Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘palavras’

A ditadura aperta

A ditadura dos togados piora.

Órgãos colegiados são substituídos pelo desejo de um único ser supremo.

Criminosos são levados para casa, porque estão doentinhos, toda vez que um devogádu famoso enche os bolsos ,  enquanto prescreve aos clientes/pacientes algum problema para cumprirem as penas por seus crimes em suas mansões.

Enquanto isso, a população impaciente assiste a tudo sem saber que rumo tomar.

Não percebe o quanto foi enganada em 1988, quando lhe ofereceram uma tal constituição cidadã.

Enquanto isso, boa parte da enpreimça faz o coro de que temos de nos ater aos limites do tal estado democrático de direito, junção de palavras vazias.

 

 

Anúncios

palavras vazias

Há uma série de palavras que são usadas a torto e a direito, só para fingir engajamento com uma “causa”, para tentar impressionar o interlocutor, e que já se afastaram do verdadeiro significado.

Uma delas é empreendorismo.

Outra é sinergia.

Para mim, porém, a pior de todas é o uso de resiliência, forma hipócrita de dizer não reclame.

Essas palavras (e algumas outras de que não me ocorrem agora) na realidade esvaziam o conteúdo e o contexto da conversa.

O refrigerante

Ontem à noite, lembrei de fazer novamente o teste:

disse ao caixa de uma lanchonete que queria meio litro de refrigerante e cinco reais de troco.

Ele não fez cara de espanto!

Não foi preciso traduzir a ele que meio litro é aquilo que hoje em dia chamam de quinhentos eme eles.

 

 

Excrementos

Estou sem vir ao blog hå algum tempo.

Mudei, ainda nåo abri todas as caixas, e o commuitador resolveu ficar dodøi.
O tecniqueiro nåo arrumou o que tinha de defeito e ainda criou outros.

Acompanhando por alto esse festival de vaidades que assola o payz, porém, nåo posso deixar de comentar:

esses seres de outras espécies, que exigem ser tratados de Fossas Excreméncias, såo de fato uma imensa cloaca (para nåo dizer outra palavra).

Fossa Excreméncia é mesmo um pronome de tratamento muito apropriado para eles todos.

a palavra dinamarca

Há uns dias, circulou pelas famosas redes de emburrecimento social um vídeo da TV 2 da dinamarca, que conclama todos a serem amiguinhos e irmãozionhos, e tolerantes com os imigrantezinhos que explodem o mundinho imundinho.
Não repassei porque vomitei em cima do celular e precisei deixá-lo em repouso.
Melhor reler o que coloquei uma vez em meu blog:

https://boppe.wordpress.com/2013/10/24/velhice-na-dinamarca/⁠⁠⁠⁠

e também se informar sobre as maravilhas daquele país tão certinho, pois o
museu nacional da dinamarca decidiu que a palavra “preto” é proibida nas obras que lá estão expostas.

Como o cinismo e a hipocrisia não fazem parte de minha índole,
e seguindo os mais estritos parâmetros da reciprocidade,
a palavra marca dos daneses está proibida aqui em casa.

Quem já morou lá, sempre fala mal daquele país de gente mais falsa do que cédula de US$ 3,64, emitida pelo Federal Bank of Nigeria.
Falsos, chatos e desonestos com os inquilinos.

Turistas: por favor atenham-se à sua mediocridade de quem ficou em hotel ou usou air bnb e nunca enfrentou a realidade do quotidiano.

Dinamarca, atenha-se aos butter cookies e ao Lego.

Para quem se arreganhou com sorrisos para os nazistas durante a II Guerra, o cinismo de vocês ultrapassou minha tolerância.

Penso que lugares onde chove 489 dias por ano, e onde as pessoas precisam aproveitar ao máximo os 5 minutos de sol que ocorre a cada década, devem mesmo ser muito chata a vida, por isso se preocupam em defecar regras para todos.
Cuidem de seus preconceitos, loiros aguados!

Mário Quintana

Espelho Mágico

L (cinqüenta)

Da Amizade entre Mulheres

 

Dizem-se amigas… Beijam-se… Mas qual
Haverá quem nisso creia?
Salvo se uma das duas, por sinal,
For muito velha, ou muito feia…

 

Bem, Quintana escreve essa trova em 1951, em homenagem à memória de Monteiro Lobato.

Como reagiria o grande e velho Mário Quintana se ainda vivo fosse?

Nas escadas rolantes de centro comercial, o mais comum é ouvir uma falsa madame de 20 ou 30 aninhos, falando bem alto ao telefone amebular:

– Oi miga, nem te conto, você nem imagine o que ….

Na vitrine de uma loja de “decocoração”, vi uma tranqueira à venda com o texto

Miga sua louca.

Sempre fico na dúvida se miga é forma reduzida de migalha ou de inimiga…

 

 

dúvida

Tenho uma dúvida sobre algumas palavras:

se quem faz tricot é tricoteira,

se quem faz crochet é crocheteira,

se fricote é coisa de fricoteiro,

se quem prepara croquetes é croqueteira,

se decote dá decotaria,

por que quem joga cartas de tarot quer ser chamada de tarólogo, e não de taroteiro?

 

 

 

Nuvem de tags