Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘Jair Bolsonaro’

Macumbaço

Recebi por whatsapp:

Aqui vai uma sugestão de protesto eficiente contra a organização criminosa que nos governa.

Um Macumbaço na Avenida Paulista.

Sim. Uma gigantesca reunião de pais de santo, curandeiros, babalorixás, feiticeiros, caboclos, caciques, pajés, médiuns e simpatizantes indignados (DataFolha terá grande dificuldade em contabilizar os participantes invisíveis. O que não fará muita diferença, já que o número é sempre uma fração do real).

Ao invés de inócuos cartazes com frases de efeito e trocadilhos, que já não botam mais medo nos bandidos engravatados de Brasília, muita macumba, feitiço, ebó, olho gordo, trabalho, encosto. Coisa profissional. Uma vingança bem brasileira. E o melhor: nada disso está previsto na lei. Não é crime. Será a maior urucubaca lançada contra um grupo de pessoas na história da humanidade. Para entrar no Guinness.

Esqueçam o vão do MASP. O que importa são as encruzilhadas.
Na esquina da Ministro (Rocha Azevedo), muitas macumbas para Gilmar Mendes, Lewandowski, Barroso, Toffoli e a toga party toda.
Na esquina da Augusta, onde Rosemary Noronha tinha escritório, o nome de Lula na boca de muitos sapos (barbudos ou não).
A esquina da Brigadeiro será reservada para Bolsonaro, Boulos, Ciro Gomes e outros trainees de tirano.
A lista é longa mas a Paulista também. Não faltam esquinas para zicas contra Temer, Aécio, Jucá, Collor, Calheiros, Lindbergh e bando. Além de um vasto estoque de galinhas mortas dedicadas Gleisi, Grazziotin, Katia Abreu e outras.
E de quebra ainda vai rolar uma “santeria curse” para Trump, Obama, Hillary e George Soros, na esquina da Alameda Casa Branca. Tudo com cobertura dos principais veículos mundiais.

O importante é que fique bem legível para as câmeras cada uma das mandingas enviadas a nossos ilustres parlamentares, sejam elas perda de mandato, de fortuna ou de ereção.

Você não acredita nessas coisas? Não se preocupe: eles acreditarão. No mínimo vão se borrar de medo. O primeiro caso de câncer de próstata em Brasília, já vão botar na conta do Macumbaço.

Meses depois emendamos um Macumbaço II, Maior e Mais Potente.
Com direito a uma giga-macumba na porta do hospital Sírio-Libanês.
Vamos ter que instalar um confessionário dentro do Congresso.

Já que não muda nada com a ajuda da urna, que tal uma ajuda do umbral?

Anúncios

Reformas eleitorais

Comecei a ler Soumission, de Michel Houellebecq.
É um romance que fala de um “futuro longínquo”, quando em 2017 os franceses têm no segundo turno de escolher entre o Front National e a Irmandade Muçulmana, depois do enfraquecimento dos pseudo-socialistas, e a falsa direita do Sarkoma (aquele marido de uma cantora italiana).

Bem, a primeira coisa que me vem à cabeça é que é um abuso essa coisa de “segundo turno”, em que uma minoria se torna maioria e oprime os outros todos.
Fazendo uma caricatura, com essa porcaria de sistema, muita gente que votaria em Bolsonaro acaba votando em Marina, “porque ela tem mais chance de ir ao segundo turno”, segundo as estatísticas do DataFalha.
Ou seja, a pessoa já vota pensando no segundo turno.
Isso é democrático?

Pois o cãodidato que ganhe com seus reles 25%, e pare de dizer que teve a maioria dos votos.
Já me contra-argumentaram que, no Chile, Allende foi eleito com 33% dos votos, contra Frei e Alessandri.
Sim, mas ele nunca veio com o blefe de que tinha a maioria, muito menos quando esse número é ponderado, levando em consideração apenas os chamados “votos válidos”.
Se houve crise no Chile não foi por conta da falta de segundo turno.

Outra coisa, que já disse antes:
eleições do poder executivo têm de coincidir entre si, para mandato de 5 anos, e dali a 2 anos e meio, as do legislativo servirão para que deputados e vereadores dêem apoio ou façam oposição a quem está no poder. O legislativo será a oportunidade para a população manifestar apoio ou rejeição ao executivo que foi eleito.
E o Senado? Oras, por favor, está na hora de se repensar essa instituição.
Podemos até ser generosos e dar a esses senhores senis um mandato de, digamos, seis meses, em sistema de rodízio com os deputados eleitos.

Do jeito em que estamos, polarizados e divididos artificialmente, por interesses dos partidos, em 2018 a disputa será entre radicais gayzistas da Bobo/Falha e os radicais seguidores de Feliciano com os amigos do Bolsonaro.
E qualquer um dos dois terá a petulância e descompostura de dizer que tem a maioria, mesmo que no primeiro turno tenha ficado com 22% dos votos.

Mais uma coisinha: financiamento de campanha?
Que palavrão é esse?
Os partidos são ricos o suficiente para fazerem as próprias campanhas, sem precisar de horário “gratuito”  no  rádio e na televisão, nem muito menos de “financiamento público para impedir doações de empreiteiras”, e só permitir as de Caixa 2.
Isso funciona, por incrível que “nossos” políticos queiram afirmar o contrário.
Pense nisso.

Por sua vez, alguns outros aspectos são necessários em uma reforma eleitoral que não seja sugerida pelos “representantes do povo”.
A primeira delas é restringir a reeleição ad infinitum. Há pessoas que só são políticos, nada mais, por toda a vida “útil”.
A segunda é acabar com as dinastias, tornando inelegíveis todos os parentes (inclusive cunhados, sogras, etc.)  de quem já ocupa cargo político.
Mais algumas: voto com comprovante impresso;
direito a voto apenas a quem não tem medo de ser fotografado;
extinção dos famigerados suplentes – morreu ou foi assumir outro cargo, fica a vaga até novas eleições;
impedimento de voto a condenados;
voto facultativo;
e, claro, o direito ao voto só pode ser concedido a quem pode responder criminalmente por seus atos.

Pena que a CF foi redigida e votada por políticos que foram travestidos de constituintes, apenas para satisfazer os interesses de partidos, sindicatos, ONGs e alguns outros lobbies, como o da OAB.
Você participou na constituiinte? Por acaso foi consultado se a referendava?
É a tal “constituição cidadã” que, há um quarto de século, querem que acreditemos como “salvação da pátria”. Está muito mais para uma saúva que destrói o país.

Nuvem de tags