Um blogue mal humorado, com aversão ao abominável modismo do "polìticamente correto" (hipòcritamente mal-resolvido). Blogue de um cético convicto, com a própria ortografia.

Posts marcados ‘salário’

1871 e 2017

Recebi por whatsaap este texto, cuja coerência e fundamentação já comprovei em muitos livros sérios.

Em 1871, a Imperatriz Teresa Cristina doou todas as suas joias pessoais para a causa abolicionista, deixando a elite furiosa com tal ousadia. No mesmo ano A Lei do Ventre Livre entrou em vigor, assinada por sua filha a Princesa Imperial Dona Isabel.

Oficialmente, a primeira grande favela na cidade do Rio de Janeiro, data de 1893, 4 anos e meio após a Proclamação da República e cancelamento de ajuda aos ex-cativos.

José do Patrocínio organizou uma guarda especialmente para a proteção da Princesa Isabel, chamada “A Guarda Negra”. Devido a abolição e até mesmo antes na Lei do Ventre Livre , a princesa recebia diariamente ameaças contra sua vida e de seus filhos. As ameaças eram financiadas pelos grandes cafeicultores escravocratas.

A família imperial não tinha escravos. Todos os negros eram alforriados e assalariados, em todos imóveis da família.

D. Pedro II tentou ao parlamento a abolição da escravatura desde 1848. Uma luta contra os poderosos fazendeiros por 40 anos. O Parlamento sempre negava o projeto de lei, pois muitos tinham influências diretas ou indiretas com os grandes cafeicultores escravocratas. Se tratando de uma MONARQUIA CONSTITUCIONAL PARLAMENTARISTA, o imperador não tinha o poder para decretar leis sem aprovação da maioria do parlamento.

Princesa Isabel recebia com bastante frequência amigos negros em seu palácio em Laranjeiras para saraus e pequenas festas. Um verdadeiro escândalo para época.

Na casa de veraneio em Petrópolis, Princesa Isabel ajudava a esconder escravos fugidos e arrecadava numerários para alforriá-los.

Pedro II criou uma cota para negros alforriados ingressarem no Colégio Pedro II e nas Faculdades. Essa cota não foi aprovada pelo parlamento, porém Pedro II tirou de seus próprios proventos a garantia da cota. No período de 1872 e 1889 centenas de ex-cativos se tornaram médicos, advogados, engenheiros… Graças a chamada “bolsa do imperador”.

O bairro mais caro do Rio de Janeiro, o Leblon, era um quilombo que cultivava camélias, flor símbolo da abolição, sendo sustentado pela Princesa Isabel.

Aumento do próprio salário??! O Imperador esteve no trono brasileiro por 50 anos. Mas nunca aceitou aumento na sua dotação, isto é, o salário. Quando morreu exilado em 1891, não havia acumulado riqueza alguma. Faleceu em um modesto quarto de hotel de 3 estrelas em Paris que era pago por um grande amigo, o Barão de Loreto.

Suas últimas palavras foram: “Deus que me conceda esses últimos desejos—Paz e Prosperidade para o Brasil.” Enquanto preparavam seu corpo, um pacote lacrado foi encontrado no quarto com uma mensagem escrita pelo próprio Imperador: “É terra de meu país; desejo que seja posta no meu caixão, se eu morrer fora de minha pátria”.
.
© EQUIPE PEDRO II DO BRASIL
© https://www.facebook.com/PedroIIBrasil/
Copyright © 2012 2017
Copyright all rights reserved

Fonte: Diário Pedro II (Acervo Museu Imperial Petrópolis RJ), IMS RJ, Real Gabinete Português RJ e Biblioteca Nacional RJ.

Comparando o currículo e os atos públicos e pessoais do Dom Pedro II, com os principais políticos atuais, o Brasil, regrediu dràsticamente.
Recomendo a leitura de Um Reino Que Não Era Deste Mundo,  para entenderem a quartelada de 1889, sob o ponto de vista de um historiador que não é chapa-branca, como a maior parte do que é ensinado nas escolas.

Anúncios

salário de veadores

Nem preciso comentar novamente, a tag (etiqueta) vereador está repleta de posts que inseri sobre o assunto.
Já falei muitas e muitas vezes sobre essa excremência brasileira de dar salário a conselheiros municipais.

Pior ainda que eles mesmos legislam sobre os próprios salários.

O pior é que há no país 5600 células com essa metástase cancerosa chamada município, todas com os mesmos “deretchus” e sem qualquer responsabilidade. E viva a CF 88…

Professores de escolas particulares

Recebi este texto por e-mail, e faz referência a um post de caradelivro de 2014, ainda disponível.

“Olha que interessante, fui conhecer uma escola aqui de Campo Grande – MS, para matricular minha filha. Enquanto a diretora mostrava empolgadíssima sua estrutura (carteiras bonitas, biblioteca infantil, área disso… área daquilo…) viro pra mulher e pergunto: “Quanto é a hora/aula do professor que vai dar aula pra minha filha aqui na sua escola?”

A diretora empacou. Perguntou se eu estava querendo matricular ou procurando emprego. Eu prossegui: “Quero matricular, mas quero saber quanto sua escola investe em quem vai ensinar minha filha”. Empacamento 2. Ela parou, ficou me olhando e disse: “Pagamos o que está determinado no sindicato, ou seja, R$ 8,19 por hora/aula”.

Eu sorri e já disse a conta pronta: “Como são 4 horas por dia e 5 dias por semana, temos 20 aulas x 4 semanas = 80 aulas. Vezes 8,19… Uns 650,00 reais por mês? É isso que a pessoa que ensinará minha filha ganha? Se trabalhar dois períodos 1300,00?” Que professores a Sra. tem aqui? Quem aceita trabalhar por isso?”

A mulher me fuzilou com os olhos… Dane-se… Transporte esse salário para o comércio e chegará em ocupações que não exigem preparação. Se você pensar pelo lado do livre mercado (trabalho no melhor salário para minha capacidade) , chegamos facilmente à conclusão de que eu devo me preocupar com a “fessora” da minha filha.
Aí falei pra espumante Diretora: “A Sra. paga pouco, e com isso não se contrata boa mão de obra e é essa mão de obra que me interessa, não sua biblioteca, sua área disso… área daquilo… Devemos matricular nossos filhos na escola que pagar a melhor hora/aula, porque a TENDÊNCIA é que lá estejam os melhores professores”.

Tem tanta coisa que eu penso diferente. Quer defender a educação? Comece agora. Estamos na melhor época. Garanto que nunca havia visto a escola por esse lado, mas fica aí concordando que professor ganha pouco.”

Vinicius Siqueira tem 38 anos, é pai de uma menina de 4 anos e trabalha como oficial da justiça.
-=-=-=-
Pai faz “sucesso” ao falar sobre salário baixo de professor da rede privada
Aline dos Santos e Ricardo Campos Jr.

Causou espanto e quase 25 mil compartilhamentos, mas o desabafo  (veja também em https://goo.gl/bAVugK) feito em uma rede social pelo oficial de Justiça Vinícius Siqueira, 38 anos, preocupado com a raquítica remuneração dos professores que dariam aula para sua filha é realidade para grande parcela dos mestres na rede particular de ensino. O valor da hora/aula foi determinante na escolha do estabelecimento de ensino.

Guiado pelos diretores, o pai era convidado e acompanhado em um tour pelas estruturas de laboratórios, salas multimídia, espaços recreativos, etc. Mas, nada disso impressionava Vinícius que, ao fim, questionava: “Qual o valor do salário pago aos professores?”.

“Muitos ficavam bravos comigo, diziam que não era um assunto da alçada dos pais. Teve algumas escolas que recusaram. Acho que nunca tinham perguntado isso antes. Em uma das escolas acharam que eu estava pedindo emprego. As reações foram as piores possíveis”, contou Siqueira.

O valor girava sempre em torno de R$ 8 a hora/aula. Na escola em que, depois de muita procura, o oficial acabou efetivando a matrícula, são pagos R$ 15 a hora/aula. “Eu ainda acho pouco, mas não achei uma que pagasse mais”, afirmou.

“Eu acho que a partir do momento que a escola perceber que está tendo recusa de matrícula por causa do valor da hora aula dela, as coisas melhoram”, comenta.

Sobre a quantidade de compartilhamentos que a postagem teve, “todo mundo ficou assustado”, diz. “Essa repercussão, eu achei foi pouca em Campo Grande. As pessoas que compartilharam são do Brasil inteiro. Muita gente de fora. Eu queria que essa ideia se disseminasse, que os pais tivessem isso em mente. A gente fica reclamando e falando que professor ganha pouco, mas quando indiretamente você vai contratar um professor, não se preocupa com isso”.

Basta uma atitude para começar a mudar o mundo e Vinícius deixa um recado: “que os pais se preocupem não só com seus filhos, mas com os professores que vão ensiná-los”.

Indignante – “Tem professor que ganha menos de um salário mínimo por causa da hora-aula. Acontece que hoje, os profissionais trabalham de manhã, tarde e noite. Não têm tempo para preparar aula, não têm tempo para a família”, afirma o presidente do Sintrae (Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino do Setor Privado), Eduardo Botelho. O sindicato tem 2.300 filiados, mas representa oito mil profissionais distribuídos em 34 municípios.

Segundo ele, o valor de R$ 8,19 é para o ensino infantil e ensino fundamental 1 (que vai do primeiro ao sexto ano). Apesar de, especialmente no segmento infantil, a mensalidade ser alta, Eduardo Botelho afirma que a maioria paga esse piso. “Poucas pagam acima, só as maiores escolas”, salienta. Nessas modalidades de ensino, a melhor remuneração chega a R$ 15 por hora-aula.

Com data-base no mês de março, a categoria quer reajuste de 20% no valor de R$ 8,19. Segundo Botelho, a rede pública vem melhorando, com definição de piso salarial e aplicação de um terço de hora-atividade, benefícios que não chegam à rede particular.

“A rede privada não tem nada, tentamos duas vezes no Tribunal Superior do Trabalho ter um terço de hora-atividade. As escolas alegam que estão quebrando, que não tem condições de aumentar. Aí nos vamos só para baixo”, diz o presidente do Sintrae. O sindicato fará assembleia no dia 31 de janeiro para discutir o reajuste salarial.

Presidente do Sinepe (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso do Sul), Maria da Glória Paim Barcellos, afirma que vai se manifestar sobre o pedido de reajuste quando receber a pauta. Quanto às críticas postadas na rede social, ela disse somente que o valor é de conhecimento público e que é muito relativo pai falar de hora-aula.

Gostaram dos textos?

Detalhe: professores de escolas particulares não fazem greves semestrais, para “repor” as férias, como nas escolas públicas.
Se o fizerem, recebem um pontapé no traseiro.

E dá-lhes “deretchus” garantidos pela CF 88…

Depois reclamam que professor no Brasil não é valorizado como no Japão ou na Finlândia.

Quanto custa um deputado?

O site Swissinfo fez uma matéria sobre o custo de parlamentares em diferentes países.

Quanto ganham os parlamentares?

Adivinhem.

A Itália tem o mais caro (apesar das famosas “mãos limpas”) e a Tupinambalândia está, na lista, acima de Reino Unido, França, Rússia, Suíça, Portugal…

A Terra Onde Se Plantando Tudo Dá também é o campeão na classificação comparada com os salários médios de cada país. Por exemplo, três vezes mais do que em países de “salários baixos”, como os Estados Unidos.

Isso, é claro, sem contar as mordomias paralelas e o famoso Caixa 2…

 

“meus colaboradores”

Se há algo que abomino é a hipócrita linguagem “empresarial” de chamar funcionários de “colaboradores”.

Pode funcionar em alemão – Mitarbeiter, e talvez em uma aula de etimologia, no sentido de que co-laborador é quem trabalha com outrem.

Pergunto, porém, o que há de errado em chamar alguém de funcionário?

Funcionário é quem tem uma função.
Para exercê-la, essa pessoa teve a carteira de trabalho assinada e recebe um salário.Trabalha não por colaboração, mas por necessidade, e de acordo com as leis trabalhistas.

A palavra “colaborador” é a coisa mais hipócrita que um chefe pode dizer a respeito de alguém que está na equipe de trabalho.

Pior, na maioria das vezes, o chefe é também um funcionário da empresa.
É com esta que existe o vínculo de trabalho entre o funcionário e o “chefelho”.
Esse aí, pode ser substituído a qualquer momento, até mesmo se for um incompetente filho do patrão.

Colaborador é aquele sujeito que, no meio de uma mudança, quer ajudar os vizinhos e derruba a caixa com os cristais.

Por isso, não admito ouvir um gerente dizendo “meus colaboradores”.
“meus quem?”, cara pálida.Não são teus, são da empresa.

O tal gerente que estufa o peito para repetir esse jargão de “empresa globalizada” tem de tomar cuidado, porque uma hora dessas levará um belo chute no traseiro. Esse tipo de organização, que ensina essa besteirol nas reuniões de Recursos Humanos, não se preocupa muito com o que o funcionário Já Fez, mas sim com o que ela Pode Fazer no futuro. Puro jogo de interesses.
Uma hora dessas, vai sobrar para o tal gerente.
É a “política de pessoal”  de todas as empresas que rotulam funcionários de “colaboradores”.  Só falta aparecer uma cheerleader para fazer aqueles treinamentos motivacionais, que deixam os funcionários estressados e a clientela esperando. Já vi esse filme…

Não adianta cair nessa conversa de se iludir com estar “bem cotado” pela empresa.
O que importa de verdade é ter boa reputação para obter trabalho em qualquer organização, a qualquer hora, e não ficar de peito estufado para atingir “metas da empresa”. Nem sempre elas são as metas e os objetivos do Funcionário.

Conheço uma pessoa muito capaz, gerente de uma agência de um certo banco internacional, que pediu demissão.
Disseram a ela:- Mas você tem o perfil de colaborador que queremos!
E como resposta ouviram:
– Esta instituição é que não tem o perfil de onde quero trabalhar.
Essa pessoal, por sinal, está muito melhor colocada em outro lugar, atualmente.

UhhhUUU

Pois é, reproduzo o que encontrei no jornal “Meia Noite”, ao qual tive acesso pelo gúgou níus:

O governo anunciou ontem à noite um pacote com medidas duras que afetam a vida de trabalhadores e a concessão de pensões. As mudanças incluem mais rigor para conceder seguro-desemprego, abono salarial, auxílio-doença e pensão. As medidas na área trabalhista eram esperadas, mas a abrangência das mudanças sobre pensões gera uma insegurança futura para milhares de pessoas e devem mudar a forma como os brasileiros e brasileiras encaram a carreira. Em caso de morte do cônjuge, por exemplo, a pensão será de 50% da renda, inclusive para servidores públicos. Conforme a idade, o benefício será extinto após um tempo. As medidas são racionais do ponto de vista de gestão financeira e permitirão economia da ordem de R$ 18 bilhões por ano, mas pegam muita gente de surpresa porque a presidente Dilma ganhou a eleição justamente dizendo que manteria os programas sociais e que seus adversários é que fariam cortes. Os detalhes serão publicados hoje no Diário Oficial da União.

Quem ganha eleição joga fora as promessas antes mesmo de assumir o cargo. Ou re-assumir, nesse caso.

Sempre pergunto onde foi que descobriram que “eleição” é sinônimo de “demo-cracia”. Bem, governo do DEMO, não do povo.

Espero que o Brasil mergulhe logo, por completo, no terreno fecal que plantou.
Merecemos, tal a burrice da “intelectualidade” que ainda apóia os des-governos.
Em troca de uns carguinhos e de uns patrocínios, é claro.

Fórmula para melhorar o Brasil

Podem ser eleitores:
os maiores de 35 anos, e menores de 70 anos,
com curso superior completo,
e renda individual igual ou superior a 5 salários mínimos.

Podem ser candidatos:
os eleitores quem nunca foram condenados pela justiça (mesmo que em primeira instância),
os eleitores que nunca tenham sido fotografados usando boné com a aba virada para trás.

Nuvem de tags