Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘Holanda’

países caga-regras

Existem países ricos especializados em tentar impor regras para os outros, fingindo que nunca estiveram envolvidos em nada herado.

Mais uma vez a regra se comprova:

Apesar de criticar desmatamento, Noruega é dona de mineradora denunciada por contaminação na Amazônia

Estado holandês é condenado por massacre de Srebrenica

Isso, apenas nesta semana.
Sobram ainda muitos e muitos fatos mais antigos, como Ruanda, Sudão do Sul (e Sudão do Morte), Somália, Líbia,

Assim caminha o mundo, desde a epopéia de Gilgamesh…

 

Anúncios

abdicações

Juanito informou que vai abdicar em favor de Felipito.

Nos últimos anos, têm sido comuns algumas abdicações em monarquias européias. Liechtenstein, Bélgica, Holanda, e agora Espanha.

Tia Beth desconversou e mandou dizer que isso é um assunto pessoal de Juan e dos espanhóis.

Faz ela muito bem. Quanto mais tempo estiver como rainha, menor será o tempo que o filho que fala com árvores terá para fazer suas reinações.

‘Güenta firme aí, tia!

 

 

 

a polícia militar

Volta e meia a gente lê opiniões de que “polícia militar” é “ranço da ditadura”, que “só existe em país atrasado”, etc. e tal.

Bem, a polícia militar no Brasil é MUITO anterior a 1964, para os ignorantezinhos de plantão tomarem conhecimento.

E existem instituições como os gendarmes e os carabineiros, em outros países, que são instituições policiais militarizadas para missões civis.

Pior é termos polícias civis com direito à “cinicalização”, para obedecerem à pelegada.

um latino-americano

Ontem, vários jornais publicaram com destaque que, com a eleição do embaixador brasileiro Roberto Azevedo para a direção da Organização Mundial do Comércio – OMC, pela primeira vez um latino-americano ocupará o cargo.

Sim, mas seu concorrente era o candidato mexicano, ou seja, de qualquer forma a OMC estaria em mãos de um latino-americano.

Ambos com idéias opostas, é claro, pois Brasil e México representam duas tendências diferentes de se comportar no comércio internacional.

Resumindo: já passou a hora de parar de se falar nessa bobagem de América Latina, conceito inventado pela decadente França há quase dois séculos, para tentar se reafirmar após perder o prestígio na política européia, o que naquela época significa política mundial.

Brasil e México demonstram que há mais diferenças do que identidades entre os países americanos que foram colonizados por franceses, espanhóis e portugueses, do que aceitam as vãs teorias. Por acaso o “holandês” Suriname se comporta como uma potência anglo-saxônica? Ué, o critério lingüístico não é a “base” oca para a fundamentação da latinidade?

Holanda e a religião do aquecimento global

A Holanda já percebeu que está na hora de sair fora da canoa furada dos eco-terroristas do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC).

O ministro do Ambiente percebeu que há muitos outros cientistas no mundo, e estes questionam as conclusões dos eco-terroristas quanto aos efeitos das atividades geradas pelo çerumano sobre o aumento médio de temperaturas.

O ministro Joop Atsma “descobriu” que os eco-terroristas do IPCC produziram “trabalhos descuidados” nos anos mais recentes.

Um bom passo para que se abandonem os dogmas da religião do aquecimento global. O çerumano não pode ter a pretensão de ser o mais importante elo no sistema solar, para controlar os efeitos de radiações solares, de mudanças de eixos magnéticos, etc. etc.

Se os portugueses não tivessem colonizado o Brasil…

Volta e meia ouvimos alguém dizer ou escrever que:

“os problemas do Brasil decorrem de termos sido colonizados por portugueses”.

Na verdade, só os portugueses têm os genes da corrupção, da preguiça e da desordem, por isso herdamos no Brasil este estado de coisas que nos desagrada social e polìticamente.

Vejam só alguns exemplos de outros países, colonizados por outras potências européias (excetuada, naturalmente a gêmea Espanha), que rumos tão distintos tiveram, seguindo ou não a “Ética protestante e o “espírito” do capitalismo”, cantada em verso e prosa pelos seguidores de Max Weber, que seria a fonte de inspiração dos Estados Unidos, ou com base nos nobres princípios socialistas de Marx:

  • Inglaterra –> Jamaica, Guiana, Belize, Serra Leoa, Uganda;
  • Holanda —>  Suriname, Indonésia, Sri Lanka;
  • Bélgica —–> Congo-Kinshasa (ex-Zaire);
  • França —–>  Haiti, Guiné-Conacri, Gabão, Congo-Brazzaville, Laos;
  • Alemanha –> Papua-Nova Guiné, Ruanda, Togo;
  • Rússia ——> Tadjiquistão, Turcomenistão, Moldávia (que algumas pessoas querem chamar de Moldova).
  • Fora a dobradinha Turquia e Itália, que deixou como exemplo de eficiência de colonização a Albânia e a Líbia.

Bem, poderíamos ter sido colonizados pelos régulos africanos, e ter experimentado a escravidão como base do trabalho, nos primeiros séculos.

Ou poderíamos continuar a ser ocupados apenas pelos silvícolas brasileiros, “detentores de renomada arquitetura e de notável metalurgia”.

Se for para culpar os portugueses, que para cá mandaram criminosos em degredo, não custa recordar que a Austrália também era uma colônia penal. Por que então os bandidos de Sua Majestade Britânica seriam mais bem educados do que os de Sua Majestade Fidelíssima?

Na verdade, acho que o problema do desenvolvimento do Brasil não ter atingido graus que satisfazem as necessidades do povo, é que nossas lideranças não descendem dos incas venusianos, que apareciam nos filmes de National Kid. Pois só mesmo em filmes juvenis de ficção científica haveria seres capazes de lidar com os brasileiros.

P.S. Dê uma olhada em George Washington e Carla Camurati.

Enquanto isso, na Holanda…

Enquanto na Suíça temos o – ainda – estranho caso da brasileira de Zurique, vou relatar um caso feliz de uma outra brasileira, em Roterdã, na Holanda, que enviou a mim cópia aberta de e-mail que enviou para a jornalista Leila Ferreira, da revista Marie Claire.

Para facilitar, vou usar palavras da mãe coruja, que, por um desses acasos da vida, era minha vizinha na 308 Norte, há cerca de 20 anos. e com quem até hoje mantenho contato, afinal de contas, sou bicho misantropo, mas sei reconhecer pessoas de bom caráter.

Com a palavra, doravante, dona Nancy:

“A imprensa brasileira ainda não tomou conhecimento de um fato do qual os brasileiros na Holanda muito se orgulham: Andrea Moreira Santos (24), brasileira, é a Prefeita Jovem de Roterdã;
Andrea é brasiliense e veio acompanhar-me à Holanda (há 11 anos atrás) quando da minha remoção do Ministério das Relações Exteriores para o Consulado-Geral em Roterdã. Ela é minha segunda filha no meu grupinho de quatro lindos rebentos;
Como a Holanda é um país socialista, Andrea foi convidada a participar de uma lista de possíveis candidatos para o cargo de Prefeita(o) Jovem de Roterdã. Ela aceitou e, durante a coletiva de imprensa na cerimônia de sua posse, em junho de 2007, a prefeitura enfatizou que no momento que analisaram o currículo da Andrea ficou claramente decidido que não havia melhor candidata;
Ela gerencia um grupo de jovens que ajudou a entrevistar e selecionar, e que atuam como secretários das diversas pastas da prefeitura de Roterdã;
Qualquer publicação da Holanda que liste o nome de mulheres de sucesso, inclui o nome da Andrea. A mídia holandesa já publicou incontáveis entrevistas com ela. Como tem muito carisma, é muito assertiva e inabalavelmente simples, a comunidade de Roterdã adora a Andrea, independente de credos, cores e caras;
Em todas as palestras que ministra, Andrea sempre afirma ser brasileira. Ela é uma digna representante do nosso país … mas o nosso país ainda não tomou conhecimento da existência dela. O Embaixador Sérgio Arruda, o anterior Cônsul-Geral em Roterdã, era extremamente entusiasmado com a atenção que a mídia holandesa concedia à Andrea, principalmente porque o Brasil era sempre citado.
Depois do triste incidente de Zurich que abalou o Brasil, acho que já está passando da hora da gente colher notícias verdadeiramente saudáveis para o nosso país. Daí a minha motivação de mandar tal da modéstia às favas e escrever a alguém da imprensa brasileira.

A Andrea é a única na Holanda? Não! Há tantos casos louváveis e tantos nomes de pessoas que desenvolvem trabalhos magníficos, voluntários ou não, totalmente no anonimato. Mas no caso da nossa querida Andrea, o nosso peito verde-amarelo bate mais força porque na Holanda ela é “unanimidade nacional”.

O que espero alcançar com este email? Gostaria que você divulgasse o teor desta mensagem à redação da Marie Claire. Espero que alguma forma de mídia brasileira tenha o interesse de divulgar a história da Andrea.

Para facilitar checar os fatos que exponho acima, estou mandando cópia de cortesia (CC) para:
– algumas pessoas que estavam presentes à sua palestra em Roterdã,
– o Cônsul-Geral Adjunto em Roterdã, Márcio Dornelles,
–  a Márcia Curvo, emrpesária do http://www.brasileirosnaholanda.com e outros tantos sites que servem às comunidades brasileiras na Holanda e na Europa,
– a Andrea Moreira Santos, que certamente vai entender porque eu não pedi autorização a ela para mandar este email,
– minha filha Natascha e meus filhos Caco e Cadu.

Aproveito para compartilhar minha intenção de também contactar outros meios de comunicação e alguns outros nomes. Acho uma pena que histórias tão positivas dos brasileiros no exterior não cheguem aos ouvidos/olhos dos nosso povo tão lindo.

Desde já, meu agradecimento por ter lido tudo isso 🙂

Cordialmente,

Nancy N. Moreira Niemeyer”

Afirmo uma coisa: a Holanda (ou Países Baixos, como oficialmente se denomina o país), não é dos lugares com que eu mais simpatizo. Não tenho boas lembranças de minha única visita a Amsterdã, de sua chuva, de brigas que presenciei entre gangs de rua (isso há em qualquer lugar, sei bem), nem das velhinhas “bicicletando” em alta velocidade pelas calçadas (pode ser saudável, mas me assustam), nem daquele idioma que parece um cachorro engasgado com um osso na garganta. No entanto, quem irá negar que estão anos-luz à frente de outros países em termos de desenvolvimento social? E, temos aí no relato de uma mãezona-coruja, a visão de que estrangeiros são bem sucedidos, e que a imagem de brasileiros é muito bem aceita, e no caso, também representada pela Andrea.

Em tempo: antes que alguém venha a dizer que a Nancy está há 11 anos “mamando” no bem-bom da Holanda com o dinheiro do Consulado do Brasil, vai o alerta: há vários anos ela se licenciou do Ministério e trabalha na Shell. Quem paga o salário dela são Suas Majestades as Rainhas Britânica e Neerlandesa, além, é claro, dos acionistas da empresa anglo-holandesa.

Mãe e filha são brasileiras bem sucedidas no exterior. Brasileiros anônimos ainda são a maioria, embora uns poucos, que fazem parte do noticiário policial, sejam mais conhecidos.

Nuvem de tags