Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘propaganda’

boatos e fake news

Duas “notícias” internacionais ocupam a infernet, movida por jornalismo que não checa, APENAS busca cliques e audiência, que agrada anunciantes.

Uma foi a busca da menina Frida Sofía, que nunca existiu, e ocupou o tempo de pessoas e de voluntários nos escombros de escola atingida pelo terremoto no México desta semana.

Outra foram os vários jornais que, seguindo o site de O Bobo, noticiaram que uma milionária britânica havia sido encontrada vivendo como moradora de rua em Milão, Itália.

Dê um google no nome da milionária. Só haverá respostas em sites tupinambás.
Em jornais italianos, Corriere della Sera e La Repubblica, nem vestígio de tal mentira.

Será que as pessoas não nada mais interessante com que ocupar o tempo – deles e dos outros?

A infernet tem prejudicado demais a veracidade dos fatos.
No jornais de papel essas aberrações eram bem menos freqüentes, e quando surgiam eram nos Notícias Populares e similares. Hoje em dia, tudo se nivelou por baixo.

 

Anúncios

propagandas em sites de notícias

O site especializado Reclame Aqui divulga, periòdicamente, as empresas com maior número de reclamações, por categoria.

O curioso é que a maior parte delas são as campeãs em pop-ups e outros tipos de propagandas nos sites de notícias.

Além de serem quase sempre as mesmas empresas, em cada listagem, são as que mais gastam com propagandas, com stands de promoções em shopping centers, e coisa e tal.

Acho estranho esse código de defesa do consumidor, os tais procons (que tanto se preocupam em multar empresas que não pintam em suas fachadas o número do telefone 151, como é lei aqui no DF), o tal ministério público (mistério), e tudo mais, dizerem que “a liberdade de expressão não pode censurar, cercear, etceterar a propaganda”.

Mais ainda, acho absurda a falta de ética das empresas de jornalismo (sim, são empresas, preocupadas com o lucro, e não com a informação), que aceita de muito bom grado as propagandas, mesmo que publiquem, em pequenas notas,  que tal e tal firma costuma dar calote nos consumidores.

Afinal de contas, um imóvel é algo “muito barato“, claro, e se alguém não gostar dele, pode trocar, como um sorvete.
Se há milhares de pessoas que não conseguem a escritura, por conta das irregularidades nas obras, isso não é culpa dos divulgadores de propagandas.
Cai no conto do vigário quem quer, na visão de quem divulga os anúncios.
Para essas empresas de jornalismo, pouco importa se a falta de ética do comércio de anúncios (e dos anunciantes) se aproveita da falta de informação do público.

Consumidor existe para consumir, até mesmo na cabecinha dessas jornalistas que falam tanto em “socialismo”, e “distribuição da renda”, de “desigualdades sociais”.

Direitos? Ora, o direito do anunciante é maior do que o direito do consumidor, sempre foi assim…
O anunciante faz circular dinheiro no mundo da publicidade.
Aquele mundo tão especial, que faz girar dindim no mundo dos Caixas Dois…

Uma imagem que resume toda uma estratégia

ATT00001

 

Essa imagem, que, curiosamente, foi postada por um esquerdista, mostra, com exatidão, como governa o PT.

O cidadão está no fundo do poço, mas o “intelectual” não lhe dá a escada – o meio pelo qual ele possa galgar os degraus e subir, desde que faça algum esforço.
Ao contrário, um “homem humanitário” debruça na borda do buraco, estica um braço (que nunca vai adiantar nada), e faz cena de que quer ajudar.
O “descamisado” do fundo do poço não sabe que existe uma escada logo ali. Logo, imagina que aquele homem é bom e quer ajudá-lo. Assim, aposta nele.

Quais são os meios (escadas) para aquele cidadão se salvar? São: Escola Pública de qualidade; Cursos Técnicos; Transporte; Segurança; Infra Estrutura; Economia forte; Criação de Empregos…, etc.

Mas… Quais são os jogos de cena (de mis en scène)? São: Bolsa Família; Auxílio Reclusão; Maciça propaganda; Cotas raciais…, etc. Todas as cenas, como sabemos, como verdadeiras política do “Pão e Circo”: pão (bolsa isso, bolsa aquilo…); circo (estádios glamorosos, samba e carnaval).

Enquanto isto, o País afunda!
Que se dane! O importante é o Poder estar garantido!

Prevenção

Algumas vezes escuto uma propaganda do tribunal do trabalho dizendo que a prevenção é o melhor caminho (para evitar acidentes).
Acidentes não acontecem por acaso: acidentes acontecem por descaso.

Não lembraram de prevenir os gigantescos roubos havidos na construção do prédio em São Paulo. Puro descaso.

Será que a população já esqueceu?
Acho que não… só os juízes do referido tribunal.

Matéria-prima

Em 1974 nascia o Licor de Merda.
Portugal passava por um período conturbado marcado pela luta entre a esquerda e a direita. Nesse contexto, o Licor de Merda foi criado para “homenagear” algumas autoridades que então governavam Portugal. De quase uma brincadeira (especialmente o nome) passou a ser um caso sério de vendas. Foi então que em setembro de 2004, a empresa Sérgiu’s, Comércio e Distribuição de Bebidas, Ltda., surge no mercado como distribuidora exclusiva da conhecida e reconhecida marca Licor de Merda. Com novo visual e com a mesma qualidade de há muito reconhecida.

Não fazendo jus ao seu nome, o licor de merda é um licor saboroso e fácil de beber. Feito à base de leite, também contém baunilha, cacau, canela, açúcar e citrinos

Os seus mercados principais, além do nacional, são o Luxemburgo e a Suíça e no mundo da gastronomia, são inúmeras as receitas à base de licor de merda, que se multiplicaram com nomes como “gelado de merda” ou “mousse de merda”. Até cocktail, também existem vários, basta começar com a “caipimerda”…
Disponibilidade: Disponível
13,90 €

licor auto-explicativo feito de rica matéria-prima

licor auto-explicativo
feito de rica matéria-prima

Não acredita?

http://www.garrafeiranacional.com/licor-de-merda.html

http://www.propagandashistoricas.com.br/2014/07/curiosidade-licor-de-merda-cantanhede.html

Dizem que atualmente o Brasil é o principal exportador da matéria-prima

Propaganda

O horário político eleitoral demonstra que a propaganda é a lama do negócio.

Xuxa, nunca pensei que a aplaudiria

Dona Maria da Graça Meneghel é uma pessoa da qual nunca gostei, nunca apreciei em suas atitudes e apresentações.

Até agora. Nunca pensei que um dia chegaria a aplaudir a pessoa que é conhecida pelo codinome de Xuxa.

Enfim encontrei uma pessoa famosa que se recusou a essa tremenda idiotice do banho de gelo.

Se alguém quer fazer doação a algum tipo de pesquisa, que faça. Não exija porém essa cretinice de fazer vìdeozinhos para mostrar a um público de amebas que a pessoa vai doar US$ 10,00 para uma campanha.

Qualquer que seja a finalidade, doações não devem nunca ser motivo de publicidade. Isso não se chama doação, beneficência, nem nada parecido: é marketing oportunismo.

Esclerose lateral amiotrófica não se cura com banhos de água gelada de artistas, políticos ou jogadores de futebol.

Nuvem de tags