Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘trabalho’

Utopia ou distopia?

Recebi por whatsapp este texto:

Em 1998, a Kodak tinha 170 mil funcionários e vendia 85% do papel fotográfico utilizado no mundo. Em apenas 3 anos, o seu modelo de negócio foi extinto e a empresa desapareceu. O mesmo acontecerá com muitos negócios e indústrias nos próximos 10 anos e a maioria das pessoas nem vai se aperceber disso. As mudanças serão causadas pelo surgimento de novas tecnologias.

Conforme exposto na Singularity University Germany Summit, em abril deste ano, o futuro nos reserva surpresas além da imaginação. A taxa de inovação é cada vez mais acelerada e as futuras transformações serão muito mais rápidas que as ocorridas no passado. Novos softwares vão impactar a maioria dos negócios e nenhuma área de atividade estará a salvo das mudanças que virão. Algumas delas já estão acontecendo e sinalizam o que teremos pela frente. O UBER é apenas uma ferramenta de software e não possui um carro sequer, no entanto, constitui hoje a maior empresa de táxis do mundo. A Airbnb é o maior grupo hoteleiro do planeta, sem deter a propriedade de uma única unidade de hospedagem.

Nos EUA, jovens advogados não conseguem emprego. A plataforma tecnológica IBM Watson oferece aconselhamento jurídico básico em poucos segundos, com precisão maior que a obtida por profissionais da área. Haverá 90% menos advogados no futuro e apenas os especialistas sobreviverão. Watson também orienta diagnósticos de câncer, com eficiência maior que a de enfermeiros humanos. Em 10 anos, a impressora 3D de menor custo reduziu o preço de US$18.000 para US$400 e tornou-se 100 vezes mais rápida. Todas as grandes empresas de calçados já começaram a imprimir sapatos em 3D. Até 2027, 10% de tudo o que for produzido será impresso em 3D. Nos próximos 20 anos, 70% dos empregos atuais vão desaparecer.

Em 2018, os primeiros carros autônomos estarão no mercado. Por volta de 2020, a indústria automobilística começará a ser desmobilizada porque as pessoas não necessitarão mais de carros próprios. Um aplicativo fará um veículo sem motorista busca-lo onde você estiver para leva-lo ao seu destino. Você não precisará estacionar, pagará apenas pela distância percorrida e poderá fazer outras tarefas durante o deslocamento. As cidades serão muito diferentes, com 90% menos carros, e os estacionamentos serão transformados em parques. O mercado imobiliário também será afetado, pois, se as pessoas puderem trabalhar enquanto se deslocam, será possível viver em bairros mais distantes, melhores e mais baratos. O número de acidentes será reduzido de 1/100 mil km para 1/10 milhões de km, salvando um milhão de vidas por ano, em todo o mundo. Com o prêmio 100 vezes menor, o negócio de seguro de carro será varrido do mercado.

Os fabricantes que insistirem na produção convencional de automóveis irão à falência, enquanto as empresas de tecnologia (Tesla, Apple, Google) estarão construindo computadores sobre rodas. Os carros elétricos vão dominar o mercado na próxima década. A eletricidade vai se tornar incrivelmente barata e limpa. O preço da energia solar vai cair tanto que as empresas de carvão começarão a abandonar o mercado ao longo dos próximos 10 anos. No ano passado, o mundo já instalou mais energia solar do que à base de combustíveis fósseis. Com energia elétrica a baixo custo, a dessalinização tornará possível a obtenção de água abundante e barata.

No contexto deste futuro imaginário, os veículos serão movidos por eletricidade e a energia elétrica será produzida a partir de fontes não fósseis. A demanda por petróleo e gás natural cairá dramaticamente e será direcionada para fertilizantes, fármacos e produtos petroquímicos. Os países do Golfo serão os únicos fornecedores de petróleo no mercado mundial. Neste cenário ameaçador, as empresas de O&G que não se verticalizarem simplesmente desaparecerão.

No Brasil, o modelo de negócio desenhado para a Petrobras caminha no sentido oposto. Abrindo mão das atividades que agregam valor ao petróleo e abandonando a produção de energia verde, a Petrobras que restar não terá a mínima chance de sobrevivência futura. A conferir.

(Publicado na revista Brasil e Energia Petróleo e Gás, edição de dez/2016)

 

Será que esse futuro é utópico ou uma distopia?
Não duvido que, no Brasil, para contrabalançar esse descarte de profissões, façam leis impedindo que tenham qualquer direito pessoas sem carteiras de corporações profissionais mafiosas ou sindicais (o que dá no mesmo).

Pergunto-me, porém, o que será feito com o excedente populacional no planeta? Serão triturados e servirão de base nutricional para os mais capacitados?  Não duvido.

 

Anúncios

Nota de falecimento

Soube hoje de manhã que eu morri.
É verdade!

Um ex-funcionário terceirizado foi ontem ao local onde trabalhei, e lá disseram a ele que eu tinha morrido.
Deram até detalhes:
morri em São Paulo, há uns seis meses, de um derrame.

Como nós tínhamos conversado na véspera,
ele caiu na risada, porque descobriu que tinha falado com uma assombração.

Deixei tanta saudade no antigo trabalho, que até se lembram de me matar…

Não duvido que até para uns de vocês, aí do outro lado da tela, isso também seria um desejo.

O que mais estranhei foi que eu mesmo não encontrei o anúncio de minha morte.
Povo mau. Nem para anunciar tão grande evento…
Vou morrer no esquecimento, igualzinho à nossa senhora das pedaladas.

Bem, depois de ter mandado este texto a alguns amigos, recebi várias respostas, dentre as quais a que considerei a representativa de todas:

Por favor, transmita meus sinceros pêsames à sua família! Por favor, continue escrevendo para mim. Pode ser através de e-mails psicografados.

Sistema ONU

Já escrevi algumas vezes; TENHO NOJO do sistema ONU, essa gigantesco cabide de empregos que come dinheiro de pessoas de todo o mundo, para realizar reuniões que nunca dão outro resultado que o de papéis e agendamento de novas reuniões – de preferência em outro ponto turístico.

Encontro no mesmo site duas notícias:

o funcionário da ONU responsável por Operações de Campo do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Anders Kompass entregou o cargo em protesto contra a “total impunidade envolvendo os casos de estupros de crianças, confirmados, realizados por tropas dessa mesma ONU e seus soldados de capacetes azuis em atuação no Congo Kinshasa e na República Centro-Africana;

e enquanto isso o diretor da OIT, Guy Ryder, disse que “é inaceitável” que o trabalho infantil seja ainda uma realidade para 168 milhões de crianças no mundo, das quais 85 milhões realizam tarefas perigosas.

Claro, trabalhar é ruim. Bom é servir de bucha de soldado, ou de aviãozinho para traficante, né mesmo, seu bosta que fala de direitos mas nunca lembra dos deveres – e sobretudo dos deveres do próprio organismo internacional. Quem realiza tarefa mais perigosa: os “soldadinhos” do tráfico ou os objetos sexuais dos “soldados” da ONU? E o Guy vem falar de “regime de escravidão”, “cara pálida”?

Repito: TENHO NOJO DA ONU. Anders Kompass certamente se sentiu peixe fora d’água e teve a integridade de caráter de pedir demissão. Os outros, as ratazanas dos outros organismos do sistema ONU, esses continuam a mamar seus altos salários e vantagens.
E não venha você com a respostinha hipócrita dos polìticamente corretos de que são assuntos diferentes, PORQUE NÃO SÃO.  É tudo abuso!

De boas intenções todos os dias o inferno se enche mais um pouco, mr. guy.

Aliás, já escrevi antes: nunca antes na história das relações internacionais o planeta esteve tão ruim desde que esse coreanozinho inútil assumiu a secretaria-geral da o-NU. Não seria tão ruim se o SG fosse aquele outro, com cara de maluco.

 

O despreparo da geração mais preparada

Em função do post “a nova classe trabalhadora“, enviaram-me este artigo de Eliane Brum, publicado na revista Época:

“A crença de que a felicidade é um direito tem tornado despreparada a geração mais preparada”

Ao conviver com os bem mais jovens, com aqueles que se tornaram adultos há pouco e com aqueles que estão tateando para virar gente grande, percebo que estamos diante da geração mais preparada – e, ao mesmo tempo, da mais despreparada. Preparada do ponto de vista das habilidades, despreparada porque não sabe lidar com frustrações. Preparada porque é capaz de usar as ferramentas da tecnologia, despreparada porque despreza o esforço. Preparada porque conhece o mundo em viagens protegidas, despreparada porque desconhece a fragilidade da matéria da vida. E por tudo isso sofre, sofre muito, porque foi ensinada a acreditar que nasceu com o patrimônio da felicidade. E não foi ensinada a criar a partir da dor.
Há uma geração de classe média que estudou em bons colégios, é fluente em outras línguas, viajou para o exterior e teve acesso à cultura e à tecnologia. Uma geração que teve muito mais do que seus pais. Ao mesmo tempo, cresceu com a ilusão de que a vida é fácil. Ou que já nascem prontos – bastaria apenas que o mundo reconhecesse a sua genialidade.

Tenho me deparado com jovens que esperam ter no mercado de trabalho uma continuação de suas casas – onde o chefe seria um pai ou uma mãe complacente, que tudo concede. Foram ensinados a pensar que merecem, seja lá o que for que queiram. E quando isso não acontece – porque obviamente não acontece – sentem-se traídos, revoltam-se com a “injustiça” e boa parte se emburra e desiste.

Como esses estreantes na vida adulta foram crianças e adolescentes que ganharam tudo, sem ter de lutar por quase nada de relevante, desconhecem que a vida é construção – e para conquistar um espaço no mundo é preciso ralar muito. Com ética e honestidade – e não a cotoveladas ou aos gritos. Como seus pais não conseguiram dizer, é o mundo que anuncia a eles uma nova não lá muito animadora: viver é para os insistentes.

Por que boa parte dessa nova geração é assim? Penso que este é um questionamento importante para quem está educando uma criança ou um adolescente hoje. Nossa época tem sido marcada pela ilusão de que a felicidade é uma espécie de direito. E tenho testemunhado a angústia de muitos pais para garantir que os filhos sejam “felizes”. Pais que fazem malabarismos para dar tudo aos filhos e protegê-los de todos os perrengues – sem esperar nenhuma responsabilização nem reciprocidade.

É como se os filhos nascessem e imediatamente os pais já se tornassem devedores. Para estes, frustrar os filhos é sinônimo de fracasso pessoal. Mas é possível uma vida sem frustrações? Não é importante que os filhos compreendam como parte do processo educativo duas premissas básicas do viver, a frustração e o esforço? Ou a falta e a busca, duas faces de um mesmo movimento? Existe alguém que viva sem se confrontar dia após dia com os limites tanto de sua condição humana como de suas capacidades individuais?

Nossa classe média parece desprezar o esforço. Prefere a genialidade. O valor está no dom, naquilo que já nasce pronto. Dizer que “fulano é esforçado” é quase uma ofensa. Ter de dar duro para conquistar algo parece já vir assinalado com o carimbo de perdedor. Bacana é o cara que não estudou, passou a noite na balada e foi aprovado no vestibular de Medicina. Este atesta a excelência dos genes de seus pais. Esforçar-se é, no máximo, coisa para os filhos da classe C, que ainda precisam assegurar seu lugar no país.

Da mesma forma que supostamente seria possível construir um lugar sem esforço, existe a crença não menos fantasiosa de que é possível viver sem sofrer. De que as dores inerentes a toda vida são uma anomalia e, como percebo em muitos jovens, uma espécie de traição ao futuro que deveria estar garantido. Pais e filhos têm pagado caro pela crença de que a felicidade é um direito. E a frustração um fracasso. Talvez aí esteja uma pista para compreender a geração do “eu mereço”.

Basta andar por esse mundo para testemunhar o rosto de espanto e de mágoa de jovens ao descobrir que a vida não é como os pais tinham lhes prometido. Expressão que logo muda para o emburramento. E o pior é que sofrem terrivelmente. Porque possuem muitas habilidades e ferramentas, mas não têm o menor preparo para lidar com a dor e as decepções. Nem imaginam que viver é também ter de aceitar limitações – e que ninguém, por mais brilhante que seja, consegue tudo o que quer.

A questão, como poderia formular o filósofo Garrincha, é: “Estes pais e estes filhos combinaram com a vida que seria fácil”? É no passar dos dias que a conta não fecha e o projeto construído sobre fumaça desaparece deixando nenhum chão. Ninguém descobre que viver é complicado quando cresce ou deveria crescer – este momento é apenas quando a condição humana, frágil e falha, começa a se explicitar no confronto com os muros da realidade. Desde sempre sofremos. E mais vamos sofrer se não temos espaço nem mesmo para falar da tristeza e da confusão.

Me parece que é isso que tem acontecido em muitas famílias por aí: se a felicidade é um imperativo, o item principal do pacote completo que os pais supostamente teriam de garantir aos filhos para serem considerados bem sucedidos, como falar de dor, de medo e da sensação de se sentir desencaixado? Não há espaço para nada que seja da vida, que pertença aos espasmos de crescer duvidando de seu lugar no mundo, porque isso seria um reconhecimento da falência do projeto familiar construído sobre a ilusão da felicidade e da completude.

Quando o que não pode ser dito vira sintoma – já que ninguém está disposto a escutar, porque escutar significaria rever escolhas e reconhecer equívocos – o mais fácil é calar. E não por acaso se cala com medicamentos e cada vez mais cedo o desconforto de crianças que não se comportam segundo o manual. Assim, a família pode tocar o cotidiano sem que ninguém precise olhar de verdade para ninguém dentro de casa.

Se os filhos têm o direito de ser felizes simplesmente porque existem – e aos pais caberia garantir esse direito – que tipo de relação pais e filhos podem ter? Como seria possível estabelecer um vínculo genuíno se o sofrimento, o medo e as dúvidas estão previamente fora dele? Se a relação está construída sobre uma ilusão, só é possível fingir.

Aos filhos cabe fingir felicidade – e, como não conseguem, passam a exigir cada vez mais de tudo, especialmente coisas materiais, já que estas são as mais fáceis de alcançar – e aos pais cabe fingir ter a possibilidade de garantir a felicidade, o que sabem intimamente que é uma mentira porque a sentem na própria pele dia após dia. É pelos objetos de consumo que a novela familiar tem se desenrolado, onde os pais fazem de conta que dão o que ninguém pode dar, e os filhos simulam receber o que só eles podem buscar. E por isso logo é preciso criar uma nova demanda para manter o jogo funcionando.

O resultado disso é pais e filhos angustiados, que vão conviver uma vida inteira, mas se desconhecem. E, portanto, estão perdendo uma grande chance. Todos sofrem muito nesse teatro de desencontros anunciados. E mais sofrem porque precisam fingir que existe uma vida em que se pode tudo. E acreditar que se pode tudo é o atalho mais rápido para alcançar não a frustração que move, mas aquela que paralisa.

Quando converso com esses jovens no parapeito da vida adulta, com suas imensas possibilidades e riscos tão grandiosos quanto, percebo que precisam muito de realidade. Com tudo o que a realidade é. Sim, assumir a narrativa da própria vida é para quem tem coragem. Não é complicado porque você vai ter competidores com habilidades iguais ou superiores a sua, mas porque se tornar aquilo que se é, buscar a própria voz, é escolher um percurso pontilhado de desvios e sem nenhuma certeza de chegada. É viver com dúvidas e ter de responder pelas próprias escolhas. Mas é nesse movimento que a gente vira gente grande.

Seria muito bacana que os pais de hoje entendessem que tão importante quanto uma boa escola ou um curso de línguas ou um Ipad é dizer de vez em quando: “Te vira, meu filho. Você sempre poderá contar comigo, mas essa briga é tua”. Assim como sentar para jantar e falar da vida como ela é: “Olha, meu dia foi difícil” ou “Estou com dúvidas, estou com medo, estou confuso” ou “Não sei o que fazer, mas estou tentando descobrir”. Porque fingir que está tudo bem e que tudo pode significa dizer ao seu filho que você não confia nele nem o respeita, já que o trata como um imbecil, incapaz de compreender a matéria da existência. É tão ruim quanto ligar a TV em volume alto o suficiente para que nada que ameace o frágil equilíbrio doméstico possa ser dito.

Agora, se os pais mentiram que a felicidade é um direito e seu filho merece tudo simplesmente por existir, paciência. De nada vai adiantar choramingar ou emburrar ao descobrir que vai ter de conquistar seu espaço no mundo sem nenhuma garantia. O melhor a fazer é ter a coragem de escolher. Seja a escolha de lutar pelo seu desejo – ou para descobri-lo –, seja a de abrir mão dele. E não culpar ninguém porque eventualmente não deu certo, porque com certeza vai dar errado muitas vezes. Ou transferir para o outro a responsabilidade pela sua desistência.

Crescer é compreender que o fato de a vida ser falta não a torna menor. Sim, a vida é insuficiente. Mas é o que temos. E é melhor não perder tempo se sentindo injustido porque um dia ela acaba.”

 

A nova classe trabalhadora

Na sexta-feira, conversei com um “jovem” de 31 anos, formado em Propaganda e Marketing.
Nunca trabalhou na área – ó mundo cruel.
No ano passado, fez trabalhos de corretagem de imóveis, e gastava lindos ternos e gravatas, além de precisar estar sempre com o tanque do carro cheio, para levar os “interessados” para visitar os imóveis.
No tempo em que ficou nessa in-atividade, conseguiu realizar uma transação, e ficou não sei quantos outros meses com o dinheiro da mamãe, que lhe envia regularmente dinheirinho para o “menino” se manter, e a casa (dela) onde ele mora.

Descobri em novembro, que ele estava “no desvio” (como minha avó chamava os desempregados), porque, durante uma conversa, a namorida dele sugeriu que ele fizesse uma viagem, para “desestressar”.
Falei com uma conhecida que é dona de livraria, e ela disse que precisava de empregados temporários, para o período nata / novo ano letivo. O “menino”  foi entrevistado e passou a receber R$ 900,00 mensais, mais o tal vale-transporte e o vale-alimentação.
Ele gostou e começou o trabalho. Gostou do ambiente, dos colegas, e das tarefas na livraria. Mas a namorida não gostou. Trocou um namorido que usava carro e terno, por um sujeito “sem ambição” que usava ônibus e trabalhava de jeans e camiseta branca. Ela, como eu sabia, tinha uma ocupação muito mais “atuante” – era recepcionista de academia de ginástica!

Bem, ela começou a dormir com macacão de jeans, brigaram, ela foi embora, e nos três dias seguintes ele não foi ao trabalho. A dona da livraria tentou falar com ele, mas não conseguiu. Ele estava ocupado demais chorando.
Por fim ele apareceu, se lamentando que na partilha dos bens a ex-namorida ficou com um dos cachorros, e em seguida pediu demissão do emprego.
O que vai fazer agora? Nada. Viver pendurado no dinheiro da mãe e no amor da avó (que mora perto).
Vai estudar para todos os concursos que existem na Terra (que os alemães muito apropriadamanete chamam de Erde). Isso dá status.
Ele disse que precisa de “estabilidade”. Que trabalhar em empresa é muito “instável e arriscado”.
Eu sugeri ao “menino” que leve o colchão para a frente da casa e ponha fogo nele, para se livrar dos maus espíritos que a namorida deixou lá.

No início da noite do sábado, reencontrei um nem-nem.
Tem 26 anos, é formado há três anos em engenharia mecânica, e nem estuda nem trabalha. É concurseiro.
Disse que prestou há uns dias um concurso, mas o salário é muito baixo: apenas R$ 4.000,00.
Papai e mamãe, vovô e vovó bancam todas as despesas do engenheiro. Uma pena que eles não soubessem que engenharia mecânica não tem mercado de trabalho em Brasília, pois as indústrias de subornos estão com os quadros de servidores completos.
E nem pensar em morar em se aventurar a morar em outra cidade, longe daqueles que são dependentes afetivos do rapaz! (Pais e avós são devidamente chantageados por esse tipo de filhinhos, e tornam-se dependentes.)
Eu lhe sugeri que procurasse emprego no gabinete do senador Delcídio Amoral, para analisar projetos de construção de pontes e vias expressas no curral eleitoral no Mato Grosso do Sul. Ao menos estará na atividade de engenharia.

Mais tarde, no mesmo sábado à noite, em uma reunião de amigos, havia um garoto que acompanhava os pais, e soube que ele vai prestar vestibular para engenharia, e depois se mudar para Suíça, onde pagam melhor. No meio da conversa, ele mostrou que os conhecimentos do vestibulando levam-no a pensar que Bois nos Ares ficasse no Mexe-ku. Afinal de contas, com diz o pai, injenhêru num priciza di jografia.

Isso tudo me fez lembrar de minha vida quando eu estava na fase de conclusão da faculdade.
Eu fazia um estágio no INPS, durante a manhã, onde ganhava MEIO SALÁRIO MÍNIMO. Não havia nem essa bobagem frescurosa de vale-alimentação, nem vale-transporte, nem alguém jamais chegou a cogitar que houvesse essa anomalia de “passe livre”. Quando eu saía desse estágio, parava em uma padaria, comia alguma coisa, e ia para o outro estágio, onde recebia mais MEIO SALÁRIO MÍNIMO. Como eu estava bem, comparado com muitos dos colegas da faculdade!
Passados seis meses, o pessoal do segundo estágio me ofereceu um cargo de auxiliar técnico, em regime de 8 horas, e eu ganhava 3.200 patacas (não sei qual era a moeda daquela época, merréis, cruzetas, libras brazucas, …), que equivaliam a quase US$ 300!!! Eu era um milionário! Hoje em dia, corrigindo a inflação de 326% deixada ao mundo pelos presidentes mau-cárter, bushão, pinton, bushinho e obanana inflação aquele dinheiro equivaleria a US$ 1.244, que transformados em patacas ir-reais dariam cerca de R$ 4.960,00.
Sem incluir os infames vale-transporte e auxílio-alimentação, a que eu teria “deretchu”.

Como vêem, o MUndo MUdou MUito nestes 40 anos.
Para pior, é claro.
E os nem-nem ficam em casa para estudar para concursos, afinal de contas, essa laia de empregados públicos, que não gera nada exceto despesas, tem estabilidade… Vide a Grécia!

A nova cráçi trabaiadôra quer muito status, todos os deretchus, mas não gosta de enfrentar um buzão cheio, ou ganhar menos de cem mil dólares por semestre (para ter grana para gastar em uma viagem no semestre seguinte).

Como dizem os alemães, que Erde…

“meus colaboradores”

Se há algo que abomino é a hipócrita linguagem “empresarial” de chamar funcionários de “colaboradores”.

Pode funcionar em alemão – Mitarbeiter, e talvez em uma aula de etimologia, no sentido de que co-laborador é quem trabalha com outrem.

Pergunto, porém, o que há de errado em chamar alguém de funcionário?

Funcionário é quem tem uma função.
Para exercê-la, essa pessoa teve a carteira de trabalho assinada e recebe um salário.Trabalha não por colaboração, mas por necessidade, e de acordo com as leis trabalhistas.

A palavra “colaborador” é a coisa mais hipócrita que um chefe pode dizer a respeito de alguém que está na equipe de trabalho.

Pior, na maioria das vezes, o chefe é também um funcionário da empresa.
É com esta que existe o vínculo de trabalho entre o funcionário e o “chefelho”.
Esse aí, pode ser substituído a qualquer momento, até mesmo se for um incompetente filho do patrão.

Colaborador é aquele sujeito que, no meio de uma mudança, quer ajudar os vizinhos e derruba a caixa com os cristais.

Por isso, não admito ouvir um gerente dizendo “meus colaboradores”.
“meus quem?”, cara pálida.Não são teus, são da empresa.

O tal gerente que estufa o peito para repetir esse jargão de “empresa globalizada” tem de tomar cuidado, porque uma hora dessas levará um belo chute no traseiro. Esse tipo de organização, que ensina essa besteirol nas reuniões de Recursos Humanos, não se preocupa muito com o que o funcionário Já Fez, mas sim com o que ela Pode Fazer no futuro. Puro jogo de interesses.
Uma hora dessas, vai sobrar para o tal gerente.
É a “política de pessoal”  de todas as empresas que rotulam funcionários de “colaboradores”.  Só falta aparecer uma cheerleader para fazer aqueles treinamentos motivacionais, que deixam os funcionários estressados e a clientela esperando. Já vi esse filme…

Não adianta cair nessa conversa de se iludir com estar “bem cotado” pela empresa.
O que importa de verdade é ter boa reputação para obter trabalho em qualquer organização, a qualquer hora, e não ficar de peito estufado para atingir “metas da empresa”. Nem sempre elas são as metas e os objetivos do Funcionário.

Conheço uma pessoa muito capaz, gerente de uma agência de um certo banco internacional, que pediu demissão.
Disseram a ela:- Mas você tem o perfil de colaborador que queremos!
E como resposta ouviram:
– Esta instituição é que não tem o perfil de onde quero trabalhar.
Essa pessoal, por sinal, está muito melhor colocada em outro lugar, atualmente.

Prevenção

Algumas vezes escuto uma propaganda do tribunal do trabalho dizendo que a prevenção é o melhor caminho (para evitar acidentes).
Acidentes não acontecem por acaso: acidentes acontecem por descaso.

Não lembraram de prevenir os gigantescos roubos havidos na construção do prédio em São Paulo. Puro descaso.

Será que a população já esqueceu?
Acho que não… só os juízes do referido tribunal.

Nuvem de tags