Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘escolas’

grandes caloteiros

Nenhuma surpresa ao ver a lista divulgada com a relaçåo dos maiores caloteiros do FGTS, publicada no jornal Gazeta do Povo.

Dela constam as empresas aéreas que quebraram (e outras ainda por quebrar), as demonîacas casas de misericórdia, os clubes de futebol, faculdades particulares, e aquele câncer que corrói as entranhas do país, os chamados municípios.

Esporte, o ópio do povo. Basta ver essas dívidas e a canalhice da construçåo de estádios para a copa do imundo.
Prefeituras, a escola de gângsters que apodrece as demais instituiçøes federativas.
Santas casas de administradores preocupados com o enriquecimento, e a saúde financeira de suas famílias, gerindo as entidades pilantrópicas.
Izkolas que vendem canudos no país dos dotôs.

Realmente, quem me conhece, sabe há quantos anos venho falando dessas máfias…

Interessante é ver que a caixa econômica fedemal patrocina essas entidades såo os grandes caloteiros.

 

modismos pedagogeiros

Muito interessante essa entrevista com o ex-ministro da Educação de Portugal.

http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/04/1875676-e-preciso-abandonar-modismos-educativos-diz-ex-ministro-portugues.shtml

Portugal sobe em níveis mundiais. O Brasil continua ladeira abaixo.

Nada contra decorar (na velhice isso fará falta!).

Tudo contra pedagogices, e contra a educação sem conteúdo.

Matemática (ou até mesmo aritmética) viraram objetos da “física quântica” idolatrada por místicos, que precisam de calculadora para somar 20 e 7.
Língua virou a regra de que pode falar herado que está serto, no chip implantando na cabeça dos estudantes, desde a pré-escola até se tornarem pós-universiotários.
História e geografia são apenas formas de doutrinar sobre a tal luta de classes e para ensinar que deve ser estabelecida a opressão das maiorias pelas minorias.

Ah, mas ainda temos os pécikólogos, que acham que creamssa não pode ser submetida a esforços…  é melhor dar logo um remédio contra alguma síndrome, para ela parar de fazer perguntas e se tornar dócil.

Enfim, o Brasil insiste em caminhar para o fundo do poço. Quem sabe por acreditar que “no fundo poço chegará ao Japão ou à China”…

 

 

Professores de escolas particulares

Recebi este texto por e-mail, e faz referência a um post de caradelivro de 2014, ainda disponível.

“Olha que interessante, fui conhecer uma escola aqui de Campo Grande – MS, para matricular minha filha. Enquanto a diretora mostrava empolgadíssima sua estrutura (carteiras bonitas, biblioteca infantil, área disso… área daquilo…) viro pra mulher e pergunto: “Quanto é a hora/aula do professor que vai dar aula pra minha filha aqui na sua escola?”

A diretora empacou. Perguntou se eu estava querendo matricular ou procurando emprego. Eu prossegui: “Quero matricular, mas quero saber quanto sua escola investe em quem vai ensinar minha filha”. Empacamento 2. Ela parou, ficou me olhando e disse: “Pagamos o que está determinado no sindicato, ou seja, R$ 8,19 por hora/aula”.

Eu sorri e já disse a conta pronta: “Como são 4 horas por dia e 5 dias por semana, temos 20 aulas x 4 semanas = 80 aulas. Vezes 8,19… Uns 650,00 reais por mês? É isso que a pessoa que ensinará minha filha ganha? Se trabalhar dois períodos 1300,00?” Que professores a Sra. tem aqui? Quem aceita trabalhar por isso?”

A mulher me fuzilou com os olhos… Dane-se… Transporte esse salário para o comércio e chegará em ocupações que não exigem preparação. Se você pensar pelo lado do livre mercado (trabalho no melhor salário para minha capacidade) , chegamos facilmente à conclusão de que eu devo me preocupar com a “fessora” da minha filha.
Aí falei pra espumante Diretora: “A Sra. paga pouco, e com isso não se contrata boa mão de obra e é essa mão de obra que me interessa, não sua biblioteca, sua área disso… área daquilo… Devemos matricular nossos filhos na escola que pagar a melhor hora/aula, porque a TENDÊNCIA é que lá estejam os melhores professores”.

Tem tanta coisa que eu penso diferente. Quer defender a educação? Comece agora. Estamos na melhor época. Garanto que nunca havia visto a escola por esse lado, mas fica aí concordando que professor ganha pouco.”

Vinicius Siqueira tem 38 anos, é pai de uma menina de 4 anos e trabalha como oficial da justiça.
-=-=-=-
Pai faz “sucesso” ao falar sobre salário baixo de professor da rede privada
Aline dos Santos e Ricardo Campos Jr.

Causou espanto e quase 25 mil compartilhamentos, mas o desabafo  (veja também em https://goo.gl/bAVugK) feito em uma rede social pelo oficial de Justiça Vinícius Siqueira, 38 anos, preocupado com a raquítica remuneração dos professores que dariam aula para sua filha é realidade para grande parcela dos mestres na rede particular de ensino. O valor da hora/aula foi determinante na escolha do estabelecimento de ensino.

Guiado pelos diretores, o pai era convidado e acompanhado em um tour pelas estruturas de laboratórios, salas multimídia, espaços recreativos, etc. Mas, nada disso impressionava Vinícius que, ao fim, questionava: “Qual o valor do salário pago aos professores?”.

“Muitos ficavam bravos comigo, diziam que não era um assunto da alçada dos pais. Teve algumas escolas que recusaram. Acho que nunca tinham perguntado isso antes. Em uma das escolas acharam que eu estava pedindo emprego. As reações foram as piores possíveis”, contou Siqueira.

O valor girava sempre em torno de R$ 8 a hora/aula. Na escola em que, depois de muita procura, o oficial acabou efetivando a matrícula, são pagos R$ 15 a hora/aula. “Eu ainda acho pouco, mas não achei uma que pagasse mais”, afirmou.

“Eu acho que a partir do momento que a escola perceber que está tendo recusa de matrícula por causa do valor da hora aula dela, as coisas melhoram”, comenta.

Sobre a quantidade de compartilhamentos que a postagem teve, “todo mundo ficou assustado”, diz. “Essa repercussão, eu achei foi pouca em Campo Grande. As pessoas que compartilharam são do Brasil inteiro. Muita gente de fora. Eu queria que essa ideia se disseminasse, que os pais tivessem isso em mente. A gente fica reclamando e falando que professor ganha pouco, mas quando indiretamente você vai contratar um professor, não se preocupa com isso”.

Basta uma atitude para começar a mudar o mundo e Vinícius deixa um recado: “que os pais se preocupem não só com seus filhos, mas com os professores que vão ensiná-los”.

Indignante – “Tem professor que ganha menos de um salário mínimo por causa da hora-aula. Acontece que hoje, os profissionais trabalham de manhã, tarde e noite. Não têm tempo para preparar aula, não têm tempo para a família”, afirma o presidente do Sintrae (Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino do Setor Privado), Eduardo Botelho. O sindicato tem 2.300 filiados, mas representa oito mil profissionais distribuídos em 34 municípios.

Segundo ele, o valor de R$ 8,19 é para o ensino infantil e ensino fundamental 1 (que vai do primeiro ao sexto ano). Apesar de, especialmente no segmento infantil, a mensalidade ser alta, Eduardo Botelho afirma que a maioria paga esse piso. “Poucas pagam acima, só as maiores escolas”, salienta. Nessas modalidades de ensino, a melhor remuneração chega a R$ 15 por hora-aula.

Com data-base no mês de março, a categoria quer reajuste de 20% no valor de R$ 8,19. Segundo Botelho, a rede pública vem melhorando, com definição de piso salarial e aplicação de um terço de hora-atividade, benefícios que não chegam à rede particular.

“A rede privada não tem nada, tentamos duas vezes no Tribunal Superior do Trabalho ter um terço de hora-atividade. As escolas alegam que estão quebrando, que não tem condições de aumentar. Aí nos vamos só para baixo”, diz o presidente do Sintrae. O sindicato fará assembleia no dia 31 de janeiro para discutir o reajuste salarial.

Presidente do Sinepe (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso do Sul), Maria da Glória Paim Barcellos, afirma que vai se manifestar sobre o pedido de reajuste quando receber a pauta. Quanto às críticas postadas na rede social, ela disse somente que o valor é de conhecimento público e que é muito relativo pai falar de hora-aula.

Gostaram dos textos?

Detalhe: professores de escolas particulares não fazem greves semestrais, para “repor” as férias, como nas escolas públicas.
Se o fizerem, recebem um pontapé no traseiro.

E dá-lhes “deretchus” garantidos pela CF 88…

Depois reclamam que professor no Brasil não é valorizado como no Japão ou na Finlândia.

Cristo e os mestres

Recebi pelo whatsapp esta mensagem, que há algum tempo tinha lido em e-mail:

Nem Cristo aguentaria ser professor!

Nem o Senhor Jesus aguentaria ser um professor nos dias de hoje….
O Sermão da montanha (*versão para educadores*)

Naquele tempo, Jesus subiu a um monte seguido pela multidão e,
sentado sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem.

Ele os preparava para serem os educadores capazes de transmitir a lição da Boa Nova a todos os homens.

Tomando a palavra, disse-lhes:
– Em verdade, em verdade vos digo:

– Felizes os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.
– Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.
– Felizes os misericordiosos, porque eles…

Pedro o interrompeu:
– Mestre, vamos ter que saber isso de cor?

André perguntou:
– É pra copiar?

Filipe lamentou-se:
– Esqueci meu papiro!

Bartolomeu quis saber:
– Vai cair na prova?

João levantou a mão:
– Posso ir ao banheiro?

Judas Iscariotes resmungou:
– O que é que a gente vai ganhar com isso?

Judas Tadeu defendeu-se:
– Foi o outro Judas que perguntou!

Tomé questionou:
– Tem uma fórmula pra provar que isso tá certo?

Tiago Maior indagou:
– Vai valer nota?

Tiago Menor reclamou:
– Não ouvi nada, com esse grandão na minha frente.

Simão Zelote gritou, nervoso:
– Mas porque é que não dá logo a resposta e pronto!?

Mateus queixou-se:
– Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!

Um dos fariseus, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada a ninguém, tomou a palavra e dirigiu-se a Jesus, dizendo:
– Isso que o senhor está fazendo é uma aula?
– Onde está o seu plano de curso e a avaliação diagnóstica?
– Quais são os objetivos gerais e específicos?
– Quais são as suas estratégias para recuperação dos conhecimentos prévios?

Caifás emendou:
– Fez uma programação que inclua os temas transversais e atividades integradoras com outras disciplinas?
– E os espaços para incluir os parâmetros curriculares gerais?
– Elaborou os conteúdos conceituais, processuais e atitudinais?

Pilatos, sentado lá no fundão, disse a Jesus:
– Quero ver as avaliações da primeira, segunda e terceira etapas e reservo-me o direito de, ao final, aumentar as notas dos seus discípulos para que se cumpram as promessas do Imperador de um ensino de qualidade.
– Nem pensar em números e estatísticas que coloquem em dúvida a eficácia do nosso projeto.
– E vê lá se não vai reprovar alguém!

E, foi nesse momento que Jesus disse: “Senhor, por que me abandonastes….”

 

diferenças entre Brasil e Coréia do Sul

Recebi pelo whatsapp este vídeo (disponível no youtube), João e Kim, de autoria do economista e consultor Ricardo Amorim, sobre diferenças entre Brasil e Coréia do Sul.

 

Só que são necessários alguns comentários adicionais, para tanto simplismo:

Quantas semanas paradas ficam os professores coreanos?

Quantas pessoas se formam como bacharéis em deretchu, na Coréia, só para poder virar concurseiros e depois se encostar em um emprego do serviço público?

Quantos coreanos cursam faculdade educação física, para depois serem chamados de fessores nas academias de malhação?

Mais uma coisa: quanto vale um sindicalista na Coréia?

Quanto dinheiro a Coréia e os Estados Unidos gastam com Forças armadas? Quanto o Brasil pode gastar? Despesa que necessàriamente implica gastos com engenharia (e adicionalmente químicos, físicos, biólogos, matemáticos) e não com tribunais, bancas de devogadus, etc..

A diferença não é a escola: é a mentalidade de cabide de empregos.

Lembrei de um detalhezinho: na Coréia (como tampouco no Japão ou na China) vagabundo não pode bloquear as ruas com pneus queimados para defender bandidos.

Ou seja, diferenças entre Brasil e Coréia do Sul são um tema um pouco mais complexo do que o mostrado pelo consultor.

enfim, então…

Quando eu tive aulas de alemão no Goethe, os professores pediam para os próprios alunos indicaram aos colegas as muletas de linguagem, do tipo, ahnnn, enfim, então, hummm, que faziam quando /enquanto formulavam as frases.

Comentei isso com umas pessoas e houve quem ficasse escandalizado, “com tanta repressão” e vigilância. Que coisa nazista! Viva a hipocrisia da liberdade educacional. Falar herado é sertu.

Gostaria muito que essa regra fosse válida em todas as profissões brasileiras.

Estou um tanto quanto exausto, farto, de tanto ouvir as pessoas iniciarem as frases com … então… então…  e aquelas outras que começam com … enfim.
Curioso que reparo que essa praga do uso de muletas é ainda mais divulgado entre os “inteligentes” que percorreram diversos degraus de cursos superiores.
Aprenderam a decoreba, mas não aprenderam a se exprimir.
Então, enfim,  segure a língua se não sabe o que vai dizer.
Os ouvidos alheios agradecem.

 

até u istadaum

até u istadaum

Urnas eletrônicas

TSE pede investigação sobre falha em 40 mil votos de eleições de 2014

GUSTAVO AGUIAR

09 Junho 2016 | 20h 56 – Atualizado: 09 Junho 2016 | 22h 37

Tribunal determinou a troca de mesários nas sessões eleitorais em que os erros foram identificados

Leia Mais:http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,tse-pede-a-pf-e-procuradoria-investigacao-sobre-falha-em-40-mil-votos-de-2014,10000056311

Na hora em que vi a aberração, até me deu dúvida – seção ou sessão?
A própria justiça mostrou o óbvio, que os dicionários mostram:
seção é aquela casinha onde a gente vai para apertar o botão, descarregar a consciência, e soltar us pumlíticos;
sessão é quando aquela turma de capa preta se reúne para deliberar blablablás…
Eu voto na Seção 0095.

MENAZISKOLA, plis

Ou então, que nelas haja
Mais Português e menos Ociologês.

Nota zero para esse gehornallyzta.
I tambéim pra feçôra q naum ençinô dereitu.

Nuvem de tags