Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘aquecimento global’

Era glacial na época do aquecimento bobal

Link para artigo do Rodrigo Constantino:

 

http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/ambientalismo/agora-alguns-cientistas-ja-falam-em-mini-era-glacial-ai-que-preguica/

 

 

Anúncios

Precessão

Precessão, uma invenção do diabo para contrariar jornalistas, analistas, eco-terroristas, ONGeiros, políticos e seus seguidores.

Cuidado, se alguém chegar perto de você e falar de Milutin Milanković, de paleoclimatologia, e outras coisas do tipo, fuja logo!

Ele está tentando fazer você se informar de que a física dispõe de muito mais informações do que a cultura do terror que grandes empresas, como greenpiss, ww(t)f e outras associações disseminam por aí.

2014 não foi o ano mais quente – talvez apenas o ânus mais quente para esses de-formadores de conhecimento e opinião.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Varia%C3%A7%C3%A3o_orbital

.
.
.
.

Desertos mais verdes pelo aumento do CO₂

https://wordpress.com/read/post/id/3296997/1051/

A Grande Farsa do Aquecimento Global

O aumento dos níveis de dióxido de carbono (CO₂) tem ajudado a impulsionar a vegetação em todas as regiões áridas do mundo nos últimos 30 anos, através de um processo chamado de fertilização de CO₂, de acordo com pesquisa da Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation, CSIRO.

Baseada em observações de satélite, a CSIRO, em colaboração com a Universidade Nacional da Austrália (ANU), concluiu que essa fertilização de CO₂ está correlacionada com um aumento de 11% na cobertura vegetal, no período de 1982 a 2010, em partes das zonas áridas estudadas (Austrália, América do Norte, Oriente Médio e África), de acordo com o Dr. Randall Donohue, pesquisador da CSIRO.

“Na Austrália, a vegetação nativa está soberbamente adaptada para sobreviver em ambientes áridos e, consequentemente, utiliza a água de forma muito eficiente”, disse o Dr. Donohue. “A vegetação australiana parece bastante sensível à fertilização de CO₂”.

“Isto, junto com as vastas extensões de paisagens áridas, fez com que a Austrália se destacasse em nossos resultados”.

“Nosso trabalho foi capaz de demonstrar o efeito da fertilização de CO₂ utilizando modelagem matemática em conjunto com dados de satélite ajustados para tirar os efeitos observados de outras influências, tais como precipitação, temperatura do ar, quantidade de luz e uso da terra”.

O efeito de fertilização pelo incremento de CO₂ permite que uma folha, durante a fotossíntese (o processo pelo qual as plantas convertem a luz solar em açúcares), extraia mais carbono do ar ou perca menos água para o ar, ou ambos.

Se o incremento de CO₂ faz com que o uso da água na folhagem da vegetação seja mais eficiente, as plantas em ambientes áridos respondem aumentando o seu número total de folhas e tornam-se mais vigorosas. Essas mudanças na cobertura de folhas podem ser detectadas por satélite, especialmente nos desertos e nas savanas, onde a cobertura é menos completa do que em locais úmidos, de acordo com o Dr. Donohue.

Uma imagem vale mais que mil palavras. Para ver a imagem a seguir em alta resolução, clique sobre a própria imagem.

Global greening

Este estudo foi publicado na revista US Geophysical Research Letters e foi financiado pelas áreas de Agricultura Sustentável e de Água para um País Saudável da CSIRO, pelo Conselho Australiano de Pesquisas e por Land & Water Australia.

O post acima é uma tradução livre de publicação da CSIRO. Para ver a original, clique aqui

o aquecimento bobal mudou a história

Reproduzo:

Aquecimento do planeta intensifica os conflitos sociais, conclui pesquisa No Brasil, ocupações irregulares de terras estariam ligadas a variações extremas de temperatura

Paloma Oliveto –  Publicação: 02/08/2013 06:40 Atualização: 01/08/2013 21:47

Derretimento das calotas polares, aumento do nível do mar, desertificação, redução da biodiversidade… As consequências ambientais das mudanças climáticas são amplamente conhecidas, embora boa parte da população não as perceba como uma ameaça. Os termômetros elevados, contudo, provocam efeitos ainda mais devastadores que os observados na natureza. De acordo com pesquisadores da Universidade da Califórnia em Bekerley e da Universidade de Princeton, eles também esquentam os ânimos, impulsionando conflitos humanos, que vão da luta pela terra no Brasil à queda da civilização maia na América Central.

A conclusão dos cientistas, publicada na revista Science, é baseada na análise de 60 estudos sobre as influências das mudanças climáticas nas relações sociais, divulgados, na maioria, entre 2009 e 2011. Em lugares tão diversos como Brasil, Somália, Holanda, China, Estados Unidos, Tanzânia e Alemanha, entre outros, os cientistas encontraram evidências de que alterações bruscas no clima deflagram ou intensificam combates sociais, como invasão de propriedades rurais e até guerra civil. Além disso, influenciam embates interpessoais, incluindo assassinatos e estupros.

De acordo com Solomon Hsiang, professor de políticas públicas da Universidade da Califórnia em Bekerley e principal autor do estudo, há algum tempo tem se investigado os efeitos do clima nos conflitos, mas não havia, até agora, uma unidade. “O que estava faltando era uma fotografia clara da história que esses estudos estavam nos contando. Depois de reanalisar os dados e padronizar o modelo estatístico, encontramos resultados impressionantes.”

Exatamente o que vocês leram. O aquecimento bobal existia na época dos maias.
Como assim? Não é um problema causado peluçerizumanu?
Pois é, difícil de entender. Foi o calor que provocou guerras entre egípcios e hititas, entre gregos e troianos, que fez Aníbal invadir Roma com os elefantes atravessando os Pirineus, e tudo mais.

Isso não significaria, ao contrário do que dizem os eco-terroristas, que os aquecimentos, e os esfriamentos, são cíclicos?
Os eco-terroristas não podem aceitar que as manchas solares são mais fortes do que qualquer atividade duçerizumanu?

Enfim, podemos ver que a História pode ser re-escrita conforme os desejos dos “cientistas” pagos pelas agências que financiam estudos sobre o “aquecimento bobal”.
Por outro lado, falar sobre a questão do aumento demográfico por trás dos conflitos é tabu.

Estações meteorológicas

A página da CBN (a rádio que troca notícias), tem um link para informação de que Petrópolis desativou 19 estações meteorológicas, meses antes da chuva.

Mais grave, porém, é que está no livro Aquecimento global: ciência ou religião?, de que a regra, hoje em dia, é que as estações meteorológicas se concentrem em áreas urbanas, verdadeiras ilhas de calor, e que sejam desativadas as estações das áreas rurais.

Lógico que essa distorção vai ao encontro (e não de encontro) ao desejo dos eco-terroristas, de provar que a temperatura do mundo está aumentando;

lógico que essas estações registram dados errados sobre a pluviometeria;

e lógico que essas estações não podem servir de alerta para aumento no volume de água dos rios, já que as nascentes não ficam no meio da cidade.

O livro ainda fala de estações meteorológicas instaladas nos lugares mais errados possíveis, como em postos de gasolina, em que certamente o escapamento dos veículos entrando e saindo provoca aumento de temperatura.

Isso é regra no braziu, nos ischtêites, na roussía, em qualquer lugar:
a mentira da ciência a serviço do obscurantismo.

Azar de quem morre nas tragédias,
pois elas são feitas para garantir dinheiro aos picaretas da ciência e da política.

Ainda o aquecimento global

Realmente nesta virada de ano foram terríveis os efeitos do aquecimento global nos aeroportos do Hemisfério Norte.

Os ongueiros e todos os “especialistas” dos organismos internacionais que sugam dinheiro das contribuições de cada país-membro, depois dos resultados (financeiros) em Copenhague e no México. Uma pena que boa parte deles não saiba a diferença entre tempo e clima.

Esses “especialistas”  também devem estar muito preocupados com a denúncia de possível corrupção no Haiti. Quem sabe eles possam ser desmascarados…

Enquanto isso, nunca antes neste planeta tantos animais tidos como em extinção se reproduziram tanto, e nunca tantas espécies animais e vegetais foram redescobertas depois de  terem desaparecido dos olhos de alguns cientistas.

http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/859350-seis-ras-consideradas-desaparecidas-ha-duas-decadas-estao-vivas-no-haiti.shtml

Assim caminha a humanidade… …tão pretensiosa que se arroga a causa de tudo o que acontece na Terra. Até mesmo, quem sabe, o deslocamento dos pólos, os movimentos dessa “bola” perdida no universo, etc.. Humanidade que não passa de uma sarna na epiderme do planeta.

O fim do mundo está próximo

O google maps (que faz mapas com a precisão de um elefante em uma sala de cristais, mas falaremos disso depois) tem um mapa que mostra o deslocamento dos pólos magnéticos.

http://googlemapsmania.blogspot.com/2011/01/google-map-of-migrating-magnetic-poles.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+GoogleMapsMania+%28Google+Maps+Mania%29

=

Wandering of the Geomagnetic Poles

The Earth’s magnetic poles are known to migrate over time. In fact the North Magnetic Pole has been observed to move up to 40 km in a year.

The National Geophysical Data Center has used Google Maps to trace the movement of the magnetic dip poles from 1590 to 2010. The map is based on four centuries of historical records including ship log data.

Each pole includes a marker to show the position of the dip poles at the turn of each century (1600, 1700, 1800, 1900 and 2000).

=

Socorro!! Os eco-chatos ainda não sabem que o mundo gira, que os pólos se movimentam, e que tudo isso é culpa da ação do homem, que destrói as florestas tropicais, que cria animais que fazem pums em fazendas ecològicamente não-perfeitas.

Não sabem, também, que a Terra é um gigantesco ímã, que não foi criado por nenhum cientistazinho pago por ONG.

Por isso que tem chovido tanto na Marginal do Rio Tietê e que nevou tanto em Nova York.

Nuvem de tags