Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘organismo internacional’

BREXIT

Ainda bem que os britânicos tiveram o bom senso de optar pelo fim do casamento multilateral (suruba) chamado des-união européia.

Até que houve pessoas que reverteram o voto, por conta da martirização de uma deputada trabalhista. Uma maioria de 52% preferiu afastar-se de fato daqueles seres que vivem em Bruxelas, ditando regras burocráticas para valer sobre todas as decisões nacionais.

Frau(de)  Angela Merkel, a alemoa que promoveu durante anos a política teutônica do “espaço vital”, e fez a expansão exagerada e sem lastro, da União Européia para o Leste, que fique com seus filhotinhos que acolheu, da Polônia, Hungria, Bulgária, Romênia, … e que continue a abençoar os muçulmanos que ela tanto aprecia, para dar coerência ao bom-mocismo do multiculturalismo, mesmo que a longo prazo isso signifique o fim da cultura ocidental européia.

Essas gigantescas máquinas burocráticas de entidades multilaterais nunca atingem seus objetivos. Há décadas que o sistema ONU tem apenas usado viseiras para não ver a realidade. Ótimas perdulárias.

Espero que outros países retirem suas vendas dos olhos e seguiram os britânicos.
Cabe a nós, aqui, dar um gigantesco pontapé do traseiro desses trambolhos chamados merdocul, unacul, oea, e outros antros de parasitismo diplomático.

Ah, quanto aos “analistas”, foi curioso ver que as previsões de resultados, tão enfàticamente divulgadas pela “enpreimça livre”, furaram. Assim como as previsões de “economistas” que sempre fazem alardes catrastofistas (ou seriam castratofistas?).  A Grécia não está pior do que há um ano. Itália, França e Bélgica, porém, estão bem piores do que os palpites que deram aos outros.
Economistas são mais ou menos, no que se refere a fazer análises para o passado. São sempre ruins para prever o futuro. Jogos de tarô costumam acertar mais.

 

Anúncios

Sistema ONU

Já escrevi algumas vezes; TENHO NOJO do sistema ONU, essa gigantesco cabide de empregos que come dinheiro de pessoas de todo o mundo, para realizar reuniões que nunca dão outro resultado que o de papéis e agendamento de novas reuniões – de preferência em outro ponto turístico.

Encontro no mesmo site duas notícias:

o funcionário da ONU responsável por Operações de Campo do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Anders Kompass entregou o cargo em protesto contra a “total impunidade envolvendo os casos de estupros de crianças, confirmados, realizados por tropas dessa mesma ONU e seus soldados de capacetes azuis em atuação no Congo Kinshasa e na República Centro-Africana;

e enquanto isso o diretor da OIT, Guy Ryder, disse que “é inaceitável” que o trabalho infantil seja ainda uma realidade para 168 milhões de crianças no mundo, das quais 85 milhões realizam tarefas perigosas.

Claro, trabalhar é ruim. Bom é servir de bucha de soldado, ou de aviãozinho para traficante, né mesmo, seu bosta que fala de direitos mas nunca lembra dos deveres – e sobretudo dos deveres do próprio organismo internacional. Quem realiza tarefa mais perigosa: os “soldadinhos” do tráfico ou os objetos sexuais dos “soldados” da ONU? E o Guy vem falar de “regime de escravidão”, “cara pálida”?

Repito: TENHO NOJO DA ONU. Anders Kompass certamente se sentiu peixe fora d’água e teve a integridade de caráter de pedir demissão. Os outros, as ratazanas dos outros organismos do sistema ONU, esses continuam a mamar seus altos salários e vantagens.
E não venha você com a respostinha hipócrita dos polìticamente corretos de que são assuntos diferentes, PORQUE NÃO SÃO.  É tudo abuso!

De boas intenções todos os dias o inferno se enche mais um pouco, mr. guy.

Aliás, já escrevi antes: nunca antes na história das relações internacionais o planeta esteve tão ruim desde que esse coreanozinho inútil assumiu a secretaria-geral da o-NU. Não seria tão ruim se o SG fosse aquele outro, com cara de maluco.

 

ONU?

um desses nababos da ONU disse que é cruel a situação em prisões do Brasil.

snif snif snif snif

O que será que ele tem a dizer da situação dos abusos sexuais que os funcionários da ONU fazem?

Nos primeiros 20 anos, a ONU – e seus organismos especializados – desempenhavam papel na manutenção da paz mundial.
Nos últimos 20 anos, a ONU – e seus penduricalhos – são vergonhosos cabides de empregos, onde “experts” produzem papéis, reuniões e viagens, e deixam tudo pior do que está.

Os escândalos envolvendo o sistema ONU são vários: Ruanda, Iugoslávia, Nigéria, Sudão, …

Já repararam que, desde que a “xineza de king-kong” Margaret Chan assumiu a organização mundial da doença, “nunca antes neste planeta” surgiram tantas explicações mal explicadas, sobre surtos de doenças?

Já repararam que a organização internacional da vagabundagem (OIT) só faz relatórios coitadistas sobre o trabalho?

Já repararam que o comércio internacional funciona APESAR da desorganização mundial sediada em Genebra, com suas rodadas e rolês?

Já repararam que o “clima” tem se mantido apesar de todas as cop’s que fazem?  E lembram que o ex-dono do ipcc é mais um dos acusados de abusos sexuais?

Já repararam que as “crianças” e a “educação” são sempre “prioridades” e sempre são relegadas a trigentésimo-octogésimo-sexto plano?
Os escritórios do unicef e da unesco, em Brasília, já foram cenários de verdadeiras histórias de horror.

Conheci um consultor da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), que serviu no SUDÃO, e desistiu do trabalho, pois o que os colègüinhas gastavam com festas, para não ficarem entediados, daria para alimentar muitas pessoas que passavam fome naquela região em guerra civil.

Foi criada uma casta de “funcionários internacionais” que se julga acima dos reles cidadãos dos países membros.

A desunião européia, comandada por aquela alemoa e pelo francês hollande, apóia um bando de burocratazinhos em Bruxelas que se consideram os juízes do mundo. Eles decidem quem “é gente” e quem “é descartável”. Sírios e afegãos são tratados de formas tão díspares que dá para desconfiar de algo errado nas políticas da “zoropa”. (por uns passa petróleo, por outros não)

E o que podemos falar de nossos organismos regionais (organismos amebas, bactérias, vírus?), como oea, mercosul, unasul, e outras aberrações que servem para defender politicagem esquerdopata?

Por favor, vamos parar de dar crédito a esses aproveitadores que sustentam agências de viagens, e enriquecem as empresas de máquinas fotocopiadoras.

Ah, quanto às cadeias brasileiras, o problema delas é que nóçus polítikus ainda não moram lá, pois lugar de bandido não é no meio da sociedade.
As empreiteiras (e empreiteiros)  deveriam investir mais no próprio conforto.

Era glacial na época do aquecimento bobal

Link para artigo do Rodrigo Constantino:

 

http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/ambientalismo/agora-alguns-cientistas-ja-falam-em-mini-era-glacial-ai-que-preguica/

 

 

Ban Ki-Mun

Ki-Munzinho, o burocratazinho-mor na chefia do secretariado-geral da ONU, participou ontem, em Times Square, Nova York, do Dia Internacional da Ioga.

Deve estar sobrando tempo. Afinal de contas, não há massacres no Oriente Médio, não há problemas de refugiados no Mediterrâneo e no Sudeste Asiático, não há escravidão nem mutilações na África, não há ditadores corruptos pelo mundo afora.

Como é linda a vida de nababo do maior cabide de empregos do mundo.

Essa tal diplomacia multilateral tem levado o mundo à estagnação e a perdas de vidas.
Você vê utilidade no merdoçul? na o.nú? na oea? no tribunal internacional? na unescú? em mil e um organismos que servem apenas para dar emprego a conchavados e nunca apresentam soluções, pois isso representaria o fim da boquinha, do turismo pago pelos outros, e coisas do tipo.
Assembléia desses organismos é pior do que reunião de condomínio, que só serve para atas inúteis, que não registram as brigas entre os vizinhos, e ainda aparece com a cobrança de taxas extras.

Pena que não aconteceu com ele o mesmo que ocorreu com um surfista brasileiro no início do ano, ao plantar bananeira. O mundo seria aliviado. O surfista era um atleta, e mesmo assim aconteceu o acidente. Na vida do SG-ONU apenas há tretas.

Secretário-Geral da ONU

  • Trygve Lie (norueguês) ————-1946 1952
    (renunciou com impasse durante Guerra da Coréia)
  • Dag Hammarskjöld (sueco) ——–1953 1961
    (morreu em acidente aéreo mal explicado, durante descolonização da África)
  • U Thant (birmanês) —————–1961 1972
    (funcionou; não cedia às pressões das potências)
  • Kurt Waldheim (austríaco) ———1972 1982
    (genocídio em Burundi; nazistão cujo maior trabalho foi escritórios em Viena)
  • Javier Pérez de Cuéllar (peruano) -1982 1992
    (mais atuante no Peru do que na ONU)
  • Boutros Boutros-Ghali (egípcio) —1992 1997
    (guerra civil em Ruanda, e em Angola, genocídios na Iugoslávia)
  • Kofi Annan (ganense) —————1997 2007
    (guerra civil em Ruanda, invasão do Iraque; manteve atividades políticas)
  • Ban Ki-Mun (sul-coreano) ——— 2007 – até hoje
    (burocratazinho que não fede nem cheira)

Resta a pergunta: vale a pena tantos organismos internacionais chupando dinheiro, e pagando salários bem altos, para tão poucos resultados?

Ah, claro, dá status

Corte de gastos

Em todo o mundo (inclusive, ou sobretudo, no Brasil) fala-se de corte de gastos.

As eleições na Grécia, ontem, deram como resultado que a população não quer mais saber de medidas econômicas restritivas, como quer (exige) a União Européia.
Quase todos os “analistas” dizem que o resultado foi uma loucura cometida pelo eleitorado grego.

Apenas uma pergunta:

– Você sabe quanto custa a gigantesca burocracia da União Européia, com a sede em Bruxelas, o Parlamento em Straßburg, o Tribunal de Justiça em Luxemburgo, e o Banco Central em Frankfurt?

Não vou pesquisar, mas sei que é um absurdo tão grande que seria melhor os nababos do organismo internacional se acanharem, disso eu tenho a mais absoluta certeza. Se estiver interessado, entre nos sites e comprove.

Na Europa, como no Brasil, os exemplos que vêm de cima não dão credibilidade aos pedidos de corte de gastos.
Os eleitores sabem disso melhor do que “analistas”.
Eles se perguntam por que os sacrifício não valem para todos.

Nuvem de tags