Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘fronteira’

Turistas, outra vez

Nestas semanas lemos algumas notícias esperadas.

  • Turista morre ao se colocar em local proibido próximo a aeroporto, para tirar selfie de avião pousando (ou decolando, tanto faz), em ilha holandesa das Antilhas.
  • Turista derruba obra de arte em efeito dominó, fazendo uma maldita selfie.
  • Turista (passageiro) tem de ser impedido com garrafada na cabeça, porque tentava abrir a porta do avião em pleno vôo!
  • Turistas européias (com acento – faço questão) são esfaqueadas no Mar Vermelho, porque ignoraram o aviso de que o Egito não é mais lugar conveniente para se passear.
  • Turista cai de despenhadeiro.
  • Grupo de turistas é assaltado no no Rio de Janeiro.
  • Turista é esfaqueado no Amazonas.
  • Turistas se perdem em passeio na mata fora de trilha.
  • Grupo de turistas é assaltado em Pernambuco.
  • Turista paulista é morto a tiros em Minas Gerais.
  • Bombeiros procuram corpo de turista que se afogou.
  • Turista alemão é espancado no Pelourinho.
  • etc e tal

Pergunto: para ser turista tem imbecil?

Os ativistas guêis dizem que não se pode dizer homossexualismo, pois o sufixo ismo denota doença.

É verdade! Turismo, socialismo, nazismo, islamismo, petismo, gueizismo, …

Da mesma forma que existe a epidemia da doença das redes sociais, que “obriga” as pessoas a tirarem selfies em lugares turísticos, por mais óbvias que sejam as fotos. Como aquela de fingir que está “segurando” a Torre de Pisa.

Continuando:
essa gente horrível, fedida e encrenqueira que se espalha pelo mundo com o nome de turistas.

  • Pois nesta semana, todos os dias, TODOS, algum tupinambá fez besteira em outro país, e saiu reclamando que a cadeia no aeroporto não era igual a um hotel de cinco estrelas.
  • E olhe que o estrangeiro (sim, tupinambás lá fora são estrangeiros) ia ficar hospedado em um catre no abrigo de moradores de rua, que lhe tinha sido indicado por algum site especializado em turismo “radical”.
  • E aquela gente fedida que foi se sujar na neve reclamou que o aeroporto fechou! Imaginem só, aeroporto fechar por conta de mau tempo! Isso é perseguição contra os queridos tupinambás.
  • Também neste mês, fizeram todo aquele bafafá por conta da falta de passaportes.

Marido de Dona Dulce Maria de Castro Figueiredo, ressuscite e veja.
Lembra que no teu tempo, general, para se tirar passaporte e viajar era necessário pagar uma taxa de mil dólares, reembolsáveis ao longo da vida?

Pois é, hoje em dia tinha de haver uma taxa de 500 mil libras esterlinas cada vez que um tupinambá quisesse ir para outro país.

Sem reembolso!

E no caso de turismo interno, acho que cobrar uma taxa de lixo diária de 4 mil dólares seria conveniente.

Afinal de contas, turistas tupinambás deveriam ser primeiro adestrados em canis da polícia e só depois autorizados a sair por aí.
(Xineis i alemaum também… )   

 

 

Anúncios

O muro de Trump

Frase no whatsapp:

Se o México deixar de enviar cocaína para os EUA durante dois meses, os próprios americanos derrubam o muro.

postos de controle de fronteiras

Foto em posto de controle da fronteira Barém – Arábia Saudita (quando se entra no estado islâmico wahabita saudita)

Roupitchas à venda, para mulheres que não estiverem devidamente trajadas. 19330613

http://www.panoramio.com/photo/19330613

2) Fronteira entre a República Democrática Popular da Coréia 조선민주주의인민공화국 –  Chosŏn Minjujuŭi Inmin Konghwaguk,
e a República da Coréia 대한민국 – Daehan Minguk.

Do not come close or take pictures.

19164435

http://www.panoramio.com/photo/19164435

Índios, tráfico, etc.

O Correio Braziliense tem uma preocupante notícia sobre índios, de quase toda a região de fronteira, aliciados para o tráfico internacional de drogas. Além de se tornarem vítimas do consumo delas ( e também do álcool), transformam-se em “mulas”.

A velha história das leis que super-protegem, tal com no caso dos “aborrescentes” e o ECA. Pois se os índios têm (boa) noção do valor do dinheiro, é porque estão aculturados, e deveriam ser considerados imputáveis, em caso de cometerem crimes.

Não deixa de haver uma boa dose de bandidos (e advogados de bandidos) de olho nesses inimputáveis, para que eles façam o serviço de outros, longe do alcance da lei.

Nuvem de tags