Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘BBC’

imprensa estrangeira

Leiam:

http://noblat.oglobo.globo.com/artigos/noticia/2016/05/deu-no-new-york-times.html

e

http://noblat.oglobo.globo.com/artigos/noticia/2016/05/o-enigma-e-o-ossobuco.html

e também

http://noblat.oglobo.globo.com/artigos/noticia/2016/05/nem-cor-nem-genero.html

E complemento que assim como a “enpreimça duzestaduzunidu” não tem condições de falar de Brasília, menos ainda tem aquele pasquim sindicalista The Guardian para fazer editorial, para apontar (também a partir do rio de janeiro) que o atual ministério do governo brasileiro tem muita testosterona e pouca melanina.

A correção política já acabou. Morreu, fede, mas há gehornallyztas que insistem em mantê-la nos aparelhos.

Em tempo: espero que um dia a BBC volte a ser um órgão confiável, e não um antro de bebês, onde bebe-se para dar emprego ao aparelho “trabalhista” que o tonho blé montou no último governo, e que o davizinho camarão não soube extinguir.

Será que “éçizómi da enpreimça num çábi” que a corrupção também assola a política em seus países? Basta relembrar o casal Clinton…

Gramsci: Fique no Inferno!

 

as mentiras que jorram na internet

Duas matérias no G1 mostram que mentiras jorram na internet mais do que petróleo no Oriente Médio.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/02/seu-frango-e-grande-brasileiros-travam-guerra-virtual-contra-cafe-em-dublin-apos-piada-com-erro-de-ingles.html

 

http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/02/perfil-falso-na-wikipedia-e-citado-em-decisao-judicial-e-trabalho-academico.html

 

Se eu disser que dá vergonha, vão dizer que eu sou um vira-lata do “filósofo” Nelson Rodrigues.

Porém, é necessário observar que:

  1. a uiquipédia em português tem um comitê (coisa de partido esquerdopata de fundo de quintal) encarregado de manter a “pureza” (ideológica) dos artigos – mesmo que os textos na língua de uéslei safadão sejam diametralmente opostos ao que encontraremos nas versões da wikipedia em inglês, francês ou alemão;

2. a BBC é uma agênciazinha de notícias de trigésima oitava categoria, preocupada em manter empreguinhos para jornalistazinhos de quadringentésimo sexagésimo quinto grau, formados naziskolas da correção política, que pararam de lavar pratos em pubs londrinos e conseguiram outra ocupação, depois de os trabalhistas terem “aparelhado” aquela estrutura (que foi honrada e gloriosa no passado);

3. caradelivro é ponto de encontro de gente desocupada, que acredita que clicar em láiquis ou curtidas é útil;

4. tripaaívaissô, no Brasil, é um site de avaliações que, dominado por um grupo de hanauffábetickas alojadas no conforto do ar condicionado de prédio na Marginal Pinheiros, nos últimos dois anos, passou a selecionar os piores comentários para publicação, bem no estilo fútil das supervisoras, e sequer checa a existência ou não de um estabelecimento (já dei de cara com uma loja de roupa para bebês, no endereço onde as tripeiras diziam existir um restaurante – nunca tinha havido outro tipo de comércio naquele local!) – não tem e não merece credibilidade.

Resumindo:  que saudade de dona Sílvia, dona Celeste e outros que professores que anteriormente mencionei.

A Erde está tomada por gente com microcefalia funcional!
E a Tupinambalândia impulsiona o desastre planetário a passos de Hermes.

Como diz meu amigo Paulo, citando Cyperus Rotundus: não se preocupe, VAI PIORAR!

latino-americanos

Matéria encomendada por ociólogos interessados em misturar alhos e bugalhos, e publicada naquele pasquim infestado de “trabalhistas” (a BBC atual), disse que os brasileiros não se consideram latrino-americanos, mas em contrapartida querem assumir a liderança no continente.

É. É isso mesmo.

Não somos iguais aos vizinhos. Somos brasileiros.

Já escrevi sobre isso em outras ocasiões, e não vou agora repetir.

Perguntem aos portugueses e belgas valões se eles se consideram “latino-europeus”.

Maldita famiglia Buonaparte, que tanto estrago fez no mundo ocidental, do século XIX até hoje.

Identidade cultural é muito mais do que falar língua de determinada raiz. Pergunte aos timorenses, ou aos cristãos de Malaca.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/12/brasileiro-despreza-identidade-latina-mas-quer-lideranca-regional-aponta-pesquisa.html

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2015/12/21/brasileiro-despreza-identidade-latina-mas-quer-lideranca-regional-aponta-pesquisa.htm

https://boppe.wordpress.com/2013/05/09/um-latino-americano/

https://boppe.wordpress.com/2009/03/12/latinos/

 

Sites de jornais

De repente, no meio “das festas de copa imunda”, os principais jornais / revistas brasileiros fizeram alterações visuais em seus sites.

Um espírito de imitação que é de cair queixo de mula!

Tudo arrumadinho, limpo, com imagens bonitinhas, com chamadas escandalosamente escandalosas (como sói ocorrer na “enpreimça“), e…
com incrível falta de informações úteis.

Além do blablablá de “famosos”, de fofocas sobre alpinistas sociais e outros do estilo, além de toneladas de pop-ups com propagandas.

Nem tudo porém se resume a isso: ainda temos as abomináveis matérias pagas, que eles colocam como “reportagens”, do tipo “não existe bolha imobiliária”, ou “meu colega jornalista é o melhor candidato ao senado que jamais houve em terras tupiniquins”, e outras coisas de “total isenção”.

Não é necessário ter um site chato e antiquado, como o New York Times, mas nem todas as pessoas dão mais valor à forma do que o conteúdo.

Com esse detalhe, conteúdo, nem os “programadores visuais” nem os empresários das comunicações parecem preocupar-se.

Ah, quase deixava de lado:
e as matérias que simplesmente “desaparecem” no arquivo dos sites, porque a repercussão foi oposta à que estava programada pela empresa, ou porque estavam impregnadas de “herros”?

E a descarada censura a comentários de leitores? Esse pode, esse não pode.
E são eles os que “defendem” a liberdade de expressão?
Poupem-nos de balelas demagógicas.
“Porcorativismo” da pior espécie!

Melhor voltar a ouvir rádio, e ler blogs, para atualização das informações.
Os blogs têm rabo muito menos preso do que esses sites de jornais, e informam coisas que a “grande enpreimça” esconde.

P.S. Acabo de ver que a vetusta BBC está com pesquisa para saber as preferências dos leitores, para eventuais alterações na ênfase de alguns conteúdos.

Fascista é a vó

O rótulo de fascista, usado e desperdiçado pelos “democratas” e pelos “socialistas” contra seus opositores, cai no ridículo.

Matéria na BBC com o título Os fascistas estão voltando à França?      mostra um pouco desse conceito invertido.

O Front National, diz a matéria, tem origem na direita católica e monarquista que nunca aceitou a república.

Os franceses sabem que seu modelo econômico está fracassando. O pessimismo está em alta. Trabalhadores estão sem emprego. Negócios estão fechados suas portas, engolidos por taxas e regulamentações.
A resposta do FN é essencialmente a mesma da extrema direita – a Europa foi tomada por forças liberais e capitalistas.

Isso não é fascismo, o regime de Mussolini (e Getúlio Vargas) que se consolidou com as políticas “trabalhistas” de salário mínimo, de sindicatos únicos controlados pela pelegada, e outros tipos de corporações (guildas medievais) ligadas às profissões “liberais” (advogados, engenheiros, médicos, etc.).
Como esses princípios verdadeiramente fascistas foram adotados e repetidos pela “esquerda”, o uso da palavra para os capitalistas liberais é um contra-senso.

Extrema direita seria, como a própria definição da BBC, o “capitalismo selvagem”, e não o capitalismo gerenciado até o último grau pelos governos e seus apaniguados (aquele que, não raras vezes, é visto como alívio para as “federações de indústria” do Brasil).

Quanto ao controle da imigração, pergunto o que fez oba-oba com relação à promessa de campanha política, de “anistia” aos imigrantes ilegais.
Nunca antes na história daquele país tantas pessoas foram deportadas como no atual “período democrata”.

 

Obesidade

O Brasil tem mais pessoas acima do peso ou obesas do que a média mundial, revela um estudo divulgado na revista científica Lancet.

De acordo com a tal pesquisa, o Brasil está em quinto lugar dentre as populações mais obesas, depois de Estados Unidos, China, Índia e Rússia.

As indústrias de refrigerantes, as clínicas de estética e os médicos agradecem o mau comportamento de seus habitantes.

Carro sem motorista, do google

Nerds adoraram a notícia de que o google vai adaptar carros de outras montadores, e que não precisarão de motorista.

Não sei como funcionará na Europa, na América do Norte, e no Japão, por exemplo, mas, …

no Brasil será um tal de carro fazendo conversão proibida, subindo sobre canteiro central, ou tentando descer escadarias em cidades com relevo mais acidentado.

Pois é exatamente isso o que os mapas do google nunca levam em consideração nos mapas brasileiros…

Tecnologia sem acompanhamento e checagem…

Nuvem de tags