Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘bancos’

panama leaks

Esses gehornallyztas investigativos que denunciaram as contas de políticos em paraísos fiscais, por acaso também encontraram as de seus patrões e coléguas?

Conta off-shore existe desde que inventaram bancos!

Por que esses “investigadores” não se investigam?

Existem países que só existem para depósitos de dinheiro

suíça, panamá, liechtenstein, mônaco (residência do mais insuportável locutor esportivo do braziu), andorra (onde se escondeu são ricardo teixeira), bélgica (onde moram os terroristazinhos do EI), cayman, bahamas, delaware (estado americano), jersey, e mais um monte de outros –
se não é para lavar, pelo menos é para passar

Ah, mas o que importa é o sensacionalismo, mesmo que não se conte a verdade por inteiro

E ter conta na Flórida não é crime.
Todo servidor público brasileiro que viaja ao exterior tem conta na agência do Banco do Brasil em Miami, pois é a forma de creditar/receber diárias e salários.

Será que quando o “probo” enólogo da rede bobo, por exemplo, morou em Londres, ele recebia o salário da Bobo em reais, na conta do Santarder/ Banerj?  Deve ter conta em Jersey ao lado da daquele deputado paulista que “nunca teve conta no exterior”.
Ele e qualquer outro mequetrefe que tenha trabalhado no exterior.

A burrice do brasileiro médio só é inferior ao mau caratismo da maioria dos jornalistas.

 

trabalhar ≠ morar

Um parente ontem, ao telefone, disse que não gostou de ter morado em Brasília (quando o Sol ainda girava ao redor da Terra).
A única coisa que tinha para fazer era freqüentar os bares e restaurantes do Lago Sul, com o pessoal com que se relacionava.

Morou?
Quando?
Como?

Ficar durante um ano hospedado em um hotel (com a conta paga pelo empregador) não é viver em um lugar.
Para alguém poder dizer que MOROU em determinada cidade, é preciso que tenha:

procurado uma imobiliária para escolher onde iria morar,
contato com a empresa de distribuidora de eletricidade,
usado o detran local,
pago impostos,
freqüentado super-mercados (ou feiras livres),
contratado empregados domésticos,
utilizado pessoas para fazer reparos na casa/apartamento (vidraceiro, pintor, desentupidor de encanamentos, e também borracheiro, mecânico do carro),
escolhido a escola onde os filhos iam estudar (e cuidar do transporte até lá),
tido necessidade de saber onde fica o posto de saúde mais próximo,
etc., etc., etc..

Se não fez isso, pode ter trabalhado durante um tempo na cidade X,
MAS não morou lá.

Trabalhar em um lugar e morar nesse lugar são coisas diferentes.
Aliás, turismo de longa permanência muito menos é morar.
Algumas pessoas não entenderam isso.

 

Mudança de opinião, a mim não espanta

Apesar da feiúra, a mim não espanta que certa candidata tenha “feito correções“, apenas um dia após a divulgação do programa de governo.
Afinal de contas, agora é o programa com o “jeitão” dela, e não a do partido onde buscou abrigo.

Mais uns dias, e vai enxotar os usineiros que financiam a campanha, vai mandar desligar todas as hidrelétricas, vai tornar sua igreja religião oficial do país, vai declarar que o “banco laranja” é a instituição que regula a economia e as finanças do país, e coisas do tipo.

Ela começa a mostrar as garras e as peçonhas.

Nada que um bom vudu, tal como ele usou contra Dudu Fields, não possa resolver.
O país precisa de um bom feitiço contra a feiticeira, antes de mergulhar nas trevas.

Bancos

Parece piada, mas não é….

Recebi um e-mail com o registro de diálogo real, verídico, com o Citibank sobre o cartão de crédito de uma cliente, que já havia falecido.
A senhora morreu em julho de 2010 e o Citibank faturou os meses de agosto, setembro, outubro, novembro, dezembro, janeiro e fevereiro com as despesas de manutenção anual em seu cartão de crédito e acrescentou multas por atraso e juros sobre a mensalidade.

Um membro da família fez uma chamada para o Citibank.

Membro da família:
“Estou ligando para dizer que ela morreu em julho de 2010.

Citibank:
“A conta dela  não foi fechada e os juros de mora e encargos ainda se aplicam.”

Membro da família:
“Talvez você deva colocar à fundo perdido.

Citibank:
“Não posso, são meses de atraso”

Membro da família:
“Então o que farão quando descobrirem que ela está morta?”

Citibank:
“Nós encaminharemos relatório da conta para a divisão de fraudes e denunciaremos ao SPC!”

Membro da família:
“Você acha que Deus vai ficar bravo com ela? ”

Citibank:
“Desculpe-me, não entendi!”

Membro da família:
“O que você não conseguiu entender – a parte sobre ela estar morta?”

Citibank:
“Senhor você terá que falar com meu supervisor.”

Membro da família:
“Estou ligando para dizer que ela morreu em julho de 2010 com um saldo ZERO.”

Citibank:
“A conta não foi fechada e juros de mora e encargos ainda se aplicam.”

Membro da família:
“Você quer dizer que  deseja tomar a sua propriedade?
Ela não tinha bens e morava de aluguel”

Citibank: (silêncio)
Você é advogado dela?

Membro da família:
“Não , eu sou seu sobrinho-neto.”

Citibank:
“Você pode nos enviar por fax um atestado de óbito?”

Membro da família:
“Claro.” (Em seguida, o fax foi enviado)

– Depois de receber o fax:

Citibank:ll
“Nosso sistema não é  configurado  para a morte.
Eu não sei o que mais posso fazer para ajudar. ”

Membro da família:
“Bem, se você descobrir, isso seria ótimo!
Se não, você poderia simplesmente manter seu faturamento.
Ela não vai se importar.”

Citibank:
“Bem, os juros de mora e encargos serão ainda aplicáveis.”

Membro da família:
“Será que você gostaria do novo endereço dela para enviar a cobrança?”

Citibank:
“Isso seria ótimo e poderia ajudar …”

Membro da família:
“Cemitério Memorial Boa Viagem, Av. Redenção, 129, lote 69.”

Citibank:
“Senhor, isso é um cemitério!”

Membro da família:

“É a nova morada dela, local para onde vão as pessoas mortas em nosso planeta!!!”
—————————————————
É assim que os Bancos nos tratam.

—————————————–

Eu já tive problemas com esse mesmo banco.
Transferi minha conta de São Paulo para Brasília, mas algum mentecapto fez o serviço pela metade.
Fiquei com uma conta em São Paulo (com endereço em Brasília) da qual me cobravam pelo que não existia, já que tudo deveria ter sido transferido para Brasília.
Depois de quase um ano, tive de jogar o assunto para o Banco Central, para finalmente o funcionário relapso concluir o que havia sido solicitado e que tinha ficado pela metade. Certamente ele devia estar muito ocupado com algo fora do trabalho. (Como era mesmo o nomezinho dela? Tenho guardado os documentos referentes a isso, apesar de mais de 10 anos já terem se passado. Sabe como é, esse pessoal tem o raciocínio meio lento… )
Resultado: fechei definitivamente qualquer conta no Citi.

A Copa e a economia

Uma das muitas mentiras que se dizia a favor da copa do mundo no Brasil é que ela serviria para alavancar a economia do país.

Ontem, comentei por e-mail com amigos que Brasília, por conta de jogos na cidade, e de jogos do Brasil, virou uma cidade fantasma.

Restaurantes comuns fechados (nem quero imaginar aqueles usados pelos políticos, que só devem reabrir em fevereiro de 2014, depois das campanhas e das eleições).
Sorveterias às moscas.
Cafés sem clientes.
Ruas sem ônibus.
O edifício onde moro semi-vazio: muitos moradores foram para hotéis-fazendas, e outros passeios de poucos dias, como Pirinópolis.
Escolas fechadas.
Creches e escolinhas de crianças chatas fechadas.
Repartições públicas fechadas.
Bancos fechados.
Consultórios sem atender pacientes.
A oficina do carro fechada dia sim dia não.
Fui ontem à tarde (domingo) a um shopping center, e parecia um prédio fantasma.
A única coisa que tem funcionado “acima da média” são os bares, botecos, pontos de venda de drogas, e coisas do tipo, que existem em lugares “bem conhecidos”.
A Folha de São Paulo publicou matéria de que restaurantes na região dos Jardins têm sido ameaçados pela “concorrência”. Falsa ameaça? Who knows, chi lo sa, …

O calendário tem sido este:
dia 12 – 5a.f – abertura – jogo do Brasil em SP – Brasília parada
dia 13 – 6a.f treze – dia de não fazer nada
dia 14 – sábado
dia 15 – domingo – jogo Suíça x Equador em Brasília
dia 16 – 2a.f – descansar do domingo e se preparar para a 3a.f
dia 17 – 3a.f  – jogo do Brasil em Fortaleza – Brasília parada
dia 18 – 4a.f – dia de curar a ressaca do 0x0a
dia 19 – 5a.f – feriado – jogo Colômbia x Costa do Marfim – cidade inteiramente parada – silêncio de cemitério militar
dia 20 – 6a.f – dia de não fazer nada
dia 21 – sábado oco
dia 22 – domingo véspera de feriado
dia 23 – 2a.f – jogo do Brasil em Brasília, contra os risoles de camarão –

Só aí contabilizam-se DOZE dias parados.
E o pessoal ainda vem falar da “economia”?
Só se for economia de eletricidade, com tudo vazio, os ares condicionados desligados, etc.
Por isso não houve apagão.

Um primo que mora em São Paulo, engenheiro autônomo, disse que está sem conseguir trabalhar pràticamente todo o mês.

Está pior do que a semana entre Natal e Ano Novo…..está ruim para trabalhar sim!!!!
é que ninguém fala….
Não consigo nem agendar dentista…

Um amigo, também em São Paulo, contou que o Poupatempo (psiu, na-hora, e sei lá quantos outros nomes nos outros estados) está com super-atraso na entrega dos documentos.

Hoje encontrei uma matéria na edição Campinas de O Globo, em que os comerciantes da cidade relatam prejuízos de até 80% nos dias de jogos do Brasil .
É que Campinas não sedia jogos – se não, os prejuízos seriam também nos dias de jogos dos outros países.

Não faltam matérias nos jornais de que os turistas dormem em saguões de aeroportos, em automóveis, e outros lugares não convencionais.
Excesso de lotação nos hotéis?
Não, reação contra preços abusivos que foram cobrados.Recebi toneladas de e-mails com “promoções” de empresas aéreas e de hotéis, para eu programar viagens neste mês.

Bem, mas ouvi no rádio que o movimento de drogas em Vila Madalena, tradicional reduto de “uma facção criminosa de São Paulo”, está com negócios a todo vapor (a toda fumaça e a todo pó).
Acredito que também estejam bons os negócios para as moças da difícil vida fácil.
Talvez fosse esse mesmo o objetivo de alavancar a economia que prometiam.

Padrão dos pobres

A agência Padrão dos Pobres (Standard & Poor’s) baixou a avaliação do Brasil de BBB para BBB-. (e nem foi por conta da baixa audiência do “pograma da grobo”).

Tudo bem que ela, S&P, não é padrão de ónéstidadji. Basta ver o trabalho que seus “analistas” NÃO fizeram em 2008.
Essa agência, bem com as outras, tem interesse em melhorar a nota dos países ricos e baixar a dos “emergentes” (nome polìticamente correto para SUBDESENVOLVIDOS). Não é possível deixar de captar recursos de investimentos especulativos por conta dos altos juros pagos “alhures”.

MAS :

o pior ainda está por vir.

Aquela famosa empresa de energia brasileira está, no momento, com três “escândalozinhos” não explicadas – as refinarias Pasadilma, a no Japão e a refinaria “venezuelana” em Pernambuco. Outras coisas sobre esse “exemplo” de gestão empresarial ainda virão à tona. É só aguardar.
A bolha imobiliária ainda não estourou, no Brasil – apenas estamos em compasso de espera. O número de corretores já tem diminuído (que alívio!!), a procura por imóveis rotulados como “alto padrão” (arapucas) já recuou. Falta apenas o início da insolvência dos devedores. Ficaremos finalmente livres de construtoras que não cumprem promessas.

Aí teremos atingido a principal meta do país: “eliminar as desigualdades sociais”.
Sim, porque como tudo neste país é feito para nivelar por baixo, atingiremos o “padrão dos pobres” sem muitas outras preocupações e esforços.

É bem verdade que muitos criminosos estarão a salvo. Como já vimos, um “reles funcionário do Banco do Brasil” conseguiu amealhar uma pequena fortuna no exterior.
Você acredita que ele será extraditado pela Itália de volta ao país de onde escapou?

Feriado

O governo se preocupa em legislar sobre o horário de verão , para que não coincida com o carnaval.

E carnaval pode cair nos primeiros dias do mês, e arrebentar a primeira semana inteira do mês de março?
Não haverá bancos, ninguém receberá pagamentos de salários no dia certo (nem fará os pagamentos), etc. e tal.
Já pensou passar o carnaval sem dinheiro? Só com dívida?

Não interessa se a páscoa é 40 dias depois.
O carnaval há muuuuuuuuuuito tempo que deixou de ser uma festa ligada à religião.

Então, que essa demo-cracia (o governo do demo) faça algo de útil, e transfira o carnaval exclusivamente para a segunda semana de fevereiro. Sempre.
A páscoa que continue a ser contada pelos ovos de chocolate que o coelho põe na 3a. lua cheia de cada ano.

Nuvem de tags