Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘Facebook’

a palavra dinamarca

Há uns dias, circulou pelas famosas redes de emburrecimento social um vídeo da TV 2 da dinamarca, que conclama todos a serem amiguinhos e irmãozionhos, e tolerantes com os imigrantezinhos que explodem o mundinho imundinho.
Não repassei porque vomitei em cima do celular e precisei deixá-lo em repouso.
Melhor reler o que coloquei uma vez em meu blog:

https://boppe.wordpress.com/2013/10/24/velhice-na-dinamarca/⁠⁠⁠⁠

e também se informar sobre as maravilhas daquele país tão certinho, pois o
museu nacional da dinamarca decidiu que a palavra “preto” é proibida nas obras que lá estão expostas.

Como o cinismo e a hipocrisia não fazem parte de minha índole,
e seguindo os mais estritos parâmetros da reciprocidade,
a palavra marca dos daneses está proibida aqui em casa.

Quem já morou lá, sempre fala mal daquele país de gente mais falsa do que cédula de US$ 3,64, emitida pelo Federal Bank of Nigeria.
Falsos, chatos e desonestos com os inquilinos.

Turistas: por favor atenham-se à sua mediocridade de quem ficou em hotel ou usou air bnb e nunca enfrentou a realidade do quotidiano.

Dinamarca, atenha-se aos butter cookies e ao Lego.

Para quem se arreganhou com sorrisos para os nazistas durante a II Guerra, o cinismo de vocês ultrapassou minha tolerância.

Penso que lugares onde chove 489 dias por ano, e onde as pessoas precisam aproveitar ao máximo os 5 minutos de sol que ocorre a cada década, devem mesmo ser muito chata a vida, por isso se preocupam em defecar regras para todos.
Cuidem de seus preconceitos, loiros aguados!

Anúncios

Uma imagem mente mais do que mil palavras

Falso viral inunda redes sociais.

2014-02-26t130802z-40446429

Pois é, essa foto não é de Alepo e sequer é de 2016

No entanto, a todo instante as pessoas são inundadas com essas falsas informações (deformações), não apenas nas redes sociais, mas também nos principais meios de comunicação do mundo todo.

São freqüentes as fotos de crianças “famintas”, africanas ou asiáticas, organizadas em fila indiana para pedir comida, enquanto sorriem para o fotógrafo.
Ou filmes que mostram criancinhas tremulando bandeiras de seu país, como se isso fosse uma diversão para momentos de guerra.
Esse fotógrafo / câmera, que certamente está pleiteando algum polpudo prêmio de jornalismo, deveria sim ser processado por aliciamento de menores.

Quanta mentira…

No Brasil, uma das mais freqüentes mentiras é a de juntar uma pequena multidão atrás da imagem de repórter que fala de algum incidente ou acidente ou crime, enquanto a “massa ignara” grita, sob o comando de alguém que não aparece na imagem:  “jostissa, queremos jostissa, …” para a televisão.

Como escrevi em outras vezes, uma imagem mente mais do que mil palavras.

 

Professores de escolas particulares

Recebi este texto por e-mail, e faz referência a um post de caradelivro de 2014, ainda disponível.

“Olha que interessante, fui conhecer uma escola aqui de Campo Grande – MS, para matricular minha filha. Enquanto a diretora mostrava empolgadíssima sua estrutura (carteiras bonitas, biblioteca infantil, área disso… área daquilo…) viro pra mulher e pergunto: “Quanto é a hora/aula do professor que vai dar aula pra minha filha aqui na sua escola?”

A diretora empacou. Perguntou se eu estava querendo matricular ou procurando emprego. Eu prossegui: “Quero matricular, mas quero saber quanto sua escola investe em quem vai ensinar minha filha”. Empacamento 2. Ela parou, ficou me olhando e disse: “Pagamos o que está determinado no sindicato, ou seja, R$ 8,19 por hora/aula”.

Eu sorri e já disse a conta pronta: “Como são 4 horas por dia e 5 dias por semana, temos 20 aulas x 4 semanas = 80 aulas. Vezes 8,19… Uns 650,00 reais por mês? É isso que a pessoa que ensinará minha filha ganha? Se trabalhar dois períodos 1300,00?” Que professores a Sra. tem aqui? Quem aceita trabalhar por isso?”

A mulher me fuzilou com os olhos… Dane-se… Transporte esse salário para o comércio e chegará em ocupações que não exigem preparação. Se você pensar pelo lado do livre mercado (trabalho no melhor salário para minha capacidade) , chegamos facilmente à conclusão de que eu devo me preocupar com a “fessora” da minha filha.
Aí falei pra espumante Diretora: “A Sra. paga pouco, e com isso não se contrata boa mão de obra e é essa mão de obra que me interessa, não sua biblioteca, sua área disso… área daquilo… Devemos matricular nossos filhos na escola que pagar a melhor hora/aula, porque a TENDÊNCIA é que lá estejam os melhores professores”.

Tem tanta coisa que eu penso diferente. Quer defender a educação? Comece agora. Estamos na melhor época. Garanto que nunca havia visto a escola por esse lado, mas fica aí concordando que professor ganha pouco.”

Vinicius Siqueira tem 38 anos, é pai de uma menina de 4 anos e trabalha como oficial da justiça.
-=-=-=-
Pai faz “sucesso” ao falar sobre salário baixo de professor da rede privada
Aline dos Santos e Ricardo Campos Jr.

Causou espanto e quase 25 mil compartilhamentos, mas o desabafo  (veja também em https://goo.gl/bAVugK) feito em uma rede social pelo oficial de Justiça Vinícius Siqueira, 38 anos, preocupado com a raquítica remuneração dos professores que dariam aula para sua filha é realidade para grande parcela dos mestres na rede particular de ensino. O valor da hora/aula foi determinante na escolha do estabelecimento de ensino.

Guiado pelos diretores, o pai era convidado e acompanhado em um tour pelas estruturas de laboratórios, salas multimídia, espaços recreativos, etc. Mas, nada disso impressionava Vinícius que, ao fim, questionava: “Qual o valor do salário pago aos professores?”.

“Muitos ficavam bravos comigo, diziam que não era um assunto da alçada dos pais. Teve algumas escolas que recusaram. Acho que nunca tinham perguntado isso antes. Em uma das escolas acharam que eu estava pedindo emprego. As reações foram as piores possíveis”, contou Siqueira.

O valor girava sempre em torno de R$ 8 a hora/aula. Na escola em que, depois de muita procura, o oficial acabou efetivando a matrícula, são pagos R$ 15 a hora/aula. “Eu ainda acho pouco, mas não achei uma que pagasse mais”, afirmou.

“Eu acho que a partir do momento que a escola perceber que está tendo recusa de matrícula por causa do valor da hora aula dela, as coisas melhoram”, comenta.

Sobre a quantidade de compartilhamentos que a postagem teve, “todo mundo ficou assustado”, diz. “Essa repercussão, eu achei foi pouca em Campo Grande. As pessoas que compartilharam são do Brasil inteiro. Muita gente de fora. Eu queria que essa ideia se disseminasse, que os pais tivessem isso em mente. A gente fica reclamando e falando que professor ganha pouco, mas quando indiretamente você vai contratar um professor, não se preocupa com isso”.

Basta uma atitude para começar a mudar o mundo e Vinícius deixa um recado: “que os pais se preocupem não só com seus filhos, mas com os professores que vão ensiná-los”.

Indignante – “Tem professor que ganha menos de um salário mínimo por causa da hora-aula. Acontece que hoje, os profissionais trabalham de manhã, tarde e noite. Não têm tempo para preparar aula, não têm tempo para a família”, afirma o presidente do Sintrae (Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino do Setor Privado), Eduardo Botelho. O sindicato tem 2.300 filiados, mas representa oito mil profissionais distribuídos em 34 municípios.

Segundo ele, o valor de R$ 8,19 é para o ensino infantil e ensino fundamental 1 (que vai do primeiro ao sexto ano). Apesar de, especialmente no segmento infantil, a mensalidade ser alta, Eduardo Botelho afirma que a maioria paga esse piso. “Poucas pagam acima, só as maiores escolas”, salienta. Nessas modalidades de ensino, a melhor remuneração chega a R$ 15 por hora-aula.

Com data-base no mês de março, a categoria quer reajuste de 20% no valor de R$ 8,19. Segundo Botelho, a rede pública vem melhorando, com definição de piso salarial e aplicação de um terço de hora-atividade, benefícios que não chegam à rede particular.

“A rede privada não tem nada, tentamos duas vezes no Tribunal Superior do Trabalho ter um terço de hora-atividade. As escolas alegam que estão quebrando, que não tem condições de aumentar. Aí nos vamos só para baixo”, diz o presidente do Sintrae. O sindicato fará assembleia no dia 31 de janeiro para discutir o reajuste salarial.

Presidente do Sinepe (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso do Sul), Maria da Glória Paim Barcellos, afirma que vai se manifestar sobre o pedido de reajuste quando receber a pauta. Quanto às críticas postadas na rede social, ela disse somente que o valor é de conhecimento público e que é muito relativo pai falar de hora-aula.

Gostaram dos textos?

Detalhe: professores de escolas particulares não fazem greves semestrais, para “repor” as férias, como nas escolas públicas.
Se o fizerem, recebem um pontapé no traseiro.

E dá-lhes “deretchus” garantidos pela CF 88…

Depois reclamam que professor no Brasil não é valorizado como no Japão ou na Finlândia.

as mentiras que jorram na internet

Duas matérias no G1 mostram que mentiras jorram na internet mais do que petróleo no Oriente Médio.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/02/seu-frango-e-grande-brasileiros-travam-guerra-virtual-contra-cafe-em-dublin-apos-piada-com-erro-de-ingles.html

 

http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/02/perfil-falso-na-wikipedia-e-citado-em-decisao-judicial-e-trabalho-academico.html

 

Se eu disser que dá vergonha, vão dizer que eu sou um vira-lata do “filósofo” Nelson Rodrigues.

Porém, é necessário observar que:

  1. a uiquipédia em português tem um comitê (coisa de partido esquerdopata de fundo de quintal) encarregado de manter a “pureza” (ideológica) dos artigos – mesmo que os textos na língua de uéslei safadão sejam diametralmente opostos ao que encontraremos nas versões da wikipedia em inglês, francês ou alemão;

2. a BBC é uma agênciazinha de notícias de trigésima oitava categoria, preocupada em manter empreguinhos para jornalistazinhos de quadringentésimo sexagésimo quinto grau, formados naziskolas da correção política, que pararam de lavar pratos em pubs londrinos e conseguiram outra ocupação, depois de os trabalhistas terem “aparelhado” aquela estrutura (que foi honrada e gloriosa no passado);

3. caradelivro é ponto de encontro de gente desocupada, que acredita que clicar em láiquis ou curtidas é útil;

4. tripaaívaissô, no Brasil, é um site de avaliações que, dominado por um grupo de hanauffábetickas alojadas no conforto do ar condicionado de prédio na Marginal Pinheiros, nos últimos dois anos, passou a selecionar os piores comentários para publicação, bem no estilo fútil das supervisoras, e sequer checa a existência ou não de um estabelecimento (já dei de cara com uma loja de roupa para bebês, no endereço onde as tripeiras diziam existir um restaurante – nunca tinha havido outro tipo de comércio naquele local!) – não tem e não merece credibilidade.

Resumindo:  que saudade de dona Sílvia, dona Celeste e outros que professores que anteriormente mencionei.

A Erde está tomada por gente com microcefalia funcional!
E a Tupinambalândia impulsiona o desastre planetário a passos de Hermes.

Como diz meu amigo Paulo, citando Cyperus Rotundus: não se preocupe, VAI PIORAR!

Facebook

Dilpior e Montedeaçúcar encontraram-se, e se reunirão outra vez, para fortalecer os laços entre o Caradelivro e a vigilância sobre os brasileiros.

Vocês acham que é de graça, à toa, por caridade, que ele vai ampliar a infernet no Brasil?

Fiz bem em fechar minha conta há alguns anos.

 

Zuckerberg – notícia velha

A notícia já é velha, tem bem umas duas semanas, mas merece ser lembrada.

O marquinho monte de açúcar não gostou de brazucas pentelhando sua página no caradelivro.

No dos outros é refresco, como já dizia o profeta.

Emma Goldman

Emma Goldman - anarquista lituana -  1869-1940

Emma Goldman – anarquista lituana – 1869-1940

Nuvem de tags