Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘Rede Globo’

o prêmio nobel da paz

Encontrei essa matéria sobre a desqualificação da premiada nobelizada Aung San Suu Kyi, devido às lutas étnicas e religiosas entre budistas e muçulmanos na Birmânia (duas das religiões da paz, como elas se proclamam…). Agora ela não serve mais aos objetivos dos “formadores de opinião” da “civilização ocidental”.

Ai, que tédio, já comentei várias vezes sobre essa farsa do prêmios ignóbeis da paz.
É só checar na tag.
https://boppe.wordpress.com/tag/premio-nobel/

 

Anúncios

Turistas go home

Escrevi há uns dias sobre a praga dos turistas, e parece que o assunto tem rendido em outras paragens.

Turistas? Não, obrigado

Destinos turísticos querem menos visitantes

Pois é, parece que certos conceitos começam a mudar.

Dinheiro (economia) não seria tudo.
Conforto (e sossego) começam a ser mais importantes, para algumas pessoas.

 

 

a enpreimça

Sempre reclamei aqui da chamada enpreimça brasileira.

Só que ela tem piorado.

Os principais jornais e revistas eståo em um nível nunca antes imaginado.
A maioria das manchetes contêm apenas fofoquinhas de pseudo-famosos da televisåo e seus namoros.

A parte política é um amontoado de clichês de estudantes em assembléia.

A falta de revisåo e as incoerências encontráveis em cada artigo superam boa parte dos leitores.
Traduçøes muitas vezes nåo fazem sentido.

A cada dia encontro menos prazer em algo que até alguns anos (uns 30, a bem dizer) ainda tinha significado.

Stanislaw Ponte Preta havia escrito, em 1966, o Febeapá – Festival de Besteiras que Assola o País. Se estivesse vivo agora, sem dúvida ele choraria ao constatar que tudo o que é ruim sempre pode piorar.
Hoje em dia, a enpreimça brasileira é o caminho mais rápido para o emburrecimento.

 

 

televisão e transatlântico

Nada pior do que se ir durante a manhã a algum lugar (padaria, consultório médico, laboratório, oficina, … ) e, enquanto se espera, ser invadido pelos ruídos da tv sintonizada no programa de uma certa fátima.
Meu sonho de consumo é saber que ela foi atropelada por um transatlântico, enquanto dava braçadas na piscina com aquela outra que a precede.

Nada mais brega do que ambas.

Se bem que, para dizer a verdade, a breguice começa com aquele noticiário “despojado” e “light”.

Não dá para esses estabelecimentos respeitarem o silêncio!

 

suplentes

Alguma vez sei que já escrevi sobre essa coisa maluca que temos no Brasil, chamado suplente de senador (dois!), e o site Globo.com fez uma matéria sobre os que não tiveram votos, e que constituem agora 20% do total.

Como comentei anteriormente, sou a favor da extinção pura e simples dos famigerados suplentes – morreu ou foi assumir outro cargo, fica a vaga até novas eleições.

Pior ainda quando esses seres ruins de votos assumem porque houve um acordão entre o financiador da campanha e o dondoco que recebeu os votos.

Existe, porém, na cabeça do brasileiro uma lavagem cerebral de que “é normal” que quem está no legislativo ocupe cargo no executivo. E assim se perpetua a troca de favores entre partidos e políticos…

Há países onde a regra é oposta: quem está em um poder não pode assumir cargo em outro.
Se isso é regra no sistema parlamentarista, é sempre bom lembrar que no famoso plebiscito de 1993 a população repetiu o mesmo resultado que havia dado em 1963: a maioria do eleitorado prefere o presidencialismo – apesar dos filósofos, dos cientistas políticos, e de todos os assessores de políticos.
E, em alguns países é simplesmente vedado que quem ocupa cargo em um podRer vá para outro.

Tenho nove mil novecentas e noventa e nove razões para objetar contra o parlamentarismo – inclusive nos chamados países desenvolvidos. Prefiro o sistema semi-presidencialista (ou semi-parlamentarista)  francês e português, em que presidente e primeiro-ministro dividem as atribuições do pHoder executivo.

Como já disse em 1993 a famosa Danuza Leão: parlamentarismo com esses deputados? Inocêncio de Oliveira como primeiro-ministro?
Pois é, hoje em dia teríamos tido Henrique Eduardo Alves, Eduardo Cunha e Waldir Maranhão na chefia do governo. Sem falar do que temos atualmente e das opções que nos foram apresentadas para o próximo biênio. Ou quem sabe Sarney e Calheiros, se a preferência fosse pelo senado.

Não dá. Não dá mesmo para mantermos os suplentes e tampouco para devaneios de sistema parlamentarismo.

Cotas, aiai, mimimi

A grande crítica que se faz ao ministério do vice-presidente no exercício do cargo de presidente é que não há mulheres.

Na revista Época encontrei esse comentário:

Que absurdo esse ministério. Não tem nenhum ruivo, nenhum descendente de orientais, nenhum pizzaiolo, nenhum criador de emas, nenhum ufólogo e nenhum torcedor do XV de Piracicaba!

Cotas resolvem?
Quantas mulheres havia na despedida daquela mulher de cabelo tingido, que só esbravejou traição, vingança e revanche? Muitas…

A ex-ministra Ellen Gracie foi convidada para o Ministério da Fiscalização, Transparência e Controle, mas não aceitou.
Ana Amélia Lemos foi convidada para o Ministério da Agricultura, mas prefere continuar atuando, com vigor, no Senado Federal.

E todo mundo sabe que um famoso ministro – reincidente – faz parte da cota LBGT.

Chega de mimimi.
Como diz minha prima, professora doutora na USP:

Boa! Mulheres fortes não precisam de cotas.
Minha avó italiana carregava caminhões de tijolos para meu avô construtor, e teve 10 filhos.
Vó Messi não gostava de mim, vi muito bem aos 6 anos de idade, porque eu era mulher.

 

panama leaks

Esses gehornallyztas investigativos que denunciaram as contas de políticos em paraísos fiscais, por acaso também encontraram as de seus patrões e coléguas?

Conta off-shore existe desde que inventaram bancos!

Por que esses “investigadores” não se investigam?

Existem países que só existem para depósitos de dinheiro

suíça, panamá, liechtenstein, mônaco (residência do mais insuportável locutor esportivo do braziu), andorra (onde se escondeu são ricardo teixeira), bélgica (onde moram os terroristazinhos do EI), cayman, bahamas, delaware (estado americano), jersey, e mais um monte de outros –
se não é para lavar, pelo menos é para passar

Ah, mas o que importa é o sensacionalismo, mesmo que não se conte a verdade por inteiro

E ter conta na Flórida não é crime.
Todo servidor público brasileiro que viaja ao exterior tem conta na agência do Banco do Brasil em Miami, pois é a forma de creditar/receber diárias e salários.

Será que quando o “probo” enólogo da rede bobo, por exemplo, morou em Londres, ele recebia o salário da Bobo em reais, na conta do Santarder/ Banerj?  Deve ter conta em Jersey ao lado da daquele deputado paulista que “nunca teve conta no exterior”.
Ele e qualquer outro mequetrefe que tenha trabalhado no exterior.

A burrice do brasileiro médio só é inferior ao mau caratismo da maioria dos jornalistas.

 

Nuvem de tags