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,tse-pede-a-pf-e-procuradoria-investigacao-sobre-falha-em-40-mil-votos-de-2014,10000056311

Na hora em que vi a aberração, até me deu dúvida – seção ou sessão?
A própria justiça mostrou o óbvio, que os dicionários mostram:
seção é aquela casinha onde a gente vai para apertar o botão, descarregar a consciência, e soltar us pumlíticos;
sessão é quando aquela turma de capa preta se reúne para deliberar blablablás…
Eu voto na Seção 0095.

MENAZISKOLA, plis

Ou então, que nelas haja
Mais Português e menos Ociologês.

Nota zero para esse gehornallyzta.
I tambéim pra feçôra q naum ençinô dereitu.

ainda o desacordo

Outra vez o desacordo ortográfico é notícia.

Repito: inglês é a língua mais divulgada no mundo, e não precisa de acordo ortográfico para que ingleses, americanos, canadenses, australianos, sul-africanos, e tantos outros tenham uma ortografia única e uma única forma de pronunciar as palavras.

Claro que as editoras desses países não se preocupam com picuinhas. Vendem porque sabem produzir. Não são como certas editoras tupinambás.

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/05/1771425-presidente-de-portugal-quer-fazer-revisao-do-novo-acordo-ortografico.shtml

 

dando uma contribuição

placa IMG_20160417_105606200 a contribuição?

hectare e Tocantins estão errados!

ou será que se trata de chácara com 4 cavalos?

Imagem

o incêndio no Museu da Língua Portuguesa

IMG-20151231-WA0000

Su e jeito de relinchar

Além do contra-senso de se colocar placa de proibido estacionar em área reservada para estacionamento,
ainda por cima us dotô num verificô u que tinha sido iscrivinhado.

IMG_20150718_095427125*dê duas vezes clique sobre a imagem para ver os detalhes…

Não posso dizer onde foi que puseram essa aberração. Us dotô vae ficá zangado.

Mas concordam que não é caso de guincho, é caso de relincho ?!

 

Sebos

Escrevi no post “Como um romance” um “procure em um sebo”, mas não sou muito fã desse tipo de lojas.

Aqui perto, por conta da proximidade da UnB, há uns tantos sebos. Seis, em uma conta rápida pelas quadras vizinhas.

Pequenos, grandes, organizados, bagunçados, limpos, sujos, onde somos bem atendidos, onde somos ignorados. Entro neles, dou uma espiada básica, mas raramente encontro algo de meu interesse, embora já tenham me servido para a busca de um título específico que queria dar a duas diferentes pessoas.

Em São Paulo, perto do antigo endereço de minha amiga Irene, há um bom sebo, mas com um abominável cheiro de ácaros que corrobora inteiramente minha tese de que livros não são feitos para ficar em prateleiras, depois de usados. Melhor serem dados a outra pessoa ou “esquecidos” em uma parada de ônibus.

Uma amiga minha, mão de vaca feito o mais duro dos pães, resolveu vender algumas centenas de livros do pai. Reclamou que lhe pagaram muito pouco por isso. Eu bem que alertei que não compensava e que seria muito mais “inteligente” dispor essas obras em diferentes lugares da cidade, conforme o assunto. Perto de hospital livros sobre saúde; livros de cIências sociais perto de escolas de segundo grau, etc.. Não, preguiçosa, acabou carregando uma malona com aquilo que o pai havia juntado durante anos, e se sentiu depois “roubada”. Não duvido que ela tenha precisado de um analgésico para dor lombar mais caro do que o que recebeu pelos livros…

Já ocorreu mais de uma vez de eu “ludibriar” o negociante. Uma pessoa interessada em vender livros fez cara de que não tinha gostado do preço oferecido pelo sebo, e eu, parado ao lado, perguntei quanto queria por aquela obra, pela qual eu tinha algum interesse. Paguei mais do que o sebo, menos do que eles depois venderiam, e tanto eu quanto o ex-proprietários ficamos satisfeitos.

Por falar em sebos, tenho de terminar a leitura de muitos que estão aqui nas prateleiras. Após minha morte, parentes que bem conheço não se intimidarão em lançar ao lixo reciclado o que tenho hoje. Dará a eles menos trabalho do que sair vendendo aos sebos.
Escolas “modernas” não gostam de livros fora do “desacordo ortográfico” que emburrece a população. Li muitos livros de meus pais escritos com PH e TH, uma das quatro ortografias com que convivi, e não apenas nunca me confundiram com o que eu estudava, que ainda era conforme a ortografia de 1943, como foram muito úteis quando aprendi outras línguas. Coisas da “pedagogice contemporânea”.

Nuvem de tags