Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘viagem’

Tripadvisor

Tripadvisor, o pior conselheiro que alguém pode ter sobre viagens e passeios no Brasil.

Já escrevi sobre isso em outro blogue várias vezes, mas acho necessário colocar aqui também, para maior divulgação.

Estive na cidade de Goiás, no final de março, por conta das festas religiosas de Semana Santa, que são parte do patrimônio cultural do Brasil.
Fiz também incríveis passeios pela Serra Dourada (que não é o estádio em Goiânia), e por uma trilha que é parte da Estrada Colonial, usada por bandeirantes e escravos no século XVIII.
Gostei muito dessa estada (esta foi a quinta vez em que fui à cidade de Anhangüera, da poetisa Cora Coralina e da artista plástica Goiandira do Couto), e depois quis dar uma olhada nas tripas aí vai sô, para voltar em maio ou junho, e talvez buscar outro lugar para hospedagem, mais próximo à cidade.

O que me chamou a atenção, porém, não foram as alternativas, mas os erros grotescos do site. Típicos de quem só faz turismo no ar condicionado de uma avenida de São Paulo.

Uma das alternativas de hospedagem que o site dá fica na Vila São Jorge, Alto Paraíso, Chapada dos Veadeiros, no nordeste do Estado, distante quase 500km da cidade de Goiás, que fica no oeste.

google maps São Jorge – Goiás

Outra alternativa é um hotel em Caldas Novas, no sul goiano, a mais de 300 km.

google maps Caldas Novas – Goiás

Fora esses “detalhes”,  vi que o Centro Histórico da cidade de Goiás está com o mapa do centro de Porto Alegre – RS !!!! RS de Rio Grande do Sul, não de risos, porque é para chorar…

Vi também que eles indicam um museu que, pelo CEP 78790, fica em Itiquira, Mato Grosso!

E sugerem visita ao teatro São Joaquim, que foi demolido por não fazer parte das construções tombadas pelo IPHAN e pela UNESCO!

Como não é primeira vez que “cometeram um equívoco”, nem será a última, melhor alertar o maior número de pessoas:

TripAdvisor é roubada!

Já fui parar em uma loja de roupas infantis, seguindo as dicas de restaurante em Brasília.

Eles insistem em elencar como opção de hospedagem em Brasília um hotel que está abandonado e virou antro de “movimentos sociais”! Até já mandei links com notícias relativas a isso, mas claro que as sumidades do turismo não se deram ao trabalho de checar. Provàvelmente estavam ocupados/as  com algum site de relacionamento, como o tinder.

Fiz day use em um hotel e não publicaram meu comentário elogioso, pois não tinha me hospedado, apesar de essa modalidade de utilização ser parte da propaganda do estabelecimento.

Dentre dúzias de outros erros grotescos. que resumi algumas vezes:

https://bocadeconsumidor.wordpress.com/2015/09/26/tripadvisor/

https://bocadeconsumidor.wordpress.com/2015/10/24/trip-advisor-2/

https://bocadeconsumidor.wordpress.com/2015/10/26/trip-advisor-3/

https://bocadeconsumidor.wordpress.com/2015/10/27/trip-advisor-4/

https://bocadeconsumidor.wordpress.com/2016/01/19/trip-advisor-o-pior-advisor-que-alguem-pode-usar-macieo-e-chez-michou/

https://boppe.wordpress.com/2014/05/10/guias-para-turistas/

Se a equipe do ar condicionado acredita que o mundo se resume às compras que faz em “meame” ou no panamá, às praias de ibiza, ou passeios pela poluição violenta das metrópoles carioco-paulistanas, por favor, deixem que pessoas mais interessadas em viagens cuidem do site.
Para essas desprezíveis pessoas, São José dos Campos, São José do Rio Preto, e São José do Vale do Rio Preto, devem ser tudo a mesma coisa, né mermo?

Para que se preocupar em consultar outras fontes de informaçção e checar o LIXO que fazem, misturando tudo.

E que parem de dar respostinhas padronizadas, de quem sequer teve a intelijumência de entender o que foi escrito na observação sobre as falhas. Só demonstra, mais uma vez, a falta de conhecimento para se qualificar para esse trabalho. E basta de se protegerem atrás da hipocrisia da “correção política”.

gente burra e arrogante

a equipinico do tripa aí vai sô é um grande exemplo dessa laia.

 

ONU?

um desses nababos da ONU disse que é cruel a situação em prisões do Brasil.

snif snif snif snif

O que será que ele tem a dizer da situação dos abusos sexuais que os funcionários da ONU fazem?

Nos primeiros 20 anos, a ONU – e seus organismos especializados – desempenhavam papel na manutenção da paz mundial.
Nos últimos 20 anos, a ONU – e seus penduricalhos – são vergonhosos cabides de empregos, onde “experts” produzem papéis, reuniões e viagens, e deixam tudo pior do que está.

Os escândalos envolvendo o sistema ONU são vários: Ruanda, Iugoslávia, Nigéria, Sudão, …

Já repararam que, desde que a “xineza de king-kong” Margaret Chan assumiu a organização mundial da doença, “nunca antes neste planeta” surgiram tantas explicações mal explicadas, sobre surtos de doenças?

Já repararam que a organização internacional da vagabundagem (OIT) só faz relatórios coitadistas sobre o trabalho?

Já repararam que o comércio internacional funciona APESAR da desorganização mundial sediada em Genebra, com suas rodadas e rolês?

Já repararam que o “clima” tem se mantido apesar de todas as cop’s que fazem?  E lembram que o ex-dono do ipcc é mais um dos acusados de abusos sexuais?

Já repararam que as “crianças” e a “educação” são sempre “prioridades” e sempre são relegadas a trigentésimo-octogésimo-sexto plano?
Os escritórios do unicef e da unesco, em Brasília, já foram cenários de verdadeiras histórias de horror.

Conheci um consultor da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), que serviu no SUDÃO, e desistiu do trabalho, pois o que os colègüinhas gastavam com festas, para não ficarem entediados, daria para alimentar muitas pessoas que passavam fome naquela região em guerra civil.

Foi criada uma casta de “funcionários internacionais” que se julga acima dos reles cidadãos dos países membros.

A desunião européia, comandada por aquela alemoa e pelo francês hollande, apóia um bando de burocratazinhos em Bruxelas que se consideram os juízes do mundo. Eles decidem quem “é gente” e quem “é descartável”. Sírios e afegãos são tratados de formas tão díspares que dá para desconfiar de algo errado nas políticas da “zoropa”. (por uns passa petróleo, por outros não)

E o que podemos falar de nossos organismos regionais (organismos amebas, bactérias, vírus?), como oea, mercosul, unasul, e outras aberrações que servem para defender politicagem esquerdopata?

Por favor, vamos parar de dar crédito a esses aproveitadores que sustentam agências de viagens, e enriquecem as empresas de máquinas fotocopiadoras.

Ah, quanto às cadeias brasileiras, o problema delas é que nóçus polítikus ainda não moram lá, pois lugar de bandido não é no meio da sociedade.
As empreiteiras (e empreiteiros)  deveriam investir mais no próprio conforto.

Aberração

Descobri (ou melhor, comprovei) ontem que sou uma aberração.

Explico:

estava com um grupo de umas 12 pessoas,
e uma delas havia voltado de Buenos Aires.

Onde as coisas estão caras. Muito caras.
Ele comentou que o casal gastou uma média de 500 reais por dia, sem usar táxi, e tendo alugado apartamento pelo Airbnb.
Tiveram despesas com passeios e restaurantes, bàsicamente.

Mas disse também que tinha visto – no freeshop de Ezeiza – aquele abominável dulce de feche por US$ 35,00.  O mesmo que é vendido no super-mercado aqui ao lado por R$ 35,00.
Comentou também que teve de trazer aqueles abomináveis alfajores para dar de presente ao pessoal do trabalho.

Outras pessoas participando da conversa contaram de compras que fizeram em viagens recentes.
Perfumaria, cosméticos, roupas, vinhos, doces, tralhas eletrônicas, sei lá o que mais.

Aí eu vi o quanto sou aberrante.

Quando viajo, no máximo trago dois ou três livros e eventualmente uma peça de roupa, que faltou durante a viagem.
Presentes?
Ué, não me trouxeram nada, por que vou dar para os outros?

Não viajo para comprar tênis (no dia em que os que tenho estragarem em penso em outro par),
já tenho mais roupas do que preciso,
não trago tralhas eletrônicas que ficarão sem uso,
não compro vinhos,
nem entro em lojinhas de “artesanato” (made in China)  dos lugares onde passei.
A última vez que comprei um vidro de perfume foi há uns 8 anos.

Por que sair para compras nas viagens?

Economia ruim e vantagens pessoais

Encontrei vantagens pessoais com as notícias ruins a respeito da economia brasileira.

A conta de eletricidade subiu em média 30%, e vai subir mais até o final do ano.
Acredito que meu vizinho pare de assistir televisão, com volume alto, até as 2 h da manhã.
Poderei dormir mais tranqüilo.

O dólar nunca esteve tão alto nos últimos anos, e tende subir ainda mais.
A viagem que planejei ao exterior já está paga, e vou encontrar, nos aviões, menos famílias chatas, com crianças mal educadas e adultos que pensam apenas em fazer compras.

O que é ruim para uns, pode ser bom para outros.
Difícil mesmo é saber que em 2016 sentiremos saudade de 2015, que sabemos que será pior do que 2014, apesar de decorridos apenas dois meses…

Assim caminha a américa do sul…
Nada é tão ruim que não possa piorar.

A farra das passagens aéreas

Por conta da farra das passagens aéreas para os de-putados e todas as suas famílias (inclusive aquelas que “não constam” do imposto do renda), lembro:

– Andrew foi conhecer as Falkland Islands, pilotando helicóptero Sea King, a bordo do porta-aviões Invincible, durante a guerra dos ditadores argentinos;

– Harry quis ir ao Afeganistão; vovó Elizabeth disse: então vá pilotando seu próprio avião, e aproveite para caçar talibãs;

– o mesmo Harry desmanchou o namoro com a interesseira Cressida Bones, porque a periguete queria viajar em primeira classe para Miami, e ele tinha comprado passagem em classe econômica, e ia fazer a “pretendente à Casa de Windsor” pagar a passagem dela;

– nunca estive na Suécia, mas amigos meus relataram que viram a própria rainha Silvia na fila de embarque, como qualquer outro passageiro; não fura filas nem usa jatinhos do governo;

Angela Merkel foi passar férias com o marido na Itália – cada um em um vôo, pois ele descobriu uma passagem mais barata do que o que ele teria de pagar para pegar carona no avião em que a alemoa-chefa viajaria;

– lembram de um ministro brasileiro que foi passar carnaval em Fernando de Noronha com avião da FAB?

– lembram de um senador que foi fazer implante de cabelo com avião da FAB?

Pois é, essas são algumas comparações que podem ser feitas com relação às inesgotáveis mordomias de nossos políticos, e “aquela gente atrasada” do Velho Continente.

Não custa assistir de novo o vídeo que mostra os apartamentos funcionais

que os deputados ocupam em Estocolmo.

A interminável  reforma dos “modestos” apartamentos dos deputados brasileiros ainda não acabou… Passei por lá esta semana.

País rico é país onde os governantes usam transporte público.

País náufrago é aquele onde cachorros de governadores, amigos de filhos, etcéteras, usam jatinhos ou helicópteros do governo, e aspone de político pega carona em carro oficial para ir ao super-mercado.
Ou país onde juiz passeia com carrão pelas ruas (o famoso vale-transporsche), e usa veículo do tribunal de justiça para buscar criança em escolinha maternal (como já vi aqui na frente de meu apartamento!).

Ah, só para lembrar: no tempo em que Pedro II ainda estava no Rio de Janeiro, os deputados alugavam as próprias casas ou moravam em pensões – pagas pelo próprio bolso. Esse escândalo todo começou depois que o “presidente sorriso” deu um golpe nos cofres brasileiros, para transferir a capital para uma “cidade moderna”.

açougue para vegetarianos

Uma prima disse que vai a Montevidéu nos próximos dias
e eu me lembrei do Mercado del Puerto.

Bem, fui ao tripas-aí-vai-sô, e encontrei comentários de gente pobre metida a,
imagine só,
“jêntchi!”

Podem checar
http://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g294323-d314229-Reviews-Mercado_del_Puerto-Montevideo_Montevideo_Department.html

um bando de babacas da pior categoria opinando sobre os restaurantes do mercado, com coisas do tipo:

vegetarianos, fujam!
desagradável e muito perigoso (não há UPPs em Montevidéu!)
cheiro de fumaça (ele pensava que fosse fumaça de maconha, e ficou decepcionado com a fumaça de carne assada)
não tinha pizza (típico comentário de paulistano)

bem, como eu queria dizer a esses comentaristas:
procure sua raçãozinha de purina e pare de rosnar.

O mundo é um lugar muito chato, quando há vegetarianos por perto defecando seus cocôs de vista!

Lembrei de uma matéria que saiu uma vez em jornal europeu, em que algumas pessoas reclamavam que “the beach was too sandy“.
Quem não quer carne, que vá fazer turismo em um restaurante indiano.
Quem quer comer feijoada, não a procure em restaurante japonês.
Difícil é ensinar essas obviedades para quem se julga “jêntchi”.

Pior ainda é o trip-advisor não selecionar os comentários desses hanaufábétykqos da classe M-.
Perde a credibilidade, como aquela que foi atirada no lixo pelo mais conhecido guia de viagens do Brasil.

Esses pseudo-turistas querem ser respeitados? Pois então que respeitem as características dos lugares que visitam.

Não sejam inúteis “ativistas” como as mulheres feias do femen, que só sabem tirar os peitos para fora em igrejas cristãs, mas nunca têm coragem para fazer protestos nos “países muçulmanos amigos”.

 

Testamentos

Mais um aspecto sobre a fôrça de alguns países: testamentos.
Falei de fazer testamento, e as reações dos conhecidos foi a mais pior de ruim. Quanta besteira…
Está doente? Vai se matar?
Se pelo menos fosse para pilotar um avião nuclear que destruísse a Praça dos Três Poderes em dia de festa…
Depois de 60 e tantos anos, matemàticamente estou muito mais perto da morte do que no nascimento.
Parece, porém, que as pessoas se recusam a ver o óbvio.

Concluí que um dos grandes sinais de identificação de um país atrasado, feito o Brasil, é o medo de falar em testamento.
Deixar herança para alguém em inglês é simplesmente chamado “desejo” (will). No Brasil é sinônimo de tragédia, fora as leis bem questionáveis sobre o assunto.
Paìsinho subdesenvolvido que acha que quanto mais leis mais melhor de bom.
Em outros países, as pessoas podem deixar os bens para instituições de caridade ou para gatinhos, cachorros, plantas de jardim, etc e tal.
No Brasil, os herdeiros são pessoas que têm relação com o defunteiro.
Qualquer coisa fora desse roteiro causa espanto.

Acho muito curioso, mas hoje em dia virou “obrigação” ser a favor do casamento gay, justamente casamento, “aquela instituição falida” que a esquerda chique repugnava nos anos ’60, ao mesmo tempo em que perseguia homossexuais.
Justamente a mesma esquerda caviar hoje em dia é favorável ao casamento gay, pasmem: por uma questão de herança.
Herança, é, aquela coisa burguesa de deixar bens para outros, que na velha União Soviética não existia. A esquerda não gosta de aulas de História.
Pode-se deixar herança para quem compartilhou a cama, mas não para alguém que compartilhou o dia a dia?

Não tenho pais vivos, nem nunca tive filhos.
Todos os outros parentes estão com a vida feita, bem estruturados, com profissões e seus outros bens, com recursos para viver de forma digna.
Por que deixar meus bens materiais e financeiros para eles? Para repetirem o famoso “vem fácil vai fácil”?
Por que não deixar para pessoas que estão em meu dia a dia, e que nunca terão as mesmas oportunidades que esses parentes tiveram?
Para que gente que paga de mensalidade em uma faculdade particular um valor quase tão alto quanto o que recebe de salário em trabalho sem especialização?
Ou para gente que trabalha desde bem jovem, e que por mais esforço que faça nunca consegue ter a famosa casa própria, pois isso só é facilitado para apadrinhados, e não para o proletariado (mesmo que proletariado no serviço público, que paga mal exceto para ascensoristas do Senado e deuses que dão voz de prisão a aviões e a carros sem placas).
Os beneficiários podem ser alterados ao longo do tempo, conforme eles ou o testamenteiro mudem suas vidas.

Sei que não deixarei dinheiro para nem uma ONG ou para instituições como algum partido político, religião dos loucos e dos maus-caracteres.
Meu avô não tinha bens, mas deixou dinheiro para pagar o enterro dele. Deixou enquanto estava lúcido, o que não acontecia mais nos últimos anos dos 93 de vida.
Algumas pessoas, porém, acham que a “medicina” vai avançar e que todos nós viveremos 180 anos.
Já repararam que quanto mais “progressos” a medicina apresenta, mais doenças novas aparecem? É a natureza dando risadas da arrogância humana.
Tudo tem de morrer, é o recado que uçerizumanu não percebem.

Realmente fiquei tremendamente decepcionado com a reação dos brasileiros à palavra testamento.
Sinal de subdesenvolvimento mental e, sobretudo, moral.
Já que o voto é obrigatório, a declaração de imposto de renda, idem, acho que deveria ser obrigatório a existência de testamento para todos os brasileiros.
Não é obrigatório o seguro de saúde para viagens internacionais?
Então, também o comprovante de testamento, e, importante, o depósito de dinheiro para o traslado do corpo, porque acho uma tremenda cara-de-pau achar que o governo tem obrigação de trazer defunto que foi fazer turismo (ou se prostituir e/ou traficar) para ser enterrado próximo dos parentes.
Meu dinheiro de impostos servir para isso? Nada feito. Morreu, manda cremar onde está o cadáver. Ele não vai mesmo ver o que acontece.

Ou será que devemos deixar todos os bens para o grande e generoso governo, como nos tempos “velha e saudosa” União Soviética?

Ah, só um apêndice: deixar livros para biblioteca pública é quase impossível, pois as leis e regulamentos criam mil e duzentos obstáculos, sem contar a má vontade das bibliotecárias que não gostam de ter de classificar livros antigos, e a burrice dos “pedagogos” que não gostam de livros que não venham no modelo do desacordo ortográfico em vigor. Sabe como é, pode surgir algum questionamento sobre as “verdades absolutas” que o Brasil venera.
Um codicilo resolve esse assunto e outros parecidos.

Nuvem de tags