Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Arquivo para a categoria ‘política’

notícias inúteis

Há umas semanas escrevi que queria ser dono de jornal.

Hoje me deparo com notícia que, como disseram os leitores, vai mudar o rumo do planeta.
Trump, com seus 71 anos, apresenta sinais de calvície.
Há menos de um mês, William de Gales também foi objeto dessa enpreimça fofoqueira, com a mesma preocupação.

Será que não há nada com que os gehornallyztas possam se ocupar em suas redações?
Podiam passar o tempo estudando Língua Portuguesa, História e Geografia, para não fazerem os leitores mergulhados nos erros que abundam nos noticiários.
Ou, quem sabe, jogar paciência nos computadores.
Seriam menos prejudiciais para a sociedade.

Anúncios

arquitetura e engenharia

Após o desabamento de parte de viaduto no Eixão Sul, em Brasília, hoje, o desgovernador Enrollemberg disse que Brasília está envelhecendo, que faltou manutenção.

É verdade, brazylha é uma cidade velhíssima. A mais velha do mundo, desde sua inauguração em 1960.
Teatro Nacional interditado, prédios residenciais com probleminhas de terra encharcada desabando sobre estrutura de garagens, pontes com rachaduras, incêndio elétrico no plenário da Câmara dos Deputados (infelizmente durante o recesso).

Enquanto isso, a velha catedral de York, desde 1230, ou Alhambra dos mouros em Granada, ou …  ou … ou … estão inteiras.
Por que será?

Lembra dos desabamentos em Belo Horizonte (Gameleiras, viaduto Guararapes, … ) ?
E do elevado Paulo de Frontin, no Rio de Janeiro?
Viaduto em Fortaleza?
etc. etc.

Tudo ficou “comprometido”, fosse durante a obra ou depois, por falta de manutenção.

Pior é que há muita gente que elogia a genialidade da arquitetura brasileira, e a capacidade da engenharia nacional.
Quem paga a conta…

Sem dúvida York, Granada e outros tantos monumentos resistirão após o final da humanidade.
Já a tão decantada arquitetura e engenharia brasileiras não duram mais do que 50 anos…

Contas não fecham

Montesquieu se equivocou quando falou de igualdade e harmonia entre os poderes.

 

Vices

Sucessão e incapacidade

No caso de falecimento ou renúncia do Presidente, o governo é assumido interinamente pelo Presidente do Senado.[3] Até o presente momento, Alain Poher foi o único a assumir o governo temporariamente, o que fez em duas ocasiões distintas. A primeira ocasião foi em 1969 após a renúncia de Charles de Gaulle; e a segunda em 1974 em decorrência da morte de Georges Pompidou. É importante frisar que nesta situação o Presidente do Senado torna-se Presidente interino da República, sendo necessária a convocação de novas eleições presidenciais. Apesar da informalidade do cargo, Alain Poher é listado oficialmente como Presidente da França.

O primeiro turno de uma nova eleição presidencial deve ser organizado em não menos do que 20 dias e não mais do que 35 dias a contar da morte ou renúncia do Presidente antecessor. Na prática, por conta do espaço de 15 dias entre o primeiro e o segundo turno, o Presidente do Senado só pode atuar interinamente por um período de 50 dias, no máximo. Alguns poderes do Presidente da República são suspensos durante o governo interino, como a convocação de referendo e a dissolução da Assembleia Nacional. No caso de ausência do Presidente do Senado, os poderes do Presidente da República são exercidos por um governo provisório composto pelo Gabinete. Entretanto, os senadores podem eleger um novo Presidente entre si para assumir provisoriamente o governo.

Durante o mandato presidencial, o Primeiro-ministro pode representar o Presidente em eventos oficiais ou reuniões de cúpula.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Presidente_da_Fran%C3%A7a

É isso o que deveríamos fazer.
Acabar com essa coisa repugnante do vice, copiada dos Estados Unidos, que criou um presidente imperial, com vice para fazer o papel de príncipe de Gales.

E acabar com todos os vices, em estados e em municípios.

E nada de fazer eleição e levar mais de um mês para tomar posse.
Para dar tempo para o que vai sair roubar mais?

 

 

A ditadura em que vivemos

Vivemos desde 1988 uma ditadura dos bacharéis em direito.
Juízes, promotores, procuradores e advogados, do alto de suas palavras, dão ordens em tudo e a todos.

Para os concursados é legal (embora imoral) a concessão de auxílio-moradia, auxílio-livros, auxílio-creche, auxíli-(e)terno, auxílio-gravata, auxílio-oscambau, …

Não tenho qualquer simpatia pelo movimento dos sei lá o que sem teto, mas concordo com a posição de que

Há R$ 400 mi para auxílio-moradia a juízes com teto, mas alega-se falta de dinheiro para o Minha Casa, Minha Vida atender aos sem-teto.
Guilherme Boulos, , coordenador do MTST, sobre órgãos ligados ao Judiciário liderarem a previsão de gastos com auxílio-moradia em 2018.

Por sua vez, os caríssimos advogados que impediram a prisão de Maluf por quase 30 anos, dizem que o mau velhinho não pode ser preso.
(De sua parte, na atrasada Alemanha decidiram que, apesar de seus 96 anos, o contador de Auschwitz pode passar alguns de seus últimos anos na cadeia.)

Dentre os muitos comentários sobre os (caros) advogados de Maluf, selecionei dois comentários:

  • advogado kakay, deveriam por você num hospício advogando com o dinheiro do povo
  • deveria haver uma lei que obrigasse o advogado a provar a licitude do dinheiro recebido do cliente, afinal de contas é advogado ou parceiro?

Cabe ser ressaltado que isso não vale apenas para os advogados de nóçus kiridus políticos, que ùltimamente passaram a ser convidados a conhecer algumas celas de cadeias (embora sempre por pouco tempo, pois logo recebem o direito de voltar para suas mansões).
O que vale para esses “homens do poder, da lei e da ordem” também valeria também para os muito bem remunerados advogados de fernandinho beira-mal, de marcola, e tantos outros ídolos do funk menos famosos.

Serviria para iniciar a ruptura dessa ditadura dos que tanto bradam o “estado democrático de direito”, que raramente serve para a população direita, mas apenas para quem está com muito dinheiro nas contas.

 

 

 

Heróis

Há alguns dias, em um site de notícias, encontrei uma matéria sobre política (não tenho a menor idéia da irrelevância dela, por isso não posso agora localizá-la), em que um leitor-comentarista escreveu que aquilo era algo para os heróis – e mencionou Joaquim Barbosa, Tiradentes e mais uns dois ou três (daqueles que podem ser nivelados a “famosos”).

Um outro leitor-comentarista respondeu que a lista era muito fraca para relacionar verdadeiros heróis.

Começou aquele bate-boca internautiqueiro, com outras pessoas participando, com os correspondentes dislikes para o contestador.

– Diga quem são então seus heróis.

– José Bonifácio, André Rebouças, Osvaldo Cruz e Machado de Assis.

Bem, a discussão se encerrou e o replicador teve vários likes.

Uzerói que a enpreimça gosta de divulgar estão de fato muito longe de quem trabalhou em prol do país.

Muito menos naziskola são ensinados os verdadeiros fatos relevantes, apenas acessórios do oba-oba.

 

Viaduto Marisa Letícia

Um prefeito interino (já que o titular e o vice estão sempre fora do posto) assinou alguma coisa que deu nome de Marisa Letícia a um viaduto na Avenida do M’Boi Mirim (que os gehornallyztas ainda não aprenderam que se pronuncia MBOI, imboi, quase como Embu, e não é emeboi), e o prefeito titular disse que não haveria cerimônia de inauguração, porque ele era contra a homenagem.

Babaquices politiqueiras à parte, e incompetência de ambos os dezoito lados, por que vehadores só se preocupam com óménaji a parentes de amigos?
O salário e as vantagens adicionais que recebem é só para isso?

Alguma vez já comentei em algum lugar do multiverso:
Não dá para esperar uns vinte aninhos para ver se a homenagem se justifica?
Vinte aninhos é um prazo razoável para se acabar com a emoção eleitoreira e politiqueira.

Regra que deveria valer para todo tipo de denominação – ruas, pontes, estradas, aeroportos, edifícios públicos, estádios municipais, parques, até mesmo bairros inteiros…

Por que os nobres vehadores não se mobilizam para devolver à Estrada do Bororé o nome antigo (como Avenida), e retirar a execrável  homenagem à mãe de um governador que atualmente está cumprindo pena em cadeia nos Estados Unidos, depois de umas pequenas irregularidades no futebol internacional.

Pior que já fizeram até mesmo homenagem a pessoas vivas (vivaldinas).
Em São Paulo, lembro do ilustre desconhecido presidente da Itália Giovanni Groncchi, e do Estádio do Pacaembu. Em outras cidades, porém, sobretudo no Rio de Janeiro, isso é regra desde que Villegaignon se retirou da cidade, com Presidente Vargas, Rainha Elizabeth (da Bélgica), e muito mais. E Brasília segue com todo o vigor nessa atitude (estádios, bairro, … ) . Nada porém supera o Maranhão, sabemos.

Ah, mas aí o nobre vehador ou o dê-putado não poderá usar de seus quinze minutos de brilho…

Tenho certeza de que aguardando o defunto esfriar e virar ossos, a homenagem será muito mais respeitada.

 

Nuvem de tags