Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘Ceará’

Direita, volver

Deputados federais mais votados em alguns Estados:
Ceará – Moroni Torgan – delegado da Polícia Federal que lutou contra o tráfico de drogas – DEM – 277 mil votos (6,36%)

DF – Fraga – policial militar, que comandou a campanha contra o desarmamento proposto pelos que não desarmam bandidos – acabou com a máfia das vans no DF – tem como propostas mudar as leis contra os dimenó e fazer presos serem obrigados a trabalhar – DEM – 155 mil votos (10,66%)

Goiás – Delegado Waldir – policial civil, conhecido por prender também grávidas e cadeirantes envolvidos no tráfico de drogas; projetos semelhantes ao de Fraga (DF) – PSDB – 274 mil votos (9,06%)

Goiás – senador Caiado – chefe dos ruralistas de todo o país – contra os baderneiros do MST – DEM – 1,283 milhão votos (47,57%)

Pará – Delegado Eder Mauro – chefe do grupo de polícia da região metropolitana de Belém – PSD – 265 mil votos (7,08%)

Rio de Janeiro – Jair Bolsonaro – militar – 464 mil votos – PP – 464 mil votos (6,10%)

Rio Grande do Sul – Luiz Carlos Heinze – chefe dos ruralistas do RS – PP – 162 mil votos (2,76%)

São Paulo – que vergonha – primeiro Ruimssomano, Tiririca, e depois, em terceiro, Marco Feliciano, o hiper-conservador – PSC – 398 mil votos (1,90%) (tinha tido 212 mil em 2010)

Resumindo: existe um desejo de boa parte do eleitorado em votar em candidatos conservadores, que não venham com essa conversa mole de “direitos humanos” e de passar a mão na cabeça dos traficantes, dos assassinos e dos baderneiros em geral.

O que falta, na verdade, é um autêntico partido de direita.

DEM do mensalão do Arruda e PP do Maluf estão muito longe disso.
E outros que se auto-denominam de direita são apenas liberalistas que querem pagar menos impostos, e isso é apenas uma postura econômica, mas não social.
Chega dessa conversa mole de que “minoria” é maioria.

E o ex-presidente THC que vá fumar seu fuminho.
Ele ainda não descobriu que o Brasil é maior do que o Sudeste. (e que não foi ele o presidente do Plano Real, mas Itamar – ociólogo não é economista – THC era apenas o político que coordenava os economistas do Ministério da Fazenda)
Nota curiosa: o único município paulista onde Alckmin não ganhou para governador foi Hortolândia, onde fica o presídio que comanda a bandidagem no interior do Estado. Sabem como é, as mulheres que carregam celulares para os maridos ainda não estão presas.

Enquanto isso, a “esquerda” só fala de casamento gay (ué, casamento não era uma instituição falida, deixar / receber herança não é coisa do capitalismo decadente?), fala de direitos de cotas, de minorias, de indenizações a bandidos, em “ressocialização” e coisa e tal.

Por sua vez, a população tem de conviver com incêndios de ônibus (e creches!) em Santa Catarina, com arrastões no clube da USP, onde todo sábado de manhã as pessoas vão treinar vôlei, basquete, etc. Assalto realizado por 10 “dimenó”e só 2 “dimaió”.
Quem lideravam todo o bando, era o mais agressivo e bateu em duas moças com tênis e coronhadas?
Um menino de 8 anos, SIM 8 ANOS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! que liderava!!!!!!!!!!!!! o grupo. Todos tinham medo dele. Até os dois dimaió de mais de 20 anos bateram em todo mundo, machucaram
levaram tudo que podiam com ele no comando.

Também em São Paulo, na “comunidade” de Paraísópolis, tem um lugar que o PCC treina os meninos a partir de 10 anos com aulas de tiro, pistola automática e vários tipos de armas. Eles até reclam que são muito pesadas !!!! E está difícil para “mirar”!!!!!. Os arrastões são todo dia, no escadão, e no ladeirão, em frente à Paraisópolis, Pegam ônibus no horário do rush e deixam de atravessado na avenida Giovanni Gronchi. Fazem arrastão em carros, tiram mulheres dos veículos, espancam, levam tudo, atravessam a rua calmamente e vão para Paraísópolis levar as encomendas para os bandidões e recebem novas ordens, dos irmãos. Isto há menos de 1 km do Palácio do Governo.

Realmente, não há o que comentar. Nosso país está afundando… na nossa frente. Não sei o que será disso tudo. Em Pedrinhas, o famoso presídio no Maranhão, os presos votaram com escolta de guerra do exército. Quem forçou a barra para isso foram deputados federais ligados ao PCC. Eles votam em quem o “grande irmão” manda.

Há ou não motivos para parte da população se voltar para os candidatos de “direita”?

Anúncios

Dinossauros do Oiapoque ao Chuí

Inacreditável!!!!

Na mesma semana dois tiranossauros rex da política brasileira anunciaram que vão retirar-se da política após o término do qüingentésimo mandato, em janeiro de 2015: José Sarney e Pedro Simon, justamente senadores que representam o Amapá – Oiapoque, e o Rio Grande do Sul – Chuí.

Isso mesmo. Brinquem com os bisnetos e os tataranetos!

Já brincaram demais com os brasileiros.

Espero que outras mudanças ocorram ao longo de todo o litoral e do interior do país.

Basta de Suplícios, de Calheiros, e de tantos outros pterodáctilos até mesmo pré-Cabralinos.

Se eles não saem por bem, que decretemos nós o fim do político profissional.

10342451_796701473686906_8112400813415400517_n

biografia

Charles of Wales & Hillary of Clinton

Muito curioso como a enpreimça é uma coisa (coisa mesmo) tendenciosa e que não deve ser levada muito a sério.

Jornais publicaram com algum destaque que o Príncipe de Gales, herdeiro do trono britânico, teria comparado Putin a Hitler, em razão da crise na Ucrânia.
Na Folha de São Paulo, um leitor inseriu um comentário, com assinatura de quem não sabe de nada sobre o funcionamento de instituições fora do Brasil, e afirmou que

O comentário desse cara e o de um leão de chácara de boate falida tem o mesmo peso!

Curiosamente, hoje encontrei uma matéria assinada no Estadão, em que o professor da USP e da PUC Oliveiros Ferreira trata da geopolítica, e inicia com

Muitos, como Hillary Clinton, compararam a crise na Ucrânia e a incorporação da Crimeia ao Estado russo à crise de 1938, quando Hitler avançou sobre a Checoslováquia. Esqueceram-se de que a Grande Política então se fazia por pactos e alianças e, sobretudo, de que não havia a arma nuclear.

Bem, a pré-candidata ao trono americano afirmou isso, e não vi o mesmo destaque na imprensa, e muito menos palavras de gozação contra a afirmação clintoniana.

Por que ela deve ser levada a sério, enquanto que o “par” do outro lado do Atlântico é motivo de chacota?

Ah, por que ela é de uma república, e ele representa uma monarquia atrasada…

Algumas pessoas insistem em ignorar que as monarquias européias (exceto aquela coisa sem tradição na Espanha, cheia de corrupção; mas Espanha, como sabemos, é um país do Norte da África) são muito, mas muito mais democráticas, do que republiquetas na América Latrina ou na África. (incluir na primeira categoria os países que algumas pessoas jocosamente chamam de “colônias”- Canadá, Austrália e Nova Zelândia).

Rei é apenas enfeite? Sei… é enfeite mas de muito significado na opinião pública.

Ninguém reparou, mas a seqüência de atos contra a ditadura da primeira-ministra na Tailândia (irmão de um político exilado, por corrupção) – primeiro sua destituição e agora o lei marcial, toque de recolher e tudo mais, veio depois de demonstrado, durante o 60º aniversário da coroação do rei, que há muito apoio do povo à monarquia – os amarelos -, capaz de se contrapor ao peso da turma populista dos depostos – os vermelhos.

Do mesmo modo, a enpreimça rotula como extrema-direita os partidos eurocéticos. Certamente são jornalistas vesgos, que não sabem o que significa direita e esquerda. Ser eurocético não é ser de extrema-direita. Ou será que não pode haver vozes dissonantes na União Européia, como ocorre no “super-bem-sucedido” Mercosul.

Só como apêndice e curiosidade: sabiam que a família real sueca vai à fila de embarque nos aeroportos como qualquer passageiro? Que paga multas de trânsito?
Sabiam que Harry foi em vôo de linha aérea barata para participar de cerimônia oficial na Estônia? Do mesmo modo em que, quando uma semana antes foi à festa de um amigo em Miami, viajou também em avião comercial, a contragosto da então namorada.
Enquanto isso, na república popular democrática do Brasil, um senador usou avião da FAB para fazer implante de cabelos, um governador já pagou com verba pública jatinho para levar a sogra a passear em Paris, um candidato “socialista” ficou zangadinho por terem mostrado foto dele em um jatinho “amigo”, o governador de um outro estado usava helicóptero oficial para levar babás e cachorros à praia, ministros e deputados utilizaram (não raras vezes) avião da FAB para ir a jogo de futebol, …..  Desse tipo de democracia estamos cansados..
Não são necessários mais exemplos para vermos quem são parasitas.

comidinha na boquinha do governador

Já comentei mais de uma vez sobre os abusos que se fazem na Tupiniquinlândia para manter a Côrte.

Despesas que não existiam no tempo dos Braganças. Como mostra muito bem a biografia de Pedro II escrita pelo historiador José Murilo de Carvalho, as despesas no Palácio de São Cristóvão eram pagas pelo imperador, inclusive quando viajava (e tomava dinheiro emprestado).

Igual a certas republiquetas. A res publica, dizem, deveria referir-se à coisa pública, mas não, na verdade é rês (em francês rez), de rasteiro, de coisa no chão, o rez-de-chaussée, semelhante ao rastaqüera ignorante e ostentador.

No Império, deputados que não fossem do Rio de Janeiro ou alugavam casas ou moravam em pensões.

Na rez-pública com a coisa pública, nós pagamos o aluguel de suas excremências, o transporte na capital e as viagens para casa e para os passeios.

Há uns dias o Correio Braziliense publicou um artigo sobre as compritchas que o “trabalhador” agnulo precisa para sua alimentação na residência oficial de Águas Claras, nome do Buckingham Palace candango. O Globo descobriu e requentou a matéria.

O mesmo ocorreu no “socialista” Ceará dos Gomes (agora viraram “solidários”), com a PMDBosta sarnenta no Maranhão (o estado mais rico), e por aí afora. Que valor atinge as despesas na “Guanabara”? Só de combustível para o helicóptero deve dar…
(Aliás, o que há de ducado hereditário neste império tupiniquim pós-1889 não é moleza – ainda bem que são  “eleitos”).

Até se poderia ser condescendente e dizer que os governadores “merecem” residência oficial. Sim, mas no máximo com o pagamento da segurança e da eletricidade (que faz parte da mesma conta), mas as despesas pessoais bem que podiam ser arcadas com o próprio salário. Ou será que este é tão baixo assim?

Parece que “eles” não perceberam que a paciência acabou. Pode vir um 14 de julho pela frente…

Nuvem de tags