Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘sujeira’

Greve dos bancários – 2

Os vários “cinicatos” dos bancários resolveram aceitar a proposta dos bancos e, amanhã, devem retornar ao trabalho, depois de 21 dias de greve.

Só que os “cinicalistas” continuarão de braços cruzados, no que se refere à limpeza da panfletagem e “emporqueamento” que fizeram na porta das agências.

Eles são lindos demais para esse trabalho “sujo”.

O pessoal terceirizado que trate de limpar o que eles emporcalharam.

Ah, e os “cinicatos”, claro, são contra os terceirizados…

Todos os anos a mesma conversa. Outubro é o mês das férias coletivas dos bancários.

Anúncios

as asquerosas garrafinhas de água – squeezes

Já reclamei em algum lugar ( também aqui) sobre essa abominável garrafinha de água (squeezes, tão utilizadas pelos “ginastas acadêmicos”, pelos bicicleteiros e pelos caminhadeiros) que as pessoas usam, com as mãos emporcalhadas, porque “precisam se hidratar” (como se isso não fosse possível de ser feito em casa ou no trabalho, só quando estão exibindo-se para os outros).

Essas pessoas, tão “perfeitas” ainda não descobriram que há uns 4.000 anos foi inventada uma coisa chamada vidro, muito menos poluente do que o plástico e seus assemelhados. Sabe do que mais: além de não ser criadouro de bactérias, o vidro é reciclável! Quem diria…

.
http://www.ecycle.com.br/component/content/article/67-dia-a-dia/2875-descubra-os-perigos-de-reutilizar-sua-garrafinha-de-agua.html

Eu tenho um desses squeezes – uso para guardar água, se por acaso precisar colocar água no borrifador do limpador de pára-brisas.

Os eco-chatos, eco-bobos e eco-cretinos que se exibem, porém, tem uma nova maneira de beber água: ao invés de goles moderados garganta abaixo, como sempre se fez na história da espécie humana, eles ingerem um pouco de água, fazem bochechos, sabe-se lá com que objetivo, e depois engolem com ar de sei lá o quê – insatisfação, pseudo-superioridade,…
Será que eu deixei deixei de aprender algo em alguma aula contemporânea sobre a nova  forma saudável de ingestão de água ou líquidos ?

Sempre bebi água em goles, antes de sair, e quando volto. Deve ser por isso que já passei dos 60 anos.

Quanto aos exibicionistas dos hábitos, isso mesmo, recicle e junte bactérias,
ou então jogue no lixo e aumente a poluição.
A prefeitura depois limpa, né mesmo?
Não é para isso que você paga impostos?

garrafaspetnosrios

Garrafinhas de água: mais sujas do que mouses e celulares, com a diferença que são criadouro de bactérias.
Gente PORCA!

ué, madama prefeita, cadê a liberdade de expressão?

Madama hidalgo, prefeita de pariz, reclamou e vai processar a Foxnews (a inimiga do obaminha, aquele que disse que a framssa é o amigo número 1), porque em matéria noticiou que há lugares na cidade-perfume (por falta de banho) que devem ser evitados pelos turistas.

Insultos? Onde? Desde quando dizer a verdade é insulto?

E a tal liberdade de expressão que na semana retrasada era o máximo do máximo dos provérbios ?

No dos outros é refresco.

Pois dona hidalgo, cancelei minha viagem à framssa que faria este ano. Tua asquerosa e mal cheirosa atitude reforçou minha convicção de que a framssa é um país da terceira divisão querendo dar regras aos outros.
Há outros lugares na Europa muito mais interessantes, menos xenófobos, e com gente menos mesquinha do que teus co-nacionais. Já estavam em meu roteiro. Passarei mais tempo neles, com o corte da passagem por essa gália “perfumada”.

Vá cuidar de Muroroa e de outros lugares onde vocês despejaram toneladas de bombas atômicas.
Vá cuidar da CONStrução do HAITI, da Guiné, do Congo, do Gabão, e de tantos outros lugares que VOCÊS, framssezinhos perfumados, destruíram.

Veja o filminho do youtube, talvez abra alguma coisa em teu cèrebrozinho atrofiado.

Eu também tenho direito a me expressar, madama prefeita.

Febeapá

Terminou ontem o festival de besteiras que assola o país, o famoso febeapá, coroada com a “grande festa DEMO-crática” que não tira o país do atoleiro.

A sujeira de santinhos nas ruas é o mesmo que a sujeira que os diabinhos farão a partir de janeiro nos legislativos, com seus eternos capitães hereditários, e também os artistas e religiosos de reputação duvidosa entre eles.

Assim naufraga o país.

Sujismundo

Havia na década de 1970 um personagem que ilustrava o tipo porcalhão e bagunceiro que faz parte de “nosso perfil do brasileiro cordial”. Era o Sujismundo, um boneco que ilustrava uma campanha institucional que dizia “Povo desenvolvido é povo limpo”.

Hoje em dia, passados mais de 40 anos, vê-se que a campanha, que durou mais de seis anos, não deixou muitos frutos.

Jornais publicam todos os dias reclamações de alguns moradores das cidades sobre lixo abandonado nas esquinas ou atirados em córregos.

A queixa é sempre a mesma: “a prefeitura não limpa”.

Parece até que o lixo (sofás, caixas de papelão, aparelhos eletrônicos inúteis, etc..) nasceu ali. Ninguém os colocou, claro, todo mundo é inocente. Só as prefeituras e os garis, esses seres desprezados e odiados por Boris Casoy, é que têm culpa.

Esses cidadãos tão preocupados com a limpeza das ruas podiam também fazer plantão e fotografar o vizinho canalha que deixa no local aquele lixo todo. Melhor do que reclamar no jornal.

Hoje, durante almoço com amigos, comentaram sobre “madames” e “garotões sarados” que atiram pedaços de sanduíche nas ruas, não poucas vezes pelas janelas de seus carrões. “Patricinhas” que atiram papel de sorvete na calçada, ou que não limpam as queridas fezes de seus auauzinhos tão lindos, “né filhinho”, deixadas em tudo quanto é canto da cidade.

Sujismundo parece ter se multiplicado.

Claro, em 1960 a população brasileira era de “apenas”  70 milhões de habitantes, e tinha saltado para 94 milhões em 1970. Hoje em dia somos mais de 202 milhões, com reprodução desassistida em todo lugar. Fazer filho claro que é fácil. Dizem que até é gostoso. Deve ser, pelo modo inconseqüente com que é feito. Ruim é ter de educar essa filharada. “Cadê o governo que não faz escolas que prestem?”

A culpa é sempre dos governos…
“Eu quero meus direitos.” Só que viver em sociedade acarreta muitos deveres, e isso boa parte da população finge não saber.

Imagem

Não pode e não quero.

no pub

Como eu venho dizendo há anos…

alguém começa a ter a lucidez de proibir essas nojentas garrafinhas de água.

Leia a notícia completa no link inserido nesta linha:

Fora uma coisa que ainda não é devidamente levada em consideração:

já viu que coisa mais insalubre do que alguém pegar da mochila uma garrafa plástica, abri-la com a mão suja, e beber o líqüido com a boca diretamente naquela imundície?

Pois é a cena diária a que assistimos em todas as cidades brasileiras.

Não basta o lixo que essas garrafas produzem, ainda por cima temos de conviver com a sujeita das mãos sujas, em garrafas sujas, em mochilas que nunca foram lavadas.

Haja bactérias para tudo isso…

Nuvem de tags