Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘Rio de Janeiro’

Ah, os turistas

Já comentei anteriormente sobre turistas e as cidades.
A tag/etiqueta pode demonstrar mais vezes. Algumas dezenas de vezes.

Parece que as principais cidade se dão conta de que essa espécie predadora não traz tanto dinheiro para a economia como faz mal à saúde dos habitantes.

https://g1.globo.com/turismo-e-viagem/noticia/aos-poucos-europa-esta-se-cansando-do-turismo.ghtml

E no caso do Brasil, para aguardar a expectativa do carnaval, esperamos terminar o carnaval para que o governo percebesse que há algo de podre no reino do Rio de Janeiro.

https://g1.globo.com/politica/noticia/governo-decide-decretar-intervencao-na-seguranca-publica-do-rio.ghtml

Não ficava bem assustar os turistas.
O problema não é o turismo, mas as pessoas que são obrigadas a ficar trancadas em casa.

Anúncios

arquitetura e engenharia

Após o desabamento de parte de viaduto no Eixão Sul, em Brasília, hoje, o desgovernador Enrollemberg disse que Brasília está envelhecendo, que faltou manutenção.

É verdade, brazylha é uma cidade velhíssima. A mais velha do mundo, desde sua inauguração em 1960.
Teatro Nacional interditado, prédios residenciais com probleminhas de terra encharcada desabando sobre estrutura de garagens, pontes com rachaduras, incêndio elétrico no plenário da Câmara dos Deputados (infelizmente durante o recesso).

Enquanto isso, a velha catedral de York, desde 1230, ou Alhambra dos mouros em Granada, ou …  ou … ou … estão inteiras.
Por que será?

Lembra dos desabamentos em Belo Horizonte (Gameleiras, viaduto Guararapes, … ) ?
E do elevado Paulo de Frontin, no Rio de Janeiro?
Viaduto em Fortaleza?
etc. etc.

Tudo ficou “comprometido”, fosse durante a obra ou depois, por falta de manutenção.

Pior é que há muita gente que elogia a genialidade da arquitetura brasileira, e a capacidade da engenharia nacional.
Quem paga a conta…

Sem dúvida York, Granada e outros tantos monumentos resistirão após o final da humanidade.
Já a tão decantada arquitetura e engenharia brasileiras não duram mais do que 50 anos…

Feriados, férias, viagens

Conversei esta semana com uma amiga e o sócio dela sobre os feriadões, as férias, e “a necessidade das viagens”, exigência da indústria do turismo aos consumidores.

O sobrinho de minha amiga foi com a família, mais uma vez, passar o ano novo no Rio de Janeiro.
Talvez a areia de Copacabana seja outra, talvez os fogos sejam outros, talvez o calor seja diferente…

Meu irmão tem passado o aniversário, nos últimos sei-lá-quantos-anos, em Ubatuba.
Eu já perdi a conta dos aniversários que não comemoro…

Um casal de amigos aqui não perde janeiro sem ir à praia do Pipa, no Rio Grande do Norte – nem mesmo este ano, com o Exército no lugar da Polícia.

Outros declaram em VOZ BEM ALTA que vão de novo a Paris  (será que não é ao Pari, ao lado do Brás e do Bom Retiro?).

Por sua vez, essas pessoas nunca estiveram no Pantanal, ou na Chapada dos Guimarães, que são parte da riqueza natural do Brasil, ou sequer conhecem a capital do próprio país.
Sentem arrepios ao ouvir a palavra África.

Sei lá, para mim há lugares que visitei uma vez e que já satisfizeram minha curiosidade nessa única vez.
Tipo São Luís do Maranhão e Holanda.
Certas datas também não me atraem nem um pouquinho, como a noite em que se comemora a chegada de novos boletos de impostos…

Outros visitei umas três vezes, e dei por concluída a missão de ver a localidade e seus arredores – Salvador, Tiradentes, Alemanha.

Desde criança, nunca gostei de sofrer nas intermináveis filas de estradas, nem nas salas de espera de aeroportos super-lotados.
Aproveito muito mais uma viagem se ela for realizada com menos tumulto.
Sei que nem todas as pessoas têm essa disponibilidade de tempo, mas voltar para casa estressado por conta de um feriado é pior do que ficar em casa e aproveitar um bom livro e uma boa música.

Quando me dizem que já viajei muito, discordo. Não foram cinqüenta países. Não coleciono carimbos em passaportes. E não fui a todos os Estados brasileiros.
O que vi, porém, tem sido suficiente.
Poucos lugares que não visitei ainda me dão curiosidade. A Rússia, por exemplo, mereceria uma viagem, mas certamente não é para apenas visitar museus.
Sei que jamais teria interesse em visitar Vietname, Maldivas, ou México. Simplesmente não me interessa o que está na moda.
Tenho mais curiosidade em conhecer a Armênia e Geórgia, ou a Ilha da Madeira.
Certamente não pretendo voltar a Paris, nem à Bolívia.
Não tenho coragem para encarar novamente o Japão e a Coréia.
Orgulho-me de nunca ter ido a qualquer parque disney no mundo.

No entanto, ainda há dezenas de dúzias de livros que pretendo ler, enquanto ainda posso compreender o que neles está escrito.
Há também muitos compositores e intérpretes que ainda não conheço…

 

jornalismo cara de pau

É encontrável nos sites brazucas uma matéria da bebe-se a respeito da manipulação da massa ignara pelas feiquiníus.

https://g1.globo.com/politica/noticia/como-comportamento-de-manada-permite-manipulacao-da-opiniao-publica-por-fakes.ghtml

A falha di çumpallo teve a cara dura de dizer que a matéria (comprada da bebe-se) era exclusiva!

É mais do que sabido, por todas as peçonhas, que o gehornallyzmo é uma sucessão de ctrlC ctrlV feitos de acordo com o pensamento do editor. (E de seus anunciantes!)

Notícias internacionais rarìssimamente são originais.
Novecentos e noventa e nove por cento são matérias compradas de “parceiros”.
A mesma notícia do istadim é reproduzida no istadim de minas, que por sua vez é dono do correio brazilhemçi, e publicada na falha.
As matérias da falha não mudam nada com relação ao bobo.
E por aí afora.

Valem menos do que aquelas pesquisas eleitoreiras de que fulano tem maioria de votos, e contudo o  fulano não ganhou a eleição…

Podem ver que na tupinambalândia apenas se reproduz o que aparece nos sites “pogreçistas” do tipo Le iMonde, Bebe-Se, Dóitxe Vela, El País, CNN, o Guardião, …  E não poucas vezes as matérias foram escritas por estagiários residente em çumpallo ou no hell de dezembro.
Não sei o que há por trás dessa prática.
Talvez seja mais barato do que manter uma equipe séria de jornalistas, e não de estagiários copiou-colou-passou.

Pode ver que nunca utilizam outras fontes de informação, para que o leitor possa ter a oportunidade de fazer uma comparação e chegar à própria conclusão.
Não, os donos desses órgãos de de-formação consideram-se os únicos capazes de doutrinar a cabeça dos impensantes leitores.
Quando fazem uma entrevista com alguém com outro ponto de vista, é um velho conhecido de jantares e tragos.
Os outros não merecem credibilidade, na visão desses empresários da comunicação.

Você já tentou ler outros meios de comunicação estrangeiros, que não os citados acima?
Nem todos são defensores da alemoa, das fronteiras escancaradas, da ideologia de degênero, etc e tal.
Existem outras tonalidades além do vermelho e do azul, ou do preto e do branco.

E só mais uma coisinha:
correspondente internacional que só fica em paris ou em nevainhóque, tomando uìsquezinho com coléguas, está tão alienado quanto quem não lê nada.
Essas metróp0les não decidem sòzinhas as eleições e os rumos dos países.

Cenas do cotidiano

Encontrei casualmente esse vídeo no youtube, e o repassei por whatsapp para várias pessoas de minha lista.
A reação de três pessoas (que não se conhecem) foi a mesma:

  • que gente elegante!
  • reparou que não havia gente gorda naquela época? Não vi nenhum no filme inteiro
  • as pessoas não usavam camisetas cheias de coisas escritas

Pois é, as pessoas não eram obesas – não ficavam diante do televisor comendo o hambúrguer com queijo cheddar pedido por aplicativo de telefone celular;
caminhavam até o ponto de ônibus ou bonde, nos quais viajavam espremidos de tantos passageiros;
brincavam nas ruas;
conversavam em cadeiras na frente da casa;
etc. etc. etc.

Difícil seria a vida de um médico de cirurgia bariátrica. Ficaria mais magro do que as pessoas retratadas no vídeo.

Vale o mesmo para o Rio de Janeiro, então capital do país, na mesma época.

Pois é, o progresso chegou…

 

Rio em Guerra

Recebi pelo whatsapp esta mensagem, que considero merecedora de ser fixada no blogue.
Desconheço a autoria.

Rio em Guerra I:

A rede de lojas Magazine Luiza, cancelou a abertura de 10 mega lojas no Estado do Rio, o motivo é o aumento assustador do roubo de cargas na região e o aumento exponencial da violência.

Rio em Guerra II:

A fabricante de cosméticos L’Oréal encerrou sua fábrica e o centro de distribuição no Rio de Janeiro e transferiu tudo para SP. O motivo é o aumento do roubo de carga e dos constantes tiroteios próximo a sua fábrica no bairro da Pavuna.

Rio em guerra III:

Muitos cantores estão com um forte esquema de segurança para se apresentarem no Rock in Rio, o que elevou os custos operacionais da empresa que faz o evento. Dizem as más línguas que esse poderá ser o último festival, caso o Rio não dê jeito na segurança.

Rio em guerra IV:

As lojas Americanas já pensa em fechar seu centro de distribuição no Estado e levar para SP, o motivo também é o aumento do roubo de cargas e dos constantes Tiroteios.

Rio em Guerra V:

A Pacheco já pensa em fazer o mesmo, o motivo são os constantes roubos de cargas, tiroteios e o aumento em 100% do seguro para transporte de medicamentos.

Rio em Guerra VI:

Os correios preparam um aviso, onde cerca de 30 bairros irão deixar de receber cartas e encomendas, o motivo seria um aumento do roubo de cargas na empresa, que chega a praticamente a 5 caminhões por dia, segundo fontes.

Rio em Guerra VII:

Grandes redes de supermercados como o Prezunic e Guanabara, começam a adotar esquema de guerra para a segurança de seus caminhões, para se ter uma ideia, a rede Guanabara está transportando suas mercadorias em Comboio de 5 caminhões e com escolta armada, o mesmo vem fazendo o Prezunic, em 40% deles sem sucesso, com isso o consumidor já sente um aumento de 40% nos produtos, tais como ovos, feijão, arroz, frango, carne e enlatados.

Rio em guerra VIII:

Segundo fontes minhas a Rede Globo encomendou veículos blindados para cobertura da violência do Rio, repórteres estão fazendo treinamento de guerra para se safarem em caso de tiroteio. A situação é tão crítica que bairros como a Pavuna nem o helicóptero da emissora está conseguindo chegar perto, em virtude do alto risco de tiros de armamento ponto 50.

Rio em Guerra IX:

O roubo de carro no Rio disparou e alguns modelos já não terão seguro no próximo ano, em alguns bairros o seguro já aumentou em até 70% para veículos de mil cilindradas.

Rio em Guerra X:

Empresas de ônibus já ameaçam parar de rodar em cerca de 45 bairros e 7 municípios, o motivo seria os constantes ataques a coletivos nessas regiões.

Rio em guerra XI:

As forças federais de segurança já ameaçam sair do Rio, sem efeito nenhum contra o crime organizado, os homens das forças federais não intimidam mais ninguém, onde até tiros são disparos para dentro dos quartéis do exército. Dependendo do local onde o quartel do EB fique, nem o sentinela tem autorização para ficar no muro, para não atrapalhar o movimento do tráfico, caso desobedeça tiros podem ser disparados para dentro do quartel.

O Rio está em guerra.

É. Cada lugar elege quem quer e colhe os frutos correspondentes.
Durante décadas.

foto Rio de Janeiro

Encontrei esta imagem no jornal inglês The Telegraph.

Enviei a foto para alguns amigos, e houve quem se ofendesse:
– Deram mais destaque ao urubu do que à estátua!

Por que terá sido?
A culpa é de qual imagem?

 

Nuvem de tags