Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘Deutsche Welle’

A ditadura em que vivemos

Vivemos desde 1988 uma ditadura dos bacharéis em direito.
Juízes, promotores, procuradores e advogados, do alto de suas palavras, dão ordens em tudo e a todos.

Para os concursados é legal (embora imoral) a concessão de auxílio-moradia, auxílio-livros, auxílio-creche, auxíli-(e)terno, auxílio-gravata, auxílio-oscambau, …

Não tenho qualquer simpatia pelo movimento dos sei lá o que sem teto, mas concordo com a posição de que

Há R$ 400 mi para auxílio-moradia a juízes com teto, mas alega-se falta de dinheiro para o Minha Casa, Minha Vida atender aos sem-teto.
Guilherme Boulos, , coordenador do MTST, sobre órgãos ligados ao Judiciário liderarem a previsão de gastos com auxílio-moradia em 2018.

Por sua vez, os caríssimos advogados que impediram a prisão de Maluf por quase 30 anos, dizem que o mau velhinho não pode ser preso.
(De sua parte, na atrasada Alemanha decidiram que, apesar de seus 96 anos, o contador de Auschwitz pode passar alguns de seus últimos anos na cadeia.)

Dentre os muitos comentários sobre os (caros) advogados de Maluf, selecionei dois comentários:

  • advogado kakay, deveriam por você num hospício advogando com o dinheiro do povo
  • deveria haver uma lei que obrigasse o advogado a provar a licitude do dinheiro recebido do cliente, afinal de contas é advogado ou parceiro?

Cabe ser ressaltado que isso não vale apenas para os advogados de nóçus kiridus políticos, que ùltimamente passaram a ser convidados a conhecer algumas celas de cadeias (embora sempre por pouco tempo, pois logo recebem o direito de voltar para suas mansões).
O que vale para esses “homens do poder, da lei e da ordem” também valeria também para os muito bem remunerados advogados de fernandinho beira-mal, de marcola, e tantos outros ídolos do funk menos famosos.

Serviria para iniciar a ruptura dessa ditadura dos que tanto bradam o “estado democrático de direito”, que raramente serve para a população direita, mas apenas para quem está com muito dinheiro nas contas.

 

 

 

Anúncios

jornalismo cara de pau

É encontrável nos sites brazucas uma matéria da bebe-se a respeito da manipulação da massa ignara pelas feiquiníus.

https://g1.globo.com/politica/noticia/como-comportamento-de-manada-permite-manipulacao-da-opiniao-publica-por-fakes.ghtml

A falha di çumpallo teve a cara dura de dizer que a matéria (comprada da bebe-se) era exclusiva!

É mais do que sabido, por todas as peçonhas, que o gehornallyzmo é uma sucessão de ctrlC ctrlV feitos de acordo com o pensamento do editor. (E de seus anunciantes!)

Notícias internacionais rarìssimamente são originais.
Novecentos e noventa e nove por cento são matérias compradas de “parceiros”.
A mesma notícia do istadim é reproduzida no istadim de minas, que por sua vez é dono do correio brazilhemçi, e publicada na falha.
As matérias da falha não mudam nada com relação ao bobo.
E por aí afora.

Valem menos do que aquelas pesquisas eleitoreiras de que fulano tem maioria de votos, e contudo o  fulano não ganhou a eleição…

Podem ver que na tupinambalândia apenas se reproduz o que aparece nos sites “pogreçistas” do tipo Le iMonde, Bebe-Se, Dóitxe Vela, El País, CNN, o Guardião, …  E não poucas vezes as matérias foram escritas por estagiários residente em çumpallo ou no hell de dezembro.
Não sei o que há por trás dessa prática.
Talvez seja mais barato do que manter uma equipe séria de jornalistas, e não de estagiários copiou-colou-passou.

Pode ver que nunca utilizam outras fontes de informação, para que o leitor possa ter a oportunidade de fazer uma comparação e chegar à própria conclusão.
Não, os donos desses órgãos de de-formação consideram-se os únicos capazes de doutrinar a cabeça dos impensantes leitores.
Quando fazem uma entrevista com alguém com outro ponto de vista, é um velho conhecido de jantares e tragos.
Os outros não merecem credibilidade, na visão desses empresários da comunicação.

Você já tentou ler outros meios de comunicação estrangeiros, que não os citados acima?
Nem todos são defensores da alemoa, das fronteiras escancaradas, da ideologia de degênero, etc e tal.
Existem outras tonalidades além do vermelho e do azul, ou do preto e do branco.

E só mais uma coisinha:
correspondente internacional que só fica em paris ou em nevainhóque, tomando uìsquezinho com coléguas, está tão alienado quanto quem não lê nada.
Essas metróp0les não decidem sòzinhas as eleições e os rumos dos países.

a enpreimça

A respeito de uma matéria ápode e acéfala, publicada em certo pasquim brazuca, uma amiga me escreveu:

Eu não condeno os jornalistazinhos – condeno o f.d.p. do editor que deixa publicar uma merda dessas!

Ela tem razão. Existe um jornal que quer a todo custo (sem qualquer custo) ressuscitar o antigo Notícias Populares. Bem, na verdade, nunca deixou de existir, pois é a mesma redação de sempre. Aquel’outro, da Baía de Guanabara, tem a mesma política. Nem o vetusto jornal da Marginal do Tietê consegue deixar de lado o sensacionalismo. Nos pagos do Sul, o geocentrismo e a xenofobia são a única razão de existir aquele jornal da Meia Noite. Aqui em brazylha, o principal jornal fala de “escândalos” mas nunca conseguiu explicar os muitos metros quadrados que recebeu de mão beijada do presidente bossa-nova, para falar bem de sua questionável gestão.

Durante minha viagem, evitei jornais “nacionais”. Ative-me apenas aos locais, de cidades médias do Paraná e de São Paulo.

Sabem o que? Era melhor do que a chamada “grande enpreimça”. Falam de fatos da região e, no que se trata de notícias internacionais, apenas colocam o que foi expedido pelas agências de notícias, sem comentaristas palpiteiros que querem “interpretar” os fatos, com suas visões estrábicas.

Há algum tempo deixei de ouvir aquelas duas estações de rádio que só “trocam” notícias. Isso teve em mim um efeito tranqüilizador. Não me irritei mais com o amontoado de sandices que “especialistas” diziam a cada minuto, sem qualquer pesquisa prévia sobre o que comentavam.

O pior é que, como afirmou minha amiga, a culpa é dos editores, os mesmos que dão aulas nas Fakú, e que despejam no mercado de trabalho profissionais semi-analfabetos e arrogantes, mas servis aos interesses da empresa que lhes dá trabalho e salário.

No Brasil, temos visto uma profusão de matérias encomendadas por anunciantes, falando do “excelente período da construção civil”. Entrevistas com donos de empreiteiras e com corretores de imóveis. Nunca com adquirentes frustrados. Tudo para dar um ar de mundo rosado para a quebradeira que se segue a um “boom”.

Não é muito diferente em outros países. O Guardião dos cinicatos ingleses posa de vestal, mas evita admitir que está a serviço de certos grupos. A Onda Alemã (versão em português) parece ser editada por algum afiliado do Arbeiterpartei (tanto faz se daqui ou de lá – direita e esquerda já se encontraram há muito tempo no mundo redondo) .  Franceses e espanhóis preocupam-se acima de tudo com a vida do “jet set”, como se fossem “caras” diários.

Pergunto-me se sempre terá sido assim que se comportaram os grandes jornais? Ou é falta de tempo dos empresários que têm de contar o dinheiro dos anunciantes? Os jornalistazinhos, sei bem, estão ocupados com seus esmalte-fones, trocando textos e fotos nas comunidades sociais, até o dia em que ficarem corcundas.

leniência com a Siemens

Leniência com uma empresa que já foi condenada na Alemanha por corrupção ativa em diversos contratos. Curioso.

Será que, além dos acusados, ninguém mais recebeu algo?

Os links da Deutsche Welle (em português) estão à disposição dos interessados:

19 de julho:

http://www.dw.de/esc%C3%A2ndalo-no-brasil-p%C3%B5e-em-d%C3%BAvida-esfor%C3%A7os-anticorrup%C3%A7%C3%A3o-da-siemens/a-16961389

28 de julho:

http://www.dw.de/siemens-deve-substituir-diretor-executivo-peter-l%C3%B6scher/a-16980986

Nuvem de tags