Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘Estadão’

o prêmio ignóbil

HAHAHAHAHAHAHA

Descobriram que o prêmio ignóbil, aquele que é entregue com pompa e dinheiro para a esquerda festiva pacifista e literária, é uma fraude!
http://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,escandalo-sexual-ameaca-premio-nobel-de-literatura,70002267181

A notícia é fraquinha (lógico, não se pode esperar outra coisa do Neva Inhoque Times e seus entelequetuaes de Manhatã), mas os comentários dos leitores brasileiros valem a pena a leitura e a reflexão.

Prêmio ignóbil e concurso de miss deveriam ser extintos, junto com a maior parte dos programas de televisão.
Apenas emburrecem.

Anúncios

jornalismo cara de pau

É encontrável nos sites brazucas uma matéria da bebe-se a respeito da manipulação da massa ignara pelas feiquiníus.

https://g1.globo.com/politica/noticia/como-comportamento-de-manada-permite-manipulacao-da-opiniao-publica-por-fakes.ghtml

A falha di çumpallo teve a cara dura de dizer que a matéria (comprada da bebe-se) era exclusiva!

É mais do que sabido, por todas as peçonhas, que o gehornallyzmo é uma sucessão de ctrlC ctrlV feitos de acordo com o pensamento do editor. (E de seus anunciantes!)

Notícias internacionais rarìssimamente são originais.
Novecentos e noventa e nove por cento são matérias compradas de “parceiros”.
A mesma notícia do istadim é reproduzida no istadim de minas, que por sua vez é dono do correio brazilhemçi, e publicada na falha.
As matérias da falha não mudam nada com relação ao bobo.
E por aí afora.

Valem menos do que aquelas pesquisas eleitoreiras de que fulano tem maioria de votos, e contudo o  fulano não ganhou a eleição…

Podem ver que na tupinambalândia apenas se reproduz o que aparece nos sites “pogreçistas” do tipo Le iMonde, Bebe-Se, Dóitxe Vela, El País, CNN, o Guardião, …  E não poucas vezes as matérias foram escritas por estagiários residente em çumpallo ou no hell de dezembro.
Não sei o que há por trás dessa prática.
Talvez seja mais barato do que manter uma equipe séria de jornalistas, e não de estagiários copiou-colou-passou.

Pode ver que nunca utilizam outras fontes de informação, para que o leitor possa ter a oportunidade de fazer uma comparação e chegar à própria conclusão.
Não, os donos desses órgãos de de-formação consideram-se os únicos capazes de doutrinar a cabeça dos impensantes leitores.
Quando fazem uma entrevista com alguém com outro ponto de vista, é um velho conhecido de jantares e tragos.
Os outros não merecem credibilidade, na visão desses empresários da comunicação.

Você já tentou ler outros meios de comunicação estrangeiros, que não os citados acima?
Nem todos são defensores da alemoa, das fronteiras escancaradas, da ideologia de degênero, etc e tal.
Existem outras tonalidades além do vermelho e do azul, ou do preto e do branco.

E só mais uma coisinha:
correspondente internacional que só fica em paris ou em nevainhóque, tomando uìsquezinho com coléguas, está tão alienado quanto quem não lê nada.
Essas metróp0les não decidem sòzinhas as eleições e os rumos dos países.

Municípios demais

O Estadão publicou um editorial chamado Municípios demais.

Já abordei dúzias e dúzias de vezes aqui no blog sobre a máfia municipalista que espalha a metástase do câncer da corrupção pelo país.

O editorial chega à conclusão óbvia de que boa parte dos municípios existe apenas para satisfazer os eguinhos de políticos caciques locais.
Nada propõe em troca, contudo.

A CF 88 continua a ser endeusada pelos deformadores de opinião, sem jamais levar em contra que foi escrita por um congresso que de forma espúria foi transformado em constituinte, para solidificar os interesses dos partidos políticos, dos sindicatos, de ongs e dos órgãos ligados à oab. Tudo em nome da “cidadania”.

Aliás, a farra dos municípios começou com a constituição de 1891, que tentou traduzir a constituição dos Estados Unidos e ser melhor do que essa.
Anteriormente, para ter status de cidade, a sede de município tinha de preencher certos requisitos. Isso existe em quase todos os países e em quase todas as línguas – city e town não são a mesma coisa; ville e village; stadt e dorf; ciudad e pueblo. No Brasil, qualquer corrutela no interior do inferno é uma “cidade”, e nessa “qualidade” recebe verbas, como se fosse igual às demais, além de arcar com os custos burocráticos obrigatórios decorrentes da “emancipação” (quase nunca financeira).

Que tal os deformadores de opinião começarem a pensar na necessidade de se extinguir, digamos, uns 55% dos municípios que sugam as verbas do país?
Seria um grande passo para que o país se livre de tanto desperdício e de tanta corrupção…

 

lobbies na cf 88

http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,o-emaranhado-de-lobbies-e-interesses-da-carta-de-1988,70001900696

é pouco.

Foi muito pior.

E sofremos até hoje as conseqüências desse golpe da chamada constituição cidadã, da qual os cidadãos nunca participaram nem foram convidados a opinar.

Carta prolixa (pro lixo), de conveniências de sindicatos, políticos, oab, e ongs.

 

a enpreimça

Sempre reclamei aqui da chamada enpreimça brasileira.

Só que ela tem piorado.

Os principais jornais e revistas eståo em um nível nunca antes imaginado.
A maioria das manchetes contêm apenas fofoquinhas de pseudo-famosos da televisåo e seus namoros.

A parte política é um amontoado de clichês de estudantes em assembléia.

A falta de revisåo e as incoerências encontráveis em cada artigo superam boa parte dos leitores.
Traduçøes muitas vezes nåo fazem sentido.

A cada dia encontro menos prazer em algo que até alguns anos (uns 30, a bem dizer) ainda tinha significado.

Stanislaw Ponte Preta havia escrito, em 1966, o Febeapá – Festival de Besteiras que Assola o País. Se estivesse vivo agora, sem dúvida ele choraria ao constatar que tudo o que é ruim sempre pode piorar.
Hoje em dia, a enpreimça brasileira é o caminho mais rápido para o emburrecimento.

 

 

direita esquerdista

O editorial do estadinho é um assombro:

http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-volta-do-populismo,10000087697

 

Populismo é dizer que os pobres e os vagabundos do bolsa-isso bolsa-aquilo (inclusive bolsa-anaro) terão os mesmos direitos do que quem trabalha e produz, algo muito diferente do que seria assistência social para elevar o padrão das pessoas.

Populismo é manter sindicatos, é o sistema que o brasil (letras minúsculas) conhece e reproduz desde a ditadura getulista e a bostituição polaca de 1937, sem falar das câmaras municipais caras e inúteis, que corroem mais de 5700 municípios, fruto da demagogia de 1988, tão enaltecida por esse jornal que quase ninguém mais lê.

Isso a enpreimça não consegue mais enxergar, tal sua miopia estrábica.

 

até u istadaum

até u istadaum

Urnas eletrônicas

TSE pede investigação sobre falha em 40 mil votos de eleições de 2014

GUSTAVO AGUIAR

09 Junho 2016 | 20h 56 – Atualizado: 09 Junho 2016 | 22h 37

Tribunal determinou a troca de mesários nas sessões eleitorais em que os erros foram identificados

Leia Mais:http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,tse-pede-a-pf-e-procuradoria-investigacao-sobre-falha-em-40-mil-votos-de-2014,10000056311

Na hora em que vi a aberração, até me deu dúvida – seção ou sessão?
A própria justiça mostrou o óbvio, que os dicionários mostram:
seção é aquela casinha onde a gente vai para apertar o botão, descarregar a consciência, e soltar us pumlíticos;
sessão é quando aquela turma de capa preta se reúne para deliberar blablablás…
Eu voto na Seção 0095.

MENAZISKOLA, plis

Ou então, que nelas haja
Mais Português e menos Ociologês.

Nota zero para esse gehornallyzta.
I tambéim pra feçôra q naum ençinô dereitu.

Nuvem de tags