Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘crise financeira’

dois comentários inteligentes

Na matéria do site G1, sobre a perda do grau de investimento da economia brasileira, encontrei dois comentários que reproduzo, de gente bem informada, que não cai na conversa de “democratas” e “esquerdopatas” que padecem da deformação de agências de notícia.

  • A crise de 2008 foi excesso de dinheiro e crédito fácil. Justamente coisa que o liberalismo não defende. Expansão monetária a rodo sem ser calçada na produtividade. Tá feio já isso aí que você está falando petralha. Melhor voltar pros blogs progressistas. Lá você consegue se encaixar nessa esquizofrenia coletiva.
  • É muito difícil argumentar com desinformado que acredita em papai Noel. A Crise de 2008 foi iniciada nos anos 90 por uma bolha imobiliária gerada no governo Clinton com um plano habitacional populista que gerou distorções nos preços reais dos imóveis, aliada a falta de garantias para a aprovação de financiamentos. Quando essa bolha estourou provocou uma catástrofe em diversos setores. Me diga, o que tinha de liberal no programa habitacional do governo Clinton??? Vai defecar lá no site da carta capital seu desinformado, não sabe nem o que é liberalismo, muito menos macro economia.

Conseqüências da crise econômica na Grécia

Circula na internet essa relação de conseqüências da crise na Grécia:

1. Zeus vende o trono para uma multinacional coreana.
2. Aquiles vai tratar o calcanhar na saúde pública.
3. Eros e Pan inauguram prostíbulo.
4. Hércules suspende os 12 trabalhos por falta de pagamento.
5. Narciso vende espelhos para pagar a dívida do cheque especial.
6. O Minotauro puxa carroça para ganhar a vida.
7. A Acrópole é vendida e aí é inaugurada uma Igreja Universal do Reino de Zeus.
8. Eurozona rejeita Medusa como negociadora grega:  “Ela tem minhocas na cabeça!”.
9. Sócrates inaugura Cicuta’s Bar para ganhar uns trocados.
10. Dionísio vende vinhos à beira da estrada de Marathónas.
11. Hermes entrega currículo para trabalhar nos correios. Especialidade: entrega rápida.
12. Afrodite aceita posar para a Playboy.
13. Sem dinheiro para pagar os salários, Zeus libera as ninfas para trabalharem na Eurozona.
14. Ilha de Lesbos abre resort hétero.
15. Para economizar energia, Diógenes apaga a lanterna.
16. Oráculo de Delfos vaza números do orçamento e provoca pânico nas Bolsas.
17. Ares, deus da guerra, é pego em flagrante desviando  armamento para a guerrilha síria.
18. A caverna de Platão abriga milhares de sem-teto.
19. Descoberto o porquê da crise: os economistas estão todos falando grego!!!

O fundo do poço

Um primo comentou que só vai acreditar que o Brasil chegou ao fundo do poço, quando dele saírem japoneses.

 

Padrão dos pobres

A agência Padrão dos Pobres (Standard & Poor’s) baixou a avaliação do Brasil de BBB para BBB-. (e nem foi por conta da baixa audiência do “pograma da grobo”).

Tudo bem que ela, S&P, não é padrão de ónéstidadji. Basta ver o trabalho que seus “analistas” NÃO fizeram em 2008.
Essa agência, bem com as outras, tem interesse em melhorar a nota dos países ricos e baixar a dos “emergentes” (nome polìticamente correto para SUBDESENVOLVIDOS). Não é possível deixar de captar recursos de investimentos especulativos por conta dos altos juros pagos “alhures”.

MAS :

o pior ainda está por vir.

Aquela famosa empresa de energia brasileira está, no momento, com três “escândalozinhos” não explicadas – as refinarias Pasadilma, a no Japão e a refinaria “venezuelana” em Pernambuco. Outras coisas sobre esse “exemplo” de gestão empresarial ainda virão à tona. É só aguardar.
A bolha imobiliária ainda não estourou, no Brasil – apenas estamos em compasso de espera. O número de corretores já tem diminuído (que alívio!!), a procura por imóveis rotulados como “alto padrão” (arapucas) já recuou. Falta apenas o início da insolvência dos devedores. Ficaremos finalmente livres de construtoras que não cumprem promessas.

Aí teremos atingido a principal meta do país: “eliminar as desigualdades sociais”.
Sim, porque como tudo neste país é feito para nivelar por baixo, atingiremos o “padrão dos pobres” sem muitas outras preocupações e esforços.

É bem verdade que muitos criminosos estarão a salvo. Como já vimos, um “reles funcionário do Banco do Brasil” conseguiu amealhar uma pequena fortuna no exterior.
Você acredita que ele será extraditado pela Itália de volta ao país de onde escapou?

Notícias sobre economia – hahaha

Uma jornalista de economia do Estadão (quaquaquaquaquá)  assinou uma matéria na qual informa (quaquaquauquaquá) que aquele banco dos Estados Unidos que subsistiu às custas da filial brasileira, durante a quebradeira há ano e meio, o Citigroup, rebaixa recomendação para ações do Brasil.

É isso aí. Bom mesmo é investir na Grécia.

Por isso que economia é uma ciência séria, não especulativa, e que jornalismo é uma atividade ética, sem patrocínios.

Por hoje já ri tanto que fiquei com dores no abdômen.

Crise na Grécia

A Grécia entra em quebradeira por conta de ser considerada especulativa e carrega as bolsas de valores do mundo para o buraco. Os países da Zona do Euro reclamam que a chanceler Angela Merkel é irresponsável por se recusar a dar dinheiro de graça para os gregos regularizarem as contas.

Curioso o mundo econômico. Quem faz as contas corretamente é irresponsável. Quem especula e brinca com corrupção busca ajuda. O governo grego e a poderosa igreja ortodoxa, que abençoa todas as formas de pagamento-extra. sem recibo, posam de isentos em termos financeiros.

A economia é ciência? Só se for inexata e desumana, em que os justos pagam pelos pecadores.

Dubai, moedas, especulação imobiliária, Brasília, Brasil

Durante meses e meses, pessoas poluíram a internet com mensagens cujos anexos eram power-points com imagens sobre as maravilhas de Dubai, aquele paraíso em que o trabalho semi-escravo de estrangeiros, residindo em latões, construiu edifícios suntuosos, bem ao gosto dos palácios de 1001 noites.

Pois agora, nesta semana, o sonho desabou, e uma dívida de cerca de 60 bilhões de dólares apareceu na construção civil de Dubai, com reflexos óbvios no sistema bancário do Oriente Mérdio. O estrago no sistema financeiro mundial só não foi maior porque a quebradeira coincidiu com o feriado do Dia de Ação de Graças, nos Estados Unidos, e com o feriado do Eid, em países muçulmanos.

Com o dólar já claudicante, o problema do iene, a valorização do euro, e outros que tais, a tal marolinha uma hora vai aumentar no Brasil, sobretudo porque a especulação imobiliária vai a toda nestas terras.

  • Em Brasília, uma quitinete, no Setor Noroeste (ainda em fase de lançamento), está com preços cotados a reles R$ 558.000,00 (isso mesmo, quinhentos e cinqüenta e oito mil reais – cerca de 320 mil dólares, ao câmbio de hoje – por uma quitinete de 35 metros quadrados; quase R$ 16.000/m2).
  • Há lastro que sustente isso no Brasil? Lógico que não. Logo esse castelo especulativo desmoronará, em Brasília, na Oscar Freire, na Barra da Tijuca, onde seja.
  • Talvez em Brasília o início da ruína esteja se dando com a investigação na distribuição de recursos ilegais na base aliada do des-governo do Detrito que Fede-mal, desde que este quadradinho inscrutrado em Goiás foi emancipado polìticamente em obra da demagogia lítica de Ulisses Guimarães em 1988. Não é à toa que o ex-governador e ex-senador (fugido) Horroriz (incrível grileiro), a ex-governadora Maria de Lourdes A-Bvadia, e o atual governador e ex-senador (fugido) Arruda mantiveram tantos nomes em comum em suas equipes, inclusive o senador (e atual vice-governador), e dono de empreiteira, Paulo Octavio (casado com uma das netas de JK, para ajudar a ascenção social, segundo dizem).

Bem, voltando à vaca fria, economia feita de especulação imobiliária dá com os burros n’água. Foi assim que os Estados Unidos sifu no ano passado. E será assim que, nunca antes na história deste país, veremos o Brasil em breve naufragar, com ou sem minha casa, minha vida.

Em tempo: por favor, não me mandem power points com imagens da Xina, pois aquilo também é fruto de trabalho semi-escravo, e, como já viram acontecer com o centro de televisão de Pequim, logo depois das olim-piadas do ano passado, desaparece com simples fogos de artifícios.

Nuvem de tags