Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘nepotismo’

nepotismo

http://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2017/07/27/interna_internacional,887088/assembleia-nacional-francesa-proibe-deputados-de-contratar-familiares.shtml

Os deputados franceses não mais poderão contratar membros da família mais próxima (cônjuge, pais e filhos), sob pena de três anos de prisão e 45.000 euros de multa.

Temos de lembrar que sobrinhos, netos, cunhados, amantes, etc., também são parentes.

Por isso, no Brasil, a proibição tinha de se estender aos parentes colaterais (inclusive EX) de centésimo grau, até a milésima geração, para que a lei surtisse algum resultado.

 

Anúncios

artigo de Gilmar Mendes

Interessante ler o artigo de Gilmar Mendes na folha, sobre a República Corporativa que impera no país desde o golpe da assembléia constituinte de 1987/88.

O que temos é uma sucessão de privilégios a castas que a OAB lembrou de beneficiar, quando seu presidente, e “por acaso” relator da constituinte (Bernardo Cabral, aquele que depois dançou Bésame Mucho com aquela senhora que surrupiou todo o dinheiro dos brasileiros), cedeu aos lobbies de “meninos de ternos bem cortados”,  e a vários outros grupos de pressão, como sindicatos e associações de profissionais (inclusive magistrados).

Temos de estar atentos para que não ocorra em 2017 outro golpe, para ampliar os privilégios, como já se assanhou um certo de-putado do detrito fedemal.

Aliás, temos também de estar atentos para que o nepotismo não prevaleça nos tribunais. Não é mesmo, senhores ministros?

 

Reformas eleitorais

Comecei a ler Soumission, de Michel Houellebecq.
É um romance que fala de um “futuro longínquo”, quando em 2017 os franceses têm no segundo turno de escolher entre o Front National e a Irmandade Muçulmana, depois do enfraquecimento dos pseudo-socialistas, e a falsa direita do Sarkoma (aquele marido de uma cantora italiana).

Bem, a primeira coisa que me vem à cabeça é que é um abuso essa coisa de “segundo turno”, em que uma minoria se torna maioria e oprime os outros todos.
Fazendo uma caricatura, com essa porcaria de sistema, muita gente que votaria em Bolsonaro acaba votando em Marina, “porque ela tem mais chance de ir ao segundo turno”, segundo as estatísticas do DataFalha.
Ou seja, a pessoa já vota pensando no segundo turno.
Isso é democrático?

Pois o cãodidato que ganhe com seus reles 25%, e pare de dizer que teve a maioria dos votos.
Já me contra-argumentaram que, no Chile, Allende foi eleito com 33% dos votos, contra Frei e Alessandri.
Sim, mas ele nunca veio com o blefe de que tinha a maioria, muito menos quando esse número é ponderado, levando em consideração apenas os chamados “votos válidos”.
Se houve crise no Chile não foi por conta da falta de segundo turno.

Outra coisa, que já disse antes:
eleições do poder executivo têm de coincidir entre si, para mandato de 5 anos, e dali a 2 anos e meio, as do legislativo servirão para que deputados e vereadores dêem apoio ou façam oposição a quem está no poder. O legislativo será a oportunidade para a população manifestar apoio ou rejeição ao executivo que foi eleito.
E o Senado? Oras, por favor, está na hora de se repensar essa instituição.
Podemos até ser generosos e dar a esses senhores senis um mandato de, digamos, seis meses, em sistema de rodízio com os deputados eleitos.

Do jeito em que estamos, polarizados e divididos artificialmente, por interesses dos partidos, em 2018 a disputa será entre radicais gayzistas da Bobo/Falha e os radicais seguidores de Feliciano com os amigos do Bolsonaro.
E qualquer um dos dois terá a petulância e descompostura de dizer que tem a maioria, mesmo que no primeiro turno tenha ficado com 22% dos votos.

Mais uma coisinha: financiamento de campanha?
Que palavrão é esse?
Os partidos são ricos o suficiente para fazerem as próprias campanhas, sem precisar de horário “gratuito”  no  rádio e na televisão, nem muito menos de “financiamento público para impedir doações de empreiteiras”, e só permitir as de Caixa 2.
Isso funciona, por incrível que “nossos” políticos queiram afirmar o contrário.
Pense nisso.

Por sua vez, alguns outros aspectos são necessários em uma reforma eleitoral que não seja sugerida pelos “representantes do povo”.
A primeira delas é restringir a reeleição ad infinitum. Há pessoas que só são políticos, nada mais, por toda a vida “útil”.
A segunda é acabar com as dinastias, tornando inelegíveis todos os parentes (inclusive cunhados, sogras, etc.)  de quem já ocupa cargo político.
Mais algumas: voto com comprovante impresso;
direito a voto apenas a quem não tem medo de ser fotografado;
extinção dos famigerados suplentes – morreu ou foi assumir outro cargo, fica a vaga até novas eleições;
impedimento de voto a condenados;
voto facultativo;
e, claro, o direito ao voto só pode ser concedido a quem pode responder criminalmente por seus atos.

Pena que a CF foi redigida e votada por políticos que foram travestidos de constituintes, apenas para satisfazer os interesses de partidos, sindicatos, ONGs e alguns outros lobbies, como o da OAB.
Você participou na constituiinte? Por acaso foi consultado se a referendava?
É a tal “constituição cidadã” que, há um quarto de século, querem que acreditemos como “salvação da pátria”. Está muito mais para uma saúva que destrói o país.

Febeapá

Terminou ontem o festival de besteiras que assola o país, o famoso febeapá, coroada com a “grande festa DEMO-crática” que não tira o país do atoleiro.

A sujeira de santinhos nas ruas é o mesmo que a sujeira que os diabinhos farão a partir de janeiro nos legislativos, com seus eternos capitães hereditários, e também os artistas e religiosos de reputação duvidosa entre eles.

Assim naufraga o país.

Nepotismo e “trabalho voluntário”

Há uns dias, li uma matéria sobre com apenas um voto suplente assume vaga – o dela mesma – que foi empossada no cargo, em um municìpiozinho de 1700 habitantes (com prefeitura, secretários, vereadores, carros oficiais, etc. e tal, tudo pago pelo FPM).
A começar que ela tinha se candidatado a pedido do marido, presidente local de um partido de aluguel, para preencher a “cota” de mulheres. Começa daí o absurdo.
Receberá o salário, enquanto o titular também o recebe, durante licença médica. Será que estava mesmo tão doente? Ou era um acordo com o presidente do partido? Isso é tão comum no senado – ficar doente para o suplente financiador da campanha assumir o cargo.

Uns dias depois, li um artigo sobre municípios na “pura e imaculada Suíça”, que dizia que, no país alpino, o governo municipal é composto por cinco membros, dos quais um é o prefeito. Fazia parte do texto as afirmações de

Como é tradição na Suíça, eles exercem seus cargos eletivos no sistema de milícia, ou seja, não são remunerados por isso. Comissões formadas por moradores regulam áreas como a de construção, administração, cultura e lazer ou política. A administração fica a encargo de um administrador profissional, responsável pela coordenação dos funcionários.

Nossa, fiquei arrepiado.
Até parece.
Um amigo que vive atualmente na Suíça (país que sedia a FIFA) já havia anteriormente comentado que é preciso ver comentários elogiosos àquele país com lupa, pois o que se vê não é nada tão voluntário assim, bem o contrário.

Conheci uma estrangeira que vivia em Zurique, há vários anos, que comentou sobre o nepotismo cruzado no país.
Um político arruma um empreguinho público para a filha de um outro político, e esse garante uma vaga para a mulher do primeiro.
Assim se garante a “coesão” entre alemães, franceses e italianos (dizem coesão, mas podem chamar de cumplicidade) .
Suíços têm o dinheiro no coração e a alma no banco.

Que belo exemplo.
Não difere muito do que temos na Tupiniquinlândia. Um deputado de partido de direita do Sul emprega a filha do deputado esquerdista do Nordeste.
Fora isso, uma ou outra “contribuição” de uma empresa para o “trabalho” do político.
Sem contar que sabemos como operam “milícias” em diversos municípios brasileiros.
Assim caminha a humanidade…

Voto-dentadura

Interessante como um determinado partido, que diz ter vindo livrar o país dos vícios do coronelismo, age ao entregar dentadura para uma eleitora fazer campanha em favor de uma determinada candidata.

É claro que o voto de cabresto é uma prática repudiada por esse partido. O que faziam era uma “ação de rotina“…

Bem, mas podiam ser um pouco mais modernos, ,e em lugar de dentadura, esses políticos podiam oferecer implantes dentários.

Além de ser algo desumano é ridículo esta história de dentaduras!  Expõe ao público algo que deixa qualquer pessoa com baixa estima. Aliás, será que do alto do ego eleitoral eles sabem o que é baixa estima? Tivessem ao menos compaixão… O que não fazem por um voto?

Precisamos que surjam também implantes para pessoas sem caráter e etc. Muitos “senhores de engenho”, “coronéis” e outros seres ligados à hereditariedade e ao nepotismo um dia terão de enfrentar essa melhora. Só que não estarei mais entre os brasileiros vivos, já que isso ocorrerá, talvez, um pouco depois das calendas gregas.

Ainda bem que são partidos de “esquerda”, “trabalhistas”, preocupados com “causas sociais”…

Assembléia Constituinte – legítima e autêntica, não um travesti do congresso

Sei lá quantas vezes já comentei sobre a farsa da nossa “constituição cidadã”, redigida por um congresso que foi travestido de poderes constituintes pelo presidente da época, legislou em causa própria (sobretudo em causa dos partidos políticos e de alguns poucos grupos de lobistas que tiveram acesso aos constituintes), tiveram como relator um dos cabeças da OAB, o então deputado (e depois ministro “collorido” Bernardo Cabral), fizeram regulamentações sobre tudo o que a física não lhes impedia, e terminaram enfiando goela abaixo do povo um dos textos mais prolixos e confusos que já foram feitos na esfera do direito, por isso mesmo repleto de emendas e de interpretações.

Já repeti isso muitas vezes. Vejo agora que esses comentários frutificaram, pois tenho encontrado em diferentes portais de notícias comentários de pessoas que pedem uma nova assembléia constituinte – legítima, exclusiva, formada por pessoas que não sejam políticos legislando em causa própria.

Temos de começar uma constituinte – e chegar a nova uma constituição que não venha com o obsceno rótulo de “cidadã”, quando os cidadãos nunca participaram de sua elaboração, e nunca foram “convidados” a referendá-la.
Uma constituição que defina que os projetos de emenda popular têm de ser analisados com prioridade, e que sejam votados sem os “frankensteins” que os tornam iníquos, como foi o caso da ficha limpa.
Uma constituição que defina que o voto é um direito, como ocorre em países desenvolvidos, e não uma obrigação passível de punição em caso de falta.
Uma constituição que extinga o político profissional.

Abrace essa causa. Compartilhe.

Nuvem de tags