Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘cientista’

Era glacial na época do aquecimento bobal

Link para artigo do Rodrigo Constantino:

 

http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/ambientalismo/agora-alguns-cientistas-ja-falam-em-mini-era-glacial-ai-que-preguica/

 

 

Anúncios

Panelas

Quando os cientistas de todo o mundo deixarão suas torres de marfim, onde vivem em redomas de cristal com bordas de ouro,
e perceberão que é necessário inventar PANELAS DESCARTÁVEIS?

Ou eles ainda não se deram conta de como é desagradável ter de limpar panelas sujas, e de quanta água é desperdiçada nesse procedimento?
Perdem tempo com naves que levam tratorzinhos para um cometa qualquer, ficam bisbilhotando o que há no DNA da micro-bactéria da preguiça, e não cuidam de coisas mais prementes, relevantes e persistentes.

cientistas inúteis…

 

cientistas…

Quase todas as vezes em que escrevi sobre cientistas, foi para chegar à conclusão que o resultado das pesquisas depende de quem seja o patrocinador.

Como se não bastasse, ainda os resultados vão para a imprensa, especializada ou não, com anunciantes!

A Veja tem uma matéria que contraria o mito de que chocolate e vinho tinto façam bem ao coração.

Para mim, pesquisa irrelevante, mas de muito valor para meu irmão. Não gosto de vinho e, como já publiquei, acho os chocolates atualmente uma gosma de parafina com açúcar e tintura. Mesmos aqueles pretensamente “99,99% cacau”.
Aquela velha história do ovo e da manteiga: uma semana são assassinos silenciosos e na outra são anjos de bondade.

Curiosamente, a matéria da Veja sugere link para um artigo para pipocas, que por sua vez sugere para um outro, sobre as vantagens do chocolate. Vai lá entender…

Por falar em pipocas, porém, já escrevi algumas vezes que não freqüento cinemas, por conta do abominável cheiro de pipocas de micro-ondas.
Ontem à noite, quis “forçar a natureza” e comi pipocas, daquela marca do japonês esquartejado. Hoje de manhã, ao tentar tomar o café de sempre, a reação foi imediata e violenta. Tive de me limpar, voltar para a cama, e depois de duas horas de repouso, recomeçar a manhã – sem vestígios da gordura de micro-ondas.

Senhores cientistas, meu corpo me diz mais coisas do que os milhões de dólares desperdiçados em pesquisas sobre comidas, complementos vitamínicos, comportamento de ratos ou cobaias humanas.
Acredito muito mais no que meu corpo avalia, do que nessas matérias PAGAS!

 

 

o aquecimento bobal mudou a história

Reproduzo:

Aquecimento do planeta intensifica os conflitos sociais, conclui pesquisa No Brasil, ocupações irregulares de terras estariam ligadas a variações extremas de temperatura

Paloma Oliveto –  Publicação: 02/08/2013 06:40 Atualização: 01/08/2013 21:47

Derretimento das calotas polares, aumento do nível do mar, desertificação, redução da biodiversidade… As consequências ambientais das mudanças climáticas são amplamente conhecidas, embora boa parte da população não as perceba como uma ameaça. Os termômetros elevados, contudo, provocam efeitos ainda mais devastadores que os observados na natureza. De acordo com pesquisadores da Universidade da Califórnia em Bekerley e da Universidade de Princeton, eles também esquentam os ânimos, impulsionando conflitos humanos, que vão da luta pela terra no Brasil à queda da civilização maia na América Central.

A conclusão dos cientistas, publicada na revista Science, é baseada na análise de 60 estudos sobre as influências das mudanças climáticas nas relações sociais, divulgados, na maioria, entre 2009 e 2011. Em lugares tão diversos como Brasil, Somália, Holanda, China, Estados Unidos, Tanzânia e Alemanha, entre outros, os cientistas encontraram evidências de que alterações bruscas no clima deflagram ou intensificam combates sociais, como invasão de propriedades rurais e até guerra civil. Além disso, influenciam embates interpessoais, incluindo assassinatos e estupros.

De acordo com Solomon Hsiang, professor de políticas públicas da Universidade da Califórnia em Bekerley e principal autor do estudo, há algum tempo tem se investigado os efeitos do clima nos conflitos, mas não havia, até agora, uma unidade. “O que estava faltando era uma fotografia clara da história que esses estudos estavam nos contando. Depois de reanalisar os dados e padronizar o modelo estatístico, encontramos resultados impressionantes.”

Exatamente o que vocês leram. O aquecimento bobal existia na época dos maias.
Como assim? Não é um problema causado peluçerizumanu?
Pois é, difícil de entender. Foi o calor que provocou guerras entre egípcios e hititas, entre gregos e troianos, que fez Aníbal invadir Roma com os elefantes atravessando os Pirineus, e tudo mais.

Isso não significaria, ao contrário do que dizem os eco-terroristas, que os aquecimentos, e os esfriamentos, são cíclicos?
Os eco-terroristas não podem aceitar que as manchas solares são mais fortes do que qualquer atividade duçerizumanu?

Enfim, podemos ver que a História pode ser re-escrita conforme os desejos dos “cientistas” pagos pelas agências que financiam estudos sobre o “aquecimento bobal”.
Por outro lado, falar sobre a questão do aumento demográfico por trás dos conflitos é tabu.

Cientistas, esses cientistas

Segundo jornais, cientistas fizeram experiências de descobriram que “Cérebro idoso tem dificuldade em enfraquecer memórias antigas para criar novas”.

Para variar“, as pesquisas foram feitas com camundongos.
Se tivessem usado humanos,
é possível que descobrissem outra resposta:

velhos têm dificuldade para enfraquecer as memórias antigas simplesmente porque elas são mais agradáveis do que o dia-a-dia que vivem

Só como um exemplo:
vai me dizer que as comidas de antigamente não eram mais saborosas do que as coisas com gosto de isopor que se fazem hoje em dia? Ou você vai ter o descaramento de dizer que prefere os molhos comprados em super-mercados?

Dinheiro das universidades

Um bando de cientistas que não têm nada de sério para fazer, da Universidade de Newcastle, mapeou o que eles consideram os sons mais desagradáveis para o ouvido humano.
O resultado é de uma imbecilidade dificilmente superável, pois são ruídos de coisas que só ocorrem em laboratórios.
Os pesquisadores tocaram 74 gravações de barulhos e mediram como eles alteravam a atividade cerebral, usando um aparelho de ressonância magnética.

Segundo os sujeitos que mamam nas tetas das universidades (e percebam que, no caso específico, sem financiamento do CNPq, mestre em jogar dinheiro fora com projetos sem resultados), o som de uma faca arranhando uma garrafa de vidro é considerado o mais insuportável de todos. Quantas vezes você já pegou uma faca para arranhar uma garrafa de vidro? Só mesmo em laboratório de ociosos…

O segundo som registrado como mais insuportável também vem do atrito do metal com o vidro: um garfo raspando um copo. Algo que fazemos todas as manhãs, tardes e noites, não é mesmo? Além disso, que tipo de garfo? Que tipo de metal? Qual a procedência do garfo? Made in China? O copo era de requeijão ou de cristal?
Em terceiro lugar, ficou o de um giz arranhando um quadro negro (mito de quem não gosta de ir à escola), seguido por uma régua em atrito com uma garrafa (régua em atrito com uma garrafa? quem é louco de fazer uma coisa dessas?) e, por fim, unhas em um quadro negro. Unhas de quem, dos cientistas, de suas amantes, do pessoal da limpeza da universidade? Faz muita diferença.

O estudo foi coordenado por Sukhbinder Kumar (cujo nome já indica muita coisa), que usou 13 voluntários durante os testes e publicou os resultados no Journal of Neuroscience.
Por viverem no conforto de uma universidade britânica, o bando de cientistas não descobriu a mais óbvia de todas as respostas:

O SOM MAIS DESAGRADÁVEL QUE EXISTE,

que inclusive causa problemas colaterais, como diarréia,

É AQUELE PRODUZIDO POR CANTORAS BAIANAS!

Ainda o aquecimento global

Realmente nesta virada de ano foram terríveis os efeitos do aquecimento global nos aeroportos do Hemisfério Norte.

Os ongueiros e todos os “especialistas” dos organismos internacionais que sugam dinheiro das contribuições de cada país-membro, depois dos resultados (financeiros) em Copenhague e no México. Uma pena que boa parte deles não saiba a diferença entre tempo e clima.

Esses “especialistas”  também devem estar muito preocupados com a denúncia de possível corrupção no Haiti. Quem sabe eles possam ser desmascarados…

Enquanto isso, nunca antes neste planeta tantos animais tidos como em extinção se reproduziram tanto, e nunca tantas espécies animais e vegetais foram redescobertas depois de  terem desaparecido dos olhos de alguns cientistas.

http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/859350-seis-ras-consideradas-desaparecidas-ha-duas-decadas-estao-vivas-no-haiti.shtml

Assim caminha a humanidade… …tão pretensiosa que se arroga a causa de tudo o que acontece na Terra. Até mesmo, quem sabe, o deslocamento dos pólos, os movimentos dessa “bola” perdida no universo, etc.. Humanidade que não passa de uma sarna na epiderme do planeta.

Nuvem de tags