Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘empresário’

mais em cima do muro – trump coxinha, etc

Terminada a fase de falta do que fazer, resta aos divisionistas coxinhas de mortadela ficar debatendo os atos de Donald Trump.

Que isso, que aquilo…

Que falta do que fazer!!!…

Até parece que os tupinambás participaram da eleição – que lá é regida pelo esquema de maioria dos Estados, como na Suíça é pela maioria dos cantões. Algo que funciona em federações de verdade, não nesses arremedos de imitação barata de loja de camelódromo.

Bem, mas até isso a brazucada quer contestar, como se nossas 890587380687092743907915723 constituições em menos de 200 anos tivessem sido melhores do que uma que está em vigor há quase 250 anos.

Ah, quase esquecia, o De Neva Inhoque Times não gosta do Trump. Claro, Carlos Slim Helú não gosta de concorrentes (tampouco George Soros) … Coisas de empresários.
E eu não gosto da embratel, da escura, e da net.  Coisa de consumidor.

img-20170129-wa0010

Anúncios

Utopia ou distopia?

Recebi por whatsapp este texto:

Em 1998, a Kodak tinha 170 mil funcionários e vendia 85% do papel fotográfico utilizado no mundo. Em apenas 3 anos, o seu modelo de negócio foi extinto e a empresa desapareceu. O mesmo acontecerá com muitos negócios e indústrias nos próximos 10 anos e a maioria das pessoas nem vai se aperceber disso. As mudanças serão causadas pelo surgimento de novas tecnologias.

Conforme exposto na Singularity University Germany Summit, em abril deste ano, o futuro nos reserva surpresas além da imaginação. A taxa de inovação é cada vez mais acelerada e as futuras transformações serão muito mais rápidas que as ocorridas no passado. Novos softwares vão impactar a maioria dos negócios e nenhuma área de atividade estará a salvo das mudanças que virão. Algumas delas já estão acontecendo e sinalizam o que teremos pela frente. O UBER é apenas uma ferramenta de software e não possui um carro sequer, no entanto, constitui hoje a maior empresa de táxis do mundo. A Airbnb é o maior grupo hoteleiro do planeta, sem deter a propriedade de uma única unidade de hospedagem.

Nos EUA, jovens advogados não conseguem emprego. A plataforma tecnológica IBM Watson oferece aconselhamento jurídico básico em poucos segundos, com precisão maior que a obtida por profissionais da área. Haverá 90% menos advogados no futuro e apenas os especialistas sobreviverão. Watson também orienta diagnósticos de câncer, com eficiência maior que a de enfermeiros humanos. Em 10 anos, a impressora 3D de menor custo reduziu o preço de US$18.000 para US$400 e tornou-se 100 vezes mais rápida. Todas as grandes empresas de calçados já começaram a imprimir sapatos em 3D. Até 2027, 10% de tudo o que for produzido será impresso em 3D. Nos próximos 20 anos, 70% dos empregos atuais vão desaparecer.

Em 2018, os primeiros carros autônomos estarão no mercado. Por volta de 2020, a indústria automobilística começará a ser desmobilizada porque as pessoas não necessitarão mais de carros próprios. Um aplicativo fará um veículo sem motorista busca-lo onde você estiver para leva-lo ao seu destino. Você não precisará estacionar, pagará apenas pela distância percorrida e poderá fazer outras tarefas durante o deslocamento. As cidades serão muito diferentes, com 90% menos carros, e os estacionamentos serão transformados em parques. O mercado imobiliário também será afetado, pois, se as pessoas puderem trabalhar enquanto se deslocam, será possível viver em bairros mais distantes, melhores e mais baratos. O número de acidentes será reduzido de 1/100 mil km para 1/10 milhões de km, salvando um milhão de vidas por ano, em todo o mundo. Com o prêmio 100 vezes menor, o negócio de seguro de carro será varrido do mercado.

Os fabricantes que insistirem na produção convencional de automóveis irão à falência, enquanto as empresas de tecnologia (Tesla, Apple, Google) estarão construindo computadores sobre rodas. Os carros elétricos vão dominar o mercado na próxima década. A eletricidade vai se tornar incrivelmente barata e limpa. O preço da energia solar vai cair tanto que as empresas de carvão começarão a abandonar o mercado ao longo dos próximos 10 anos. No ano passado, o mundo já instalou mais energia solar do que à base de combustíveis fósseis. Com energia elétrica a baixo custo, a dessalinização tornará possível a obtenção de água abundante e barata.

No contexto deste futuro imaginário, os veículos serão movidos por eletricidade e a energia elétrica será produzida a partir de fontes não fósseis. A demanda por petróleo e gás natural cairá dramaticamente e será direcionada para fertilizantes, fármacos e produtos petroquímicos. Os países do Golfo serão os únicos fornecedores de petróleo no mercado mundial. Neste cenário ameaçador, as empresas de O&G que não se verticalizarem simplesmente desaparecerão.

No Brasil, o modelo de negócio desenhado para a Petrobras caminha no sentido oposto. Abrindo mão das atividades que agregam valor ao petróleo e abandonando a produção de energia verde, a Petrobras que restar não terá a mínima chance de sobrevivência futura. A conferir.

(Publicado na revista Brasil e Energia Petróleo e Gás, edição de dez/2016)

 

Será que esse futuro é utópico ou uma distopia?
Não duvido que, no Brasil, para contrabalançar esse descarte de profissões, façam leis impedindo que tenham qualquer direito pessoas sem carteiras de corporações profissionais mafiosas ou sindicais (o que dá no mesmo).

Pergunto-me, porém, o que será feito com o excedente populacional no planeta? Serão triturados e servirão de base nutricional para os mais capacitados?  Não duvido.

 

A lista da Odebrecht

Recebi a famosa lista com quase 300 nomes dos “homenageados” pela Odebrecht.
Até encontrei o nome do marido de uma ex-colega.

Ouvi comentários do tipo:

Está vendo só? Quase tudo é gente do PT

A pessoa se esquece de que nos últimos muitos anos eles estiveram nu pudê.
Se fosse outro partido, seria os membros desse partido os “contemplados” com as “ofertas” das empreiteiras.
Não venham dizer que “era contribuição para campanha”, pois as “doações” iam para todos, independentemente de ideologia.

Queria ver também as listas da Andrade Gutierrez, a da OAS, a da …  , aquela outra da ….
Deveriam circular.

Mas é muito simples colocar a lista dos políticos (aquelas pessoas filiadas a partidos).
Quero também ver a lista dos “outros”.
A lista de membros do judiciário, do ministério público, dos empresários do jornalismo (aqueles que fazem editoriais de louvação), dos diplomatas, dos servidores da “justiça do trabalho” , dos analistas da Receita.

Só políticos?
Os outros são todos santos?

Na verdade, queria mesmo é ver toda essa gente presa.
Com os bens (e os males) confiscados.

Ou talvez que todos fossem fuzilados – evidentemente que balas de enxofre com alho são mais eficientes para esses personagens.

Ah, sabe qual é a maior novidade, agora?
Muitos e muitos brasileiros terão de escolher outro corrupto de sua preferência,
para pedir os favores a que estão acostumados.

 

 

a bica de café vai subir para um euro

Segundo matéria publicada no Jornal de Notícias de Lisboa, o preço da bica de café, actualmente em 65 cêntimos de euro, poderá ter uma subida de 50%, nos próximos seis meses, em decorrência da seca no Brasil, maior productor e exportador do grão.

Com isso, estima-se que a bica de café passará a custar 90 cêntimos!!

E os nossos irmãos lusos estão pasmos, pá!

90 cêntimos de euro são R$ 2,90, ó gajo! muito menos do que cobram aqui na capital fedemal do grande productor, estás a perceber?

Não encontro lugar que cobre menos de R$ 3,00, mas em geral R$ 4,00 por xícara de um café xexelento que dizem ser grãos moídos na hora.
Café 4 FFFF – fraco, frio e com formiga no fundo!

Há uma semana, sentei-me em um lugar no Terraço Shopping e pedi, ingênuamente, um café com leite duplo e um pedaço de bolo.
Sabem quanto deu a continha? R$ 24,00!! Estás a perceber? € 7,46!!!

Aqui perto do apartamento, há uma casa que vende bolos caseiros por R$ 10,00 a unidade (R$ 12,00 os mais elaborados). Unidade eu quero dizer a peça inteira que saiu da fôrma (assadeira). Pois na quadra ao lado uma outra casa vende tortas caseiras por R$ 10,00 a fatia!!! (R$ 11,00 algumas delas). Isso parece ser a regra em todos os ramos de negócio, em todas as cidades.

Este país é mesmo uma roubalheira!

Deve ser o custo do transporte, claro, o tal custo-Brasil da infra-estrutura difícil, das estradas com pedágios altos, das ferrovias sucateadas, das hidrovias impedidas de funcionar por conta de ONGeiros, os impostos, os aluguéis, a complicada legislação trabalhistas, os juros elevados, etc.. Só isso, claro.

O custo-Brasil não pode levar em conta da GANÂNCIA do lucro-Brasil.

Que caia logo um asteróide sobre esta parte da Terra que se chama América do Sul, para salvar o resto da Via Láctea.

ninguéns

Na semana passada, a TV5 Monde exibiu um filme de 1992, dirigido por Cédric Klapisch, chamado Riens du Tout, que seria mais ou menos como um bando de zé-ninguém.

Mostra um grande loja de departamentos (algo que no Brasil quase já esquecemos do que se trata), que é negociada para venda, alegando baixos rendimentos. Os proprietários contratam um executivo para, no período de um ano, melhorar os resultados financeiros da loja.

O executivo é exatamente aquele tipo insuportàvelmente chato e babaca que acredita que funcionários precisam ser motivados, para “oferecer mais à empresa”. Por isso decidi empregar as técnicas de recursos humanos (o famigerado psicologuês de RH) para trabalho em grupo, expressão corporal (aprender como sorrir para o cliente), experiências de bungee jumping, formação de coral, organização de maratona, música alta que endoidece as pessoas, e outras coisas que “líderes empresariais modernos” acreditam que sirvam para “unir os colaboradores no seio da empresa”, essa grande casa que confraterniza tantos infelizes.riendutout

Lógico que muitos dos conflitos pessoais que havia anteriormente apenas ficam mais agudos. Brigas entre “colaboradores” durante o horário de trabalho deixam de ser fatos isolados.

No final, com tanta publicidade o grande executivo consegue melhorar o desempenho das vendas, e é comunicado pelos proprietários que isso será muito bom: todos receberão suas indenizações no prazo, e os donos embolsarão mais uma grana que não estava planejada com a venda prèviamente acertada do imóvel.

Para mim o filme é um bom retrato desse “empreendedorismo” cheio de “lideranças”, de “motivações” e de tantas outras palavras vazias, que se tornaram comuns de uns 20 anos para cá.

Berlusconi

Muito interessante como a enpreimça da Tupiniquinlândia deu pouquíssimo destaque à cassação do ex-primeiro-ministro, mega-empresário das comunicações e agora senador italiano cassado Silvio Berlusconi.

Talvez porque por trás de todo o falso moralismo da “enpreimça golpista” ou da “enpreimça chapa-branca”, no fundo existe uma preocupação muito maior em não falar muiton de fraudes financeiras envolvendo esse tipo de empresas. Sabem como é, pode levantar suspeitas infundadas aquém-mar.

Parece que a Itália, berço e sede da máfia,  está muito mais avançada em termos de honradez política do que um grande país sul-americano.

Recado aos prefeitos

Será que Vossas Excremências conseguem perceber que há um clamor da população em favor de transporte COLETIVO decente?

Eu disse e repito: COLETIVO.

Não o dinheiro usado para “decorar” cidades com cicloviadagens coloridas, usadas nos fins de semana para que burguesinhos deixem por instantes seus carrões para, com roupita justa, abrir as pernas sobre um ferro duro e saírem sacolejando felizes pelas ruas.

Enquanto uma gigantesca parcela da população se espreme em ônibus e em trens para ir e voltar ao/do trabalho ou escola, alguns privilegiados brincam nos finais de semana. O mais individualista dos meios de transporte, aquele que não admite caronas, é privilegiado pela demagogia em favor de ONGeiros.

Além disso, os que se divertem em suas “báiquis” ou velotrols são “ativistas” que gostam de exigir direitos.

Esquecem, contudo, que há leis para se respeitar.

Leis do trânsito, que implicam mão e contra-mão nas ruas, respeito aos semáforos e às conversões, que definem que a faixa de pedestres é para pedestres, e não para ciclistas montados disputarem o mesmo espaço.

Leis da física também, que dizem que, por exemplo, se um carro tentar disputar o mesmo espaço que um trem, sairá perdendo, porque a massa do trem necessàriamente provocará uma inércia maior, impedindo a frenagem do “cavalo de aço”, em prejuízo, é claro, do automóvel. A mesma lei da física deveria ser compreendida pelos bicicleteiros, quando querem disputar espaço com ônibus, durante o “ativismo”. E de outra lei da física, que diz que roupas escuras, e ferros sem iluminação, difìcilmente podem ser avistados à noite.

Certamente o dinheiro usado para decorar faixas de lazer poderia ser melhor aplicado.

Quantas e quantas ruas não têm calçadas em seu município? Certamente são muitas. Para dizer o mínimo, porque poderíamos também falar de muitas outras carências.

Investir em transporte coletivo, sei, fere os interesses das empresas de ônibus, fiéis financiadores de campanhas eleitorais. Ao mesmo tempo, uns gastos com ciclovias podem sempre servir de agrado às empreiteiras, que nunca se preocupam em fazer um serviço decente na pavimentação das ruas.

Pois é, quanto gastam agora – do dinheiro público – para recuperar os prejuízos causados pelo vandalismo durante os protestos?

Se tivessem tido juízo antes, isso poderia ser evitado.

Nuvem de tags