Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘internet’

Ausência

Tenho me ausentado do blog.

Mudei de cidade (e de unidade federativa).

Demora até as coisas se ajeitarem.

Em breve eu volto a escrever.

Enquanto isso, apenas quero dizer: como é bom ficar fora de certos círculos de histeria coletiva…

Anúncios

Genealogia

Há alguns anos, várias pessoas começaram a fazer árvores genealógicas, na expectativa de que encontrar aquele parente “chave” que lhes dariam a oportunidade de receber outra nacionalidade.
Houve até um caso conhecido da mulher de um político, que disse que ia reivindicar a nacionalidade italiana, pois “queria dar melhor oportunidades aos filhos”.

Não foi meu caso.
Todos meus antepassados que vieram morar no Brasil o fizeram no período entre 1880 e 1910, e certamente não me sinto responsável por qualquer tipo de “dívida histórica” a ser paga a quaisquer outros grupos. Sou apenas mais um mestiço étnico dentre tantas pessoas de “raça pura” que desfilam por aí.

Muita gente cultiva “brasões” e “títulos de nobreza”, forjados e montados por “especialistas”. Falsos como cédulas de US$ 4,00 emitidas pelo Federal Bank of Nigeria.

Por pior que seja o Brasil, não me interesso mìnimamente em ir morar nos países de onde esses antepassados emigraram.
Certa vez, ainda no século XX, comentei com meu pai que tinha vontade de visitar o país de onde tinha vindo a família (dele). Resposta curta e direta:
– Para que? Eles vieram de lá porque era muito pior do que aqui.

E realmente só tem piorado… Lá ainda mais do que aqui.

Com difusão da infernet e seus penduricalhos, montei uma vez uma árvore genealógica, com poucas observações de que dispunha, relatadas bàsicamente por minha avó materna.
Compartilhei com parentes, e eles fizeram acréscimos. Muitos. Até demais. Quando chegaram a mais de 600 nomes, o site que hospedava a árvore disse que passaria a cobrar. Simplesmente salvei o que estava feito e apaguei da infernet.
Por que não cobraram desde o início? Vigaristas!

Contudo isso havia sido tempo suficiente para que fossem encontrados vestígios de outros ramos das famílias, em Berlim, Santiago do Chile, Toronto, na Cidade do Cabo, e – pasmem – até no interior de São Paulo! Para mim isso comprovou que havia muito mais do que “parentesco”, como pretendiam alguns “orgulhosos”, mas apenas coincidência de sobrenomes – mesmo que raros – e não raras vezes indesejável.

Havia dado tempo suficiente, porém, para que algumas relações fossem estabelecidas. Relações de nomes e relações entre os “chegados”.
Tive inclusive a oportunidade de conhecer um desses parentes afastadíssimo do interior de São Paulo (o bisavô dele era primo em segundo grau de meu bisavô), e com seu auxílio consegui obter a certidão de óbito de meu bisavô e da mãe dele.
Destruí a lenda de que o bisa tinha morrido enquanto inspecionava uma obra. Era apenas mais um caso de tuberculose, omitido dos mais novos.

Durante esses dias de carnaval, uma prima encontrou “aquela” velha caixa de fotografias, que ninguém consegue identificar quem sejam os retratados.

Foi então um festival de zapzapices, de e-mailagens, de telefonemas, entre várias pessoas, em diferentes cidades. Conseguimos identificar muitas daquelas pessoas. Outras continuaram a ser borrões na memória do micro-coletivo familiar.

O que achei interessante, porém, é que sem qualquer expectativa de encontrar a chave para um passaporte europeu, conseguimos re-montar muitas histórias, que tinham sido ouvidas por nós, na sala ou na cozinha.

Hoje em dia, em que estamos quase todos nós estamos mais perto do túmulo do que do berço, foi muito gratificante reunir essas memórias, lembranças, recordações.
Deu mais valor a nossas insignes ficantes vidas.

Enquanto isso, não são poucos os brasileiros que sequer sabem os nomes de seus avós e tios. O convívio social se dá apenas com “amizades virtuais”.

 

Powerpoints e filmecos

Há uns anos (dez ou quinze, mais ou menos) houve uma enxurrada de mensagens que usavam e abusavam do famigerado powerpoint.
Tudo era motivo para se fazer e enviar um PPT.
Paisagens, receitas de bolo, e também receitas de auto-ajuda.
Era uma coisa de péssimo gosto.
Tanto que este ano, quando um certo grupo de rapazes “bem intencionados” trouxe a público um powerpoint para exibir as “convicções” dos doutos homens, as críticas nem eram pelo conteúdo, mas sobretudo pela horrível apresentação das idéias.

Hoje em dia a moda são os vìdeozinhos.
Filmecos de cachorrinhos brincando, crianças fazendo caretas, vidiotas russos se exibindo no trânsito, cidadãos revoltados com políticos, pretensos cômicos e falsos cantores.
O pior é que com a facilidade dada pelos telefones amebulares, a invasão desse lixo é maior do que a dos out-of-date powerpoints.
As empresas que produzem os amebulares ficam excitadas com o modismo, pois a maior parte das pessoas nem sabe o quanto da memória aqueles vìdeozinhos usam do amebular, e pouquíssimos sabem limpá-la. O conselho é sempre comprar um novo telefone para carregar mais lixo.
Para piorar, há pessoas que enviam filmecos daqueles pretensos cômicos, quando seria mais fácil assistir os vídeos naquele canal apropriado, o sintuba.

Atualmente, quando recebe pelo whatsapp uma mensagem, e aparece o aviso que o interlocutor enviou um vídeo, deleto imediatamente. Sei que não será nada de útil – apenas mais um lixo para fazer perder tempo.

Sou velho, mau humorado, e quero manter meu direito à rabugice que me cabe no latifúndio cibernético.

Whatsapp eu utilizo para mensagens importantes, do tipo entrar em contacto com um eletricista, ou o martelinho-de-ouro.
O restante da memória do telefone aproveito para aplicativos mais importantes.
Dispenso integralmente filminhos que agradam quem antes se deleitava com powerpoints. Deletar, e não deleitar, é o que faço várias vezes por dia.

Sempre me convenço:
Uma imagem mente mais do que mil palavras.
É só lembrar de Forrest Gump.

ecologia, sustentabilidade, etc..

Isso já circulou pela internet e agora também pelo whatsapp.

Vale a pena ter em mente:

Na fila do supermercado, o caixa diz a uma senhora idosa:
– A senhora deveria trazer suas próprias sacolas para as compras, uma vez que sacos de plástico não são amigáveis com o ambiente.

A senhora pediu desculpas e disse:
– Não havia essa onda verde no meu tempo.
O empregado respondeu:
– Esse é exatamente o nosso problema hoje, minha senhora. Sua geração não se preocupou o suficiente com o nosso meio.

– Você está certo – respondeu a senhora. Nossa geração não se preocupou adequadamente com o meio ambiente. Naquela época, as garrafas de leite, garrafas de refrigerante e cerveja eram devolvidos à loja. A loja mandava de volta para a fábrica, onde eram lavadas e esterilizadas antes de cada reuso, e eles, os fabricantes de bebidas, usavam as garrafas, umas tantas outras vezes.
Realmente, não nos preocupamos com o ambiente no nosso tempo. Subíamos as escadas, porque não havia escadas rolantes nas lojas e nos escritórios. Caminhávamos até o comércio, ao invés de usar o nosso carro, a cada vez que precisamos ir a dois quarteirões de casa.
Não nos preocupávamos com o ambiente. Até as fraldas de bebês eram lavadas, porque não havia fraldas descartáveis. A secagem era feita por nós mesmos, não nestas máquinas secadoras elétricas. A energia solar e eólica é que realmente secavam nossas roupas.
Os filhos menores usavam as roupas que tinham sido de seus irmãos mais velhos, e não roupas sempre novas.
Mas é verdade: não havia preocupação com o ambiente, naqueles dias. Naquela época tínhamos somente uma TV ou rádio em casa, e não uma TV em cada quarto. E a TV tinha uma tela de 14 polegadas, não um telão do tamanho de um estádio; que depois será descartado, como não sei
Na cozinha, tínhamos que bater tudo com as mãos porque não havia batedeiras elétricas, que fazem tudo por nós. Quando enviávamos algo frágil pelo correio, usávamos jornal velho como proteção, e não plástico bolha ou pellets de plástico que duram cinco séculos para começar a degradar.
Naqueles tempos não se usava motor a gasolina para cortar a grama, era utilizado um cortador de grama que exigia músculos. O exercício era extraordinário, e não precisava ir a uma academia e usar esteiras que também funcionam à eletricidade.
Mas você tem razão: não havia naquela época preocupação com o meio ambiente. Bebíamos diretamente da fonte, quando estávamos com sede, em vez de usar copos plásticos e garrafas pet que agora lotam os oceanos.
Recarregávamos nossas canetas com tinta inúmeras vezes ao invés de comprar outra. Amolávamos as navalhas, ao invés de jogar fora aparelhos descartáveis, quando a lâmina perdia o corte.
Na verdade, tivemos uma onda verde naquela época. Naquele tempo, as pessoas tomavam o bonde ou ônibus coletivos e os meninos iam em suas bicicletas ou a pé para a escola, ao invés de usar os pais como serviço de táxi 24 horas.
Havia só uma tomada em cada quarto, e não um quadro de tomadas em cada parede para alimentar uma dúzia de aparelhos. E não precisávamos de GPS para receber sinais de satélites no espaço para encontrar a pizzaria mais próxima.
Então, não é crível que a atual geração fale tanto em “meio ambiente”, mas não queira abrir mão de nada e não pense em viver um pouco como na minha época!

Agora que você leu esse desabafo, envie para os seus amigos que têm mais de 50 anos de idade, e para os jovens que tem tudo nas mãos e só sabem criticar os mais velhos!!!

Mais Juízes

Recebi por internet uma mensagem que compartilho com vocês:

Devido ao longo tempo necessário para o judiciário julgar os casos de corrupção, por uma evidente falta de juízes, as autoridades governamentais poderiam agir como fizeram com os médicos estrangeiros:

Criar o programa ‘Mais Juízes’ e contratar juízes estrangeiros, dispensando-os do exame de Ordem e do exame de admissão à Magistratura.

Seria ótimo que para cá viessem os juízes chineses, japoneses, árabes, e indonésios, que até cobram as balas para fuzilamento de condenados, cortam as mãos de ladrões, etc.

Para os casos mais demorados, como o do mensalão com seus embargos e trocas de juízes, poderiam ser importados juízes cubanos e dar a eles autoridade para aplicar a mesma pena que aplicariam em Cuba, ou seja, fuzilamento para ladrões do Estado.

Esses novos juízes poderiam ser enviados para as regiões mais carentes como Brasília, Maranhão, Alagoas, Rio de Janeiro, para avaliar os gastos da Copa do Mundo, as reformas dos estádios de futebol, mensalões, mensalinhos, dinheiro na cueca, verbas e demais desvios – de dinheiro, merenda e material de construção -, dos quais os políticos nunca sabem de nada.

O que acham da ideia?

Se concorda, por favor, não quebre esta corrente.

Tripadvisor

Tripadvisor, o pior conselheiro que alguém pode ter sobre viagens e passeios no Brasil.

Já escrevi sobre isso em outro blogue várias vezes, mas acho necessário colocar aqui também, para maior divulgação.

Estive na cidade de Goiás, no final de março, por conta das festas religiosas de Semana Santa, que são parte do patrimônio cultural do Brasil.
Fiz também incríveis passeios pela Serra Dourada (que não é o estádio em Goiânia), e por uma trilha que é parte da Estrada Colonial, usada por bandeirantes e escravos no século XVIII.
Gostei muito dessa estada (esta foi a quinta vez em que fui à cidade de Anhangüera, da poetisa Cora Coralina e da artista plástica Goiandira do Couto), e depois quis dar uma olhada nas tripas aí vai sô, para voltar em maio ou junho, e talvez buscar outro lugar para hospedagem, mais próximo à cidade.

O que me chamou a atenção, porém, não foram as alternativas, mas os erros grotescos do site. Típicos de quem só faz turismo no ar condicionado de uma avenida de São Paulo.

Uma das alternativas de hospedagem que o site dá fica na Vila São Jorge, Alto Paraíso, Chapada dos Veadeiros, no nordeste do Estado, distante quase 500km da cidade de Goiás, que fica no oeste.

google maps São Jorge – Goiás

Outra alternativa é um hotel em Caldas Novas, no sul goiano, a mais de 300 km.

google maps Caldas Novas – Goiás

Fora esses “detalhes”,  vi que o Centro Histórico da cidade de Goiás está com o mapa do centro de Porto Alegre – RS !!!! RS de Rio Grande do Sul, não de risos, porque é para chorar…

Vi também que eles indicam um museu que, pelo CEP 78790, fica em Itiquira, Mato Grosso!

E sugerem visita ao teatro São Joaquim, que foi demolido por não fazer parte das construções tombadas pelo IPHAN e pela UNESCO!

Como não é primeira vez que “cometeram um equívoco”, nem será a última, melhor alertar o maior número de pessoas:

TripAdvisor é roubada!

Já fui parar em uma loja de roupas infantis, seguindo as dicas de restaurante em Brasília.

Eles insistem em elencar como opção de hospedagem em Brasília um hotel que está abandonado e virou antro de “movimentos sociais”! Até já mandei links com notícias relativas a isso, mas claro que as sumidades do turismo não se deram ao trabalho de checar. Provàvelmente estavam ocupados/as  com algum site de relacionamento, como o tinder.

Fiz day use em um hotel e não publicaram meu comentário elogioso, pois não tinha me hospedado, apesar de essa modalidade de utilização ser parte da propaganda do estabelecimento.

Dentre dúzias de outros erros grotescos. que resumi algumas vezes:

https://bocadeconsumidor.wordpress.com/2015/09/26/tripadvisor/

https://bocadeconsumidor.wordpress.com/2015/10/24/trip-advisor-2/

https://bocadeconsumidor.wordpress.com/2015/10/26/trip-advisor-3/

https://bocadeconsumidor.wordpress.com/2015/10/27/trip-advisor-4/

https://bocadeconsumidor.wordpress.com/2016/01/19/trip-advisor-o-pior-advisor-que-alguem-pode-usar-macieo-e-chez-michou/

https://boppe.wordpress.com/2014/05/10/guias-para-turistas/

Se a equipe do ar condicionado acredita que o mundo se resume às compras que faz em “meame” ou no panamá, às praias de ibiza, ou passeios pela poluição violenta das metrópoles carioco-paulistanas, por favor, deixem que pessoas mais interessadas em viagens cuidem do site.
Para essas desprezíveis pessoas, São José dos Campos, São José do Rio Preto, e São José do Vale do Rio Preto, devem ser tudo a mesma coisa, né mermo?

Para que se preocupar em consultar outras fontes de informaçção e checar o LIXO que fazem, misturando tudo.

E que parem de dar respostinhas padronizadas, de quem sequer teve a intelijumência de entender o que foi escrito na observação sobre as falhas. Só demonstra, mais uma vez, a falta de conhecimento para se qualificar para esse trabalho. E basta de se protegerem atrás da hipocrisia da “correção política”.

gente burra e arrogante

a equipinico do tripa aí vai sô é um grande exemplo dessa laia.

 

Museu da Aviação TAM – 2

Com muita tristeza li a matéria do encerramento de atividades do Museu da Aviação da TAM, na cidade de São Carlos, publicada no AeroMagazine.

http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/museu-da-tam-encerra-atividades_2505.html

Em primeiro lugar, porque é um lugar muito interessante, que eu visitaria novamente em outra ocasião.

Em segundo lugar, porque nos comentários vê-se a burrice extrema dos brasileiros, sobretudo dessa corja chamada paulistanos bairristas, que tanto asco me dá (paralela ao extremo bairrismo / provincianismo de cariocas, porto-alegrenses, cu-ritibanos, mineiros e nordestinos).

Espero que Hélio perca logo o rumo da carroça de conduz o Sol pelo Céu, e que este planeta desapareça da galáxia, porque com esse tipo de seres em sua crosta, como os postados no artigo da revista, está impossível viver.

Ou que pelo menos o deus Esgoto esgote suas forças e inunde de vez aquela pocilga onde nasci.

Uçerizumanu são o pior desastre natural que já ocorreu na Terra. Não é à toa que os alemães a chamam de Erde (da mesma raiz de Earth).

A Terra é um organismo vivo. O mais provável é que o chamado aquecimento global seja como uma pomada que ela esteja usando em sua epiderme, para livrar-se de uma incômoda espécie de sarna humana, que faz mal ao organismo.

Depois do desaparecimento dessa sarna, tudo continuará como sempre foi na Terra, esse minúsculo planeta que fica em um pequeno sistema solar, de uma insignificante galáxia situada na periferia do Universo. Ela apenas terá de convalescer dos estragos feitos pela sarna humana.

(https://boppe.wordpress.com/2009/09/19/aquecimento-global-e-pomada/)

Nuvem de tags